Verve

Exibindo 1–15 de 23 resultados

  • Libert√°rios: educa√ß√£o da solidariedade e educa√ß√£o da revolta

    R$6,00

    A educação como prática anarquista, nas primeiras décadas do século XX, no Brasil, possui características próprias que a distinguem da educação limitada à escolarização hoje oferecida, de maneira impositiva, pelo Estado.

  • Conversas com um abolicionista do sistema penal

    R$5,00

    Louk Hulsman √© professor em√©rito na Universidade de Rotterdam e membro de diversos foros internacionais das Na√ß√Ķes Unidas, do Conselho da Europa e das Sociedades de Direito Penal e Criminologia. Hulsman √© um abolicionista penal que desestabiliza n√£o s√≥ o direito como o pr√≥prio abolicionismo. Desconcerta o Direito ao sacudir as certezas pensadas em torno de legalidades e ilegalidades.

  • Durruti est√° morto, contudo vivo

    R$2,00

    Emma Goldman, momentos após a morte de Durruti, escreve um breve e inesquecível texto sobre a existência revolucionária, na Espanha de 1936. (Tradução do inglês por Maria Abramo Caldeira Brant.)

  • A f√ļria das garotas punks

    R$3,00

    Em meados de 1990, algumas jovens punks, esgotadas com uma conduta machista preponderante em meio ao punk, começaram a inventar maneiras de resistir e enfrentar estas condutas. As práticas instauradas por essas garotas produziram o que veio a ser conhecido como o movimento riot grrrl.

  • Stirner e Foucault: em dire√ß√£o a uma liberdade p√≥s-kantiana

    R$8,00

    A filosofia universalista de Kant √© problematizada por meio das intensas aproxima√ß√Ķes entre as reflex√Ķes de Max Stirner e Michel Foucault, as no√ß√Ķes de propriedade de si e cuidado de si, e os desdobramentos pol√≠ticos de resist√™ncias disseminando √©ticas de libera√ß√£o. A atualidade de Stirner e Foucault ao liberarem a liberdade da moral.

  • Nietzsche e o anarquismo

    R$8,50

    Nietzsche e a reflexão anarquista como encontro improvável, provocador e contraditório

  • Revele-se

    R$3,00

    David Graeber, antrop√≥logo anarquista, revigora a discuss√£o anti-utilitarista sob a perspectiva do pensamento de Mauss elencando uma cr√≠tica √† intelectualidade moderna e, ao mesmo tempo, ao utilitarismo, tomando o grupo fundado por Alain Caill√©, o MAUSS, como um dos √ļltimos antagonistas da ci√™ncia econ√īmica que, segundo Graeber, seria a religi√£o da modernidade.

  • A crian√ßa

    R$9,00

    A crian√ßa n√£o √© nem um anjo, nem um dem√īnio ‚ÄĒ Ela √© a consequ√™ncia f√≠sica, intelectual e moral das gera√ß√Ķes anteriores ‚ÄĒ Ela √© resultado da hereditariedade, da educa√ß√£o e do ambiente ‚ÄĒ Import√Ęncia capital do problema da educa√ß√£o ‚ÄĒ Cultura f√≠sica ‚ÄĒ Cultura intelectual: a escola atual: seu programa, seus m√©todos, suas condi√ß√Ķes ‚ÄĒ Cultura moral: severidade ou brandura? Proibi√ß√£o ou liberdade? ‚ÄĒ O exemplo. A reciprocidade. ‚ÄĒ A crian√ßa √© o futuro!!!

  • A arte de gostar do mesmo sexo

    R$5,00

    As pr√°ticas sociais e sexuais, particularmente as ocidentais, s√£o calcadas em princ√≠pios universais, judaico-crist√£os e moralistas. Elas referendam as rela√ß√Ķes sexuais entre pessoas do sexo oposto em detrimento das rela√ß√Ķes entre pessoas do mesmo sexo. Estas √ļltimas se voltam contra o institu√≠do, instaurando o imoralismo: a arte como transgress√£o.

  • A escola p√ļblica numa perspectiva anarquista

    R$10,00

    A escola p√ļblica √© comumente vista como uma escola estatal. Mas ser√° necessariamente assim? Essa media√ß√£o do Estado entre a sociedade e a educa√ß√£o ser√°, de fato, necess√°ria? Este artigo pretende mostrar que n√£o, explorando as propostas anarquistas de educa√ß√£o para mostrar a viabilidade de uma escola p√ļblica n√£o-estatal.

  • A aposta por uma teoria da aboli√ß√£o do sistema penal

    R$8,00

    O abolicionismo penal √© apresentado como problematiza√ß√£o pertinente do sistema de justi√ßa penal, frente, n√£o s√≥ a este sistema e sua l√≥gica anacr√īnica, como tamb√©m frente ao reformismo que o preserva sob o argumento da atualiza√ß√£o. O ponto de vista do abolicionismo √© desenhado como exterioridade que redimensiona a pr√°tica universalizante da criminaliza√ß√£o enquanto situa√ß√Ķes problema, que demandam a participa√ß√£o dos envolvidos.

  • Das can√ß√Ķes barulhentas que animam rebeldes

    R$2,00

    A proximidade do punk com a autogestão e os anarquismos não foi mera coincidência ou afinidade ideológica: se tocaram pelo jeito de fazer as coisas e de se inventar no mundo.

  • Abaixo ao desenvolvimento sustent√°vel! Viva o decrescimento convivial!

    R$4,00

    O decrescimento deveria ser organizado não somente para preservar o meio ambiente, mas também para restaurar o mínimo de justiça social, sem a qual o planeta está condenado à explosão.

  • A mecaniza√ß√£o do cad√°ver ‚Äď a m√° sorte dos animais

    R$4,00

    Uma analítica da história desenha territórios de saberes que evidenciam a atualidade de se pensar a espécie como problema político e o corpo como extensão onde a política instaura verdades. Dimensionada assim, a política permite combinar práticas sobre a pena de morte, sobre o homem como espécie diante de outras espécies, sobre saberes evolucionistas e criacionistas, como experimentação histórica sobre o presente.

  • Somos todos canibais

    R$2,50

    O canibalismo além da forma amestrada que conhecemos é também uma designação etnocêntrica se for compreendido como do humano, todos somos canibais.

Exibindo 1–15 de 23 resultados