Publicado em 1 coment√°rio

[Live de lançamento] Zumbi dos Palmares: por uma educação antirracista

Ol√° amizade! Enfim entramos na “era das lives” e queremos que voc√™ venha participar de nossa primeira transmiss√£o ao vivo para lan√ßamento de livros. No dia 9 de Dezembro, √†s 20h, vamos conversar com Waltinho Vadala, autor de “Zumbi dos Palmares: por uma educa√ß√£o antirracista”. Lan√ßado atrav√©s de financiamento coletivo pela Monstro dos Mares, est√° sendo distribu√≠do para onze espa√ßos de educa√ß√£o e luta antirracista.

Coloque na agenda ūüôā

Lan√ßamento “Zumbi dos Palmares: por uma educa√ß√£o antirracista”
9 de Dezembro de 2020, 20h.
Instagram da editora @monstrodosmares

Apresentação

Assim como Zumbi, por meio da luta e da resist√™ncia o movimento negro tem entre suas maiores conquistas a Lei 10.639/2003, que torna obrigat√≥rio o ensino da cultura afro-brasileira e africana nas escolas p√ļblicas e particulares de todo o Brasil.

Por isso, a história de Zumbi dos Palmares tem todo o necessário para levar o educando à compreensão de como a cultura afro-brasileira e africana é fundamental na formação da identidade cultural brasileira, e de como o educador pode questionar e combater as estruturas eurocêntricas históricas que ainda permanecem intrínsecas à maneira que se conta a história negra dentro das escolas. Este é o intuito principal deste livro. Segue, então, uma análise de como o movimento negro se mobilizou ao longo do século XX para obter uma das maiores conquistas afro-brasileiras na educação: a inserção da sua história e da história de suas raízes africanas no currículo educacional do país.

O movimento negro √© a organiza√ß√£o do povo afro-brasileiro na constru√ß√£o do combate ao racismo na educa√ß√£o brasileira. Ele serve de exemplo te√≥rico metodol√≥gico para os educadores superarem o ‚Äúracismo hist√≥rico‚ÄĚ que ainda se reflete na educa√ß√£o brasileira e influencia principalmente no processo de constru√ß√£o da identidade do educando negro, que n√£o se v√™ representado na forma√ß√£o cultural brasileira. Por mais que a teoria explique que a identidade brasileira se forma com a cis√£o das culturas europeias, ind√≠genas e africanas, apenas a cultura branca √© descrita na hist√≥ria. Entretanto, a partir do momento que temos um her√≥i negro que luta pela liberdade mesmo estando √† margem do sistema, esse aluno se v√™ representado e culturalmente pertencente a essa identidade brasileira.

O autor

Nascido na d√©cada de 90 e criado na cidade de Tabo√£o da Serra, em S√£o Paulo, neto de nordestinos e bisneto de imigrantes da S√≠ria e da It√°lia, Walter Vadala √© professor do Estado de S√£o Paulo desde 2013. Por op√ß√£o, leciona nas √°reas mais perif√©ricas. √Č historiador com p√≥s gradua√ß√£o em e Psicopedagogia, Arte e Cultura Afro-Brasileira e Ind√≠gena, e atualmente estudante de Ci√™ncias Sociais. Fundador do Coletivo Cultura Viva, um movimento de propaga√ß√£o das culturas ind√≠genas da Am√©rica atrav√©s de eventos culturais e produ√ß√Ķes audiovisuais, produziu e lan√ßou em 2019 um document√°rio sobre como os Guaranis transmitem seus conhecimentos origin√°rios para suas crian√ßas atrav√©s do canto. O document√°rio √© intitulado ‚ÄúVozes Guarani‚ÄĚ.


Publicado em 10 coment√°rios

Novembro: Feira Anarquista 2020 na Monstro dos Mares

J√° faz algum tempo que o m√™s de Novembro √© muito agitado na Monstro dos Mares. Geralmente, em Novembro ocorrem v√°rios eventos acad√™micos e as feiras. Quando nossa editora emergiu em 2012, come√ßamos a participar das feiras, como a Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre (FLAPOA). Ela costuma acontecer em alguma data paralela √† realiza√ß√£o da Feira do Livro de POA. Em S√£o Paulo, pr√≥ximo ao feriado de 15 de Novembro, todo ano ocorre a Feira Anarquista de SP, onde acontecem diversas atividades interessantes. Essa feira re√ļne pessoas de v√°rios recantos e pessoas que produzem livros, camisetas, ecobags, adesivos, rango vegano, plantinhas, entre outras cria√ß√Ķes, para abrir o pano e expor seus materiais. As feiras s√£o √≥timos espa√ßos para conhecer pessoas e ver as pr√°ticas autogestion√°rias acontecendo, uma vez que os eventos s√£o organizados coletivamente e as s√£o tarefas compartilhadas.

Mas, como sabemos, a pandemia do novo coronav√≠rus ainda segue por a√≠ sem dar sinais de ir embora t√£o cedo. Com isso, as pessoas de nosso coletivo editorial decidiram em reuni√£o virtual que a Monstro dos Mares participar√° de eventos presenciais somente quando houver condi√ß√Ķes sanit√°rias favor√°veis e ampla imuniza√ß√£o para toda a popula√ß√£o. O v√≠rus j√° fez milhares de v√≠timas no Brasil e no mundo, algumas pessoas n√£o est√£o dispostas a ignorar os riscos dessa doen√ßa.

