Publicado em 1 comentário

Assinaturas: Catarse ou PicPay?

assinaturas

Assinaturas mensais são muito importantes para manter nosso projeto editorial em funcionamento, pois precisamos de mais colaboração e recursos. Mais pessoas para selecionar textos, fazer traduções, revisões, diagramação, capas, estar em contato com autoras e autores, assumir tarefas de divulgação, colocar o bonde para circular. Atualmente somos nove pessoas que, entre todas essas atividades compartilhadas, ainda contribuem financeiramente para a manutenção do espaço da editora, equipamentos, despesas de correios, comprar papel, tinta e tudo mais.

Em Setembro de 2018 criamos nossa Rede de Apoio no Catarse, uma plataforma que se tornou sinônimo de financiamento coletivo no Brasil e que praticamente dita as regras para quem depende dela para manter seus projetos em funcionamento. Quem quer participar deve concordar em pagar 13% de taxas e aguardar 10 dias úteis para receber os recursos das assinaturas de seus apoiadores. Não há problemas em concordar com esses termos, mas, em 18 meses de experiência na plataforma, percebemos que para seguir em frente é preciso fazer mais. Precisamos de mais papel, mais tinta, uma impressora maior, mais e mais correios. Logicamente, precisamos de mais pessoas, mais colaboração e, consecutivamente, mais recursos.

Faz algumas semanas que estamos conversando com nossas amizades sobre que medidas poderiam ser tomadas, como ampliar as pontas de contato e fortalecer o apoio à nossa atividade de fazer livros artesanais. Uma das ideias foi poder contar com contribuições mensais de R$1. Isso mesmo: um pila. Sabemos que nem todas as pessoas podem contribuir mensalmente com a editora e que muitas pessoas já colaboram em outros projetos bacanas e importantes. Então, decidimos criar um cadastro no PicPay Assinaturas, uma ferramenta de assinaturas com contribuições a partir de 1 real, taxa de operação de 1,99%, liberação do recurso uma vez por mês (como a maioria) e transferência do valor instantânea entre contas digitais ou em até 3 dias úteis para contas normais (TED). Confira o quadro com algumas características, vantagens e desvantagens que destacamos baseados em nossas necessidades. Vejamos:

Catarse Assinaturas
13
%
  • Assinatura mínima: R$ 5
  • Taxa: 13%
  • Liberação em: 30 dias
  • Saque: transf. em 10 dd
Vantagens

Sinônimo de financiamento coletivo no Brasil;

Campanhas simultâneas: pontuais ou recorrentes;

Desvantagens

Taxas

Saque demorado

PicPay Assinaturas
1,99
%
  • Assinatura mínima: R$ 1
  • Taxa: 1,99%
  • Liberação em: 30 dias
  • Saque: trans. imediata ou 3 dd no TED.
Vantagens

Taxas e rapidez no saque;

Cadastro e uso simplificado;

Desvantagem

Somente pelo aplicativo

Não possui widget de assinatura


Assinaturas: Isso não é uma conclusão

Antes de cravar que este é melhor que aquele, é importante pensar que estamos comparando um biscoito a um disco voador: pode haver semelhanças na forma, e, se olharmos à distância, pode ser que fiquemos confusos. Mas, ao aproximá-los, não há como fazer uma análise, principalmente pelo fato de que discos voadores sequer existem.

O Catarse é uma plataforma para realizadoras de projetos criativos e sociais, o PicPay é um meio de pagamento com a funcionalidade de assinaturas. Seria mais honesto comparar o PagSeguro Assinaturas ao PicPay Assinaturas, ou o Catarse ao Apoia-se. Mas entre as escolhas que fazemos, preferimos seguir regando as plantas. Dar água para que o Croton siga colorido, independente do meio de pagamento ou plataforma. O importante é que as pessoas tenham opções para apoiar a tarefa da Monstro dos Mares: produzir e distribuir livros que custem muito pouco. Quem pode fortalecer com um real, fortalece. Quem já utiliza a plataforma de financiamento coletivo para apoiar outros projetos, que não precise criar um novo cadastro em mais alguma ferramenta só para ajudar as amizades.

Queremos que as pessoas possam se sentir confortáveis em ajudar a tarefa da editora, sem que a ferramenta se torne um problema. Podemos não gostar das taxas e do tempo de transferência do Catarse, mas essa é a ferramenta que temos no momento. Há outras tantas, cada uma com suas características e peculiaridades. Mas optamos pelo Catarse por sua abrangência e presença junto às pessoas que estão habituadas com essa modalidade de financiamento. Criamos a conta no PicPay Assinaturas como uma alternativa para quem deseja contribuir com pequenos valores ou para quem acredita que a diferença entre as taxas são significativas ao financiamento das atividades de realizadoras de projetos.

Por favor, considere apoiar nosso coletivo editorial.
Para dar água as plantas, cada gotinha importa!

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um comentário

Estamos no Telegram

Existe uma multiplicidade de aplicativos de comunicação ponto a ponto que prometem ser seguros. Segurança antes de qualquer questão é pensar sobre a contingência e necessidade das mensagens trocadas, pois algumas questões não precisam ser ditas numa rede social ou num aplicativo seguro. Sua cultura de segurança é parte da sua proteção. Porém comunicar-se com agilidade é uma condição necessária.

Faz algum tempo adotamos o Telegram como uma alternativa “segura” ao comunicador preferido da maioria. Entendemos que essa não é a ferramenta mais segura do universo. Mas como foi criado um bot de notícias, um grupo (com muitas mensagens diárias) e também um canal de divulgação, optamos por manter esse contato mais genérico. Afinal de contas nós apenas fazemos livros e trocamos fofocas sobre a “anarcolândia”.

