A raça como crime cívico

R$8,00

A exclusão dos Negros em épocas mais remotas sugere que a negritude e mais bem compreendida como o crime cívico primevo da América.

A raça como crime cívico
Loic Wacquant
32 páginas

Ao assumir um papel central no governo pós-keynesiano da divisão racial e da pobreza, o crescente sistema carcerário tornou-se uma força preeminente na (re)for mação da raça e da cidadania nos Estados Unidos da América. Não só significa mas também reforça a negritude através da sua fusão prática da cor com criminalidade e violência desviada. Da mesma maneira que a escravatura resultou na “morte social” dos cativos africanos importados e dos seus descendentes, o encarceramento massivo dos Afro-Americanos induz a morte cívica daqueles que enreda através da sua exclusão do contrato social. Os reclusos são o alvo de um triplo movimento de fechamento excludente que lhes nega o acesso a capital cultural institucionalizado, que os afasta da redistribuição social e que os incapacita da participação política. Os estatutos da privação criminal dos direitos de voto que proíbem este ultimo a quase 2 milhões de americanos (re)colocam-nos no papel histórico de antítese viva do “modelo americano”. A estreita relação entre a retórica e a política de expurgação política dos condenados no fim do século e as da exclusão dos Negros em épocas mais remotas sugere que a negritude e mais bem compreendida como o crime cívico primevo da América, de acordo com a concepão durkheimiana do crime enquanto “um ato” que “ofende estados fortes da consciência coletiva” – neste caso, a representação idealizada que a América tem de si própria como a terra prometida da liberdade, da igualdade e da auto-determinação. Ao reativar e ao atualizar a lógica da infâmia racializada, a excomunhão criminal lembra-nos que a divisão de casta e um traço constitutivo e não o teratológico do republicanismo americano. Da testemunho da compleição estratificada e restritiva da cidadania americana no limiar do novo milênio.

Você também pode gostar de…