N√≥s queremos que Novembro continue sendo o m√™s da Feira do Livro, da Feira Anarquista, dos eventos acad√™micos, dos congressos e confer√™ncias. Nesse m√™s, sentimos falta daquele astral de banquinha. Por isso, decidimos dar 20% de desconto em todos os materiais de nossa loja — exceto o livro Amaz√īnia em Kaos, que j√° possui um grande desconto combinado com as pessoas que organizaram o livro. Basta voc√™ digitar feiraanarquista2020 no cupom de desconto do carrinho de compras em nossa loja virtual.

Feira do Anarquista 2020 na Editora Monstro dos Mares, 20% de desconto com cupom “feiraanarquista2020” na loja online. https://monstrodosmares.com.br

Publicado em Deixe um coment√°rio

[Roda de conversa online] Interseccionalidades: queer, anarquismo e pandemia

No dia 12 de Agosto √†s 16h acontecer√° a roda de conversa online Interseccionalidades: queer, anarquismo e pandemia, que contar√° com a presen√ßa de Daniel Santos da Silva, autor de Sem lamenta√ß√Ķes: filosofia, anarquismo e outros ensaios, e Claudia Mayer, autora de queer no Brasil: resist√™ncia e empoderamento na (re/a)presenta√ß√£o de si e Editora Geral da Monstro dos Mares.

As inscri√ß√Ķes podem ser realizadas em:
https://sigaa.ufra.edu.br/sigaa/public/extensao/consulta_extensao.jsf

Esse evento √© organizado pelo Projeto de Pesquisa (In)visibilidades, Identidades e Diferen√ßas: ra√ßa, g√™nero, sexualidades e outras interseccionalidades na mem√≥ria cultural, liter√°ria dos contextos p√≥s/de(s)-coloniais ou no sul global, da Universidade Federal Rural da Amaz√īnia (Tom√©-A√ßu/PA). O projeto √© coordenado pelo professor Marcelo Spitzner, autor de Judith Butler & Michel Foucault: considera√ß√Ķes em torno da performatividade, do discurso e da constitui√ß√£o do sujeito.

O encontro tamb√©m far√° parte do I Congresso Internacional de Estudos Multidisciplinares na Amaz√īnia, que acontecer√° online nos dias 10, 11 e 12 de Agosto. As inscri√ß√Ķes ir√£o at√© o dia 07/08 e podem ser realizadas no site do evento.


Publicado em 5 coment√°rios

Ch√° da tarde com abobrinha (3¬™ edi√ß√£o) ☕

Dia 23 de julho (quinta-feira) às 15h será realizado nosso terceiro vídeo ao vivo. Estamos muito felizes com a participação de tanta gente! São muitas perguntas, e queremos nos organizar bem para podermos discutir todas elas.

As perguntas coletadas para a próxima live são as seguintes:

  • Se os correios entrarem em greve, como voc√™s far√£o para entregar livros e zines?
  • Como ter vida familiar sendo editor?
  • Como voc√™s escolhem os pap√©is de capa e por que cores t√£o lindas?
  • Quais tipos de papel “grosso” voc√™s usam para fazer capas de zines?
  • Quem assina no Catarse recebe o que?
  • Qual o crit√©rio de escolha de textos para publica√ß√£o?
  • Por que publicar um livro parece ser t√£o dif√≠cil?

Além das perguntas, também falaremos sobre o novo livro que está pronto para ser lançado!

Esperamos vocês no Instagram @monstrodosmares. A live também será disponibilizada em nosso canal no Youtube, logo após a transmissão ao vivo.

Publicado em Deixe um coment√°rio

Ch√° da tarde com abobrinha (2¬™ edi√ß√£o) 🍵

Foi dia 18 de junho a segunda edi√ß√£o do nosso Ch√° da tarde. Foram realizadas algumas mudan√ßas, e achamos que deu muito certo. Melhoramos a ilumina√ß√£o, o posicionamento da c√Ęmera e a captura de som, al√©m da linda ficha para pauta em papel cor-de-rosa met√°lico (inspirada, talvez, na Pen√©lope do Castelo R√°-Tim-Bum 😁).

Você pode assistir à 2ª edição do Chá da tarde no IGTV e no YouTube.

Como explicamos neste post, decidimos usar o recurso dos vídeos ao vivo para entrar em contato mais próximo com as pessoas que nos acompanham on-line. A experiência tem sido muito legal para nós e já estamos pensando em mais maneiras de compartilhar as atividades da editora, falar sobre técnicas e sobre outros assuntos que estão no nosso dia a dia.

Agradecemos a todas as pessoas que puderam estar com a gente ao vivo, e também àquelas que estão nos acompanhando em outros momentos. Na próxima semana será aberta novamente a caixinha de perguntas no Stories do perfil da Monstro no Instagram e você poderá nos enviar suas perguntas. A caixinha vai aparecer uma vez