Com isso fica o convite para integrar o grupo ou receber os informes do canal:

Publicado em Deixe um comentário

Metareciclagem: seu lixo nossa alegria II (a copiadora)

É impressionante o tipo de coisas que as pessoas costumam descartar simplesmente pelo fato de que aquilo já não é mais útil para elas. Quantas vezes você já passou pela rua e encontrou monitores, gabinetes, fontes, mouses e teclados, atirados em lixeiras? Sim, infelizmente nem todas as pessoas estão sensibilizadas ou conhecem o significado de Metareciclagem.

No Brasil, considerando-se os equipamentos de grande e pequeno porte, a quantidade de lixo eletrônico chegou a mais de 900 mil toneladas em 2013, conforme estudo publicado pela ABDI. Se não for descartado corretamente, esse resíduo pode contaminar solo e lençóis freáticos, pois trazem mais de 60 tipos diferentes de substâncias potencialmente tóxicas e portanto, nocivas à saúde e ao meio ambiente.

Felizmente, algumas pessoas imaginam que jogar um eletrônico no lixo, ou na natureza não é uma coisa bacana e dão o encaminhamento apropriado, levando-o para um ecoponto, feira de descarte tecnológico ou departamento de coleta de resíduos sólidos do seu município. Aqui em Cachoeira do Sul (RS), temos o Departamento de Vigilância Ambiental (DVA), que recebe esse tipo de material de descarte todas as quartas-feiras, até o meio-dia. E foi lá, onde encontramos essas duas joinhas!

Duas máquinas copiadoras RICOH FT 3813 com aproximadamente 13 anos de uso, uma em bom estado, apenas com algumas manchas na impressão (conforme relatos) e outra com severos danos estruturais. Ainda não conseguimos ligar a máquina pois identificamos um varistor e resistor queimados na placa de entrada de alimentação de energia, o que denota que em algum momento ela foi ligada na tensão incorreta. Nosso grupo tech já substituiu a placa por outra e a marvada continua sem ligar. Mas em breve haverão novos encontros do grupo para seguir desvendando a máquina e torna-la operacional. Neste momento quando a máquina ligar, com papel a vontade, Toner e cilindros novos, um novo capítulo vai surgir na história dos movimentos e lutas que participamos ou apoiamos.

Por mais tinta no papel, seu lixo é a nossa alegria!

Publicado em Deixe um comentário

5 dicas para ajudar uma biblioteca pública

Sabemos que os incentivos financeiros são escassos e que esse quadro é mais visível quando trata-se de bibliotecas públicas. Mesmo com todos os incentivos governamentais é triste perceber que conforme dados da Fundação Biblioteca Nacional, existem 6.008 bibliotecas públicas para os 5.570 municípios do país e que a maioria desses equipamentos culturais encontram-se concentrados nos grandes centros. Muitas bibliotecas correm sérios riscos de fechar.


O que você pode fazer?

1. Considere utilizar a biblioteca pública. Utilizar o sistema de empréstimo de livros é uma das formas mais importantes de valorizar o livro, o acervo e a biblioteca, pois é através da circulação que pode-se verificar os ramos mais ativos e a utilidade do espaço para uma comunidade. Além disso, é bem mais barato do que visitar uma livraria em um shopping center.

2. Frequentar para manter. Quando foi a última vez que você pisou na biblioteca de sua comunidade? A circulação de pessoas é um indicador chave do envolvimento comunitário e este é um ativo importante. Mesmo que você não precise de um livro, existem outros motivos para você frequentar uma biblioteca uma ou duas vezes por mês, já que na maioria delas, é possível realizar consultas, ler jornais e revistas (e em alguns casos até mesmo consultar a internet, ouvir alguns discos e assistir filmes). Tudo de graça.

3. Promover atividades. Muito provavelmente, os bibliotecários estão sobrecarregados de tarefas diárias e são mal pagos, por isso não reclame da programação de atividades na biblioteca, ao invés disso, proponha algo. Faça valer o “faça você mesmo” que existe em você, apresente novas ideias para promover o tipo de programação envolvente para as pessoas da sua comunidade. É possível criar eventos variados para todas as idades. Crianças jovens, adultos e idosos de sua comunidade podem ser beneficiados com suas ideias. Seja criativo e divirta-se =)

4. Ser um Voluntário. Além de atividades e eventos, os voluntários podem ajudar em tarefas simples. Tem algum tempo extra? Ajude a colocar os livros nas prateleiras corretas, na restauração e reencadernação de livros. Você sabe fazer algum tipo de manutenção? Informática, jardins ou mesmo substituir uma tomada para o novo padrão. Que tal?

5. Fale sobre os recursos da biblioteca de sua comunidade para outras pessoas. É curioso como existem muitas pessoas que sequer se lembram da existência de uma biblioteca pública em sua cidade, escola ou bairro. Mais curioso ainda é como essas pessoas ficam admiradas em poder consultar livros, revistas, jornais, acessar a internet e participar de outras atividades de graça. Promovendo cultura, conhecimento e diversão inteligente para toda a família. Comece falando na escola do seu filho.

Com um pouquinho de boa vontade e algum tempo livre, é possível tornar nossas bibliotecas públicas em espaços cada vez mais inclusivos, mágicos, úteis e divertidos. Você é capaz de lembrar da sensação da primeira vez que esteve entre os livros de uma biblioteca?

Inspirado no artigo “How to save your local library”.


Atualização (22/03/2020): Informações recentes sobre bibliotecas públicas no Brasil podem ser acessadas no Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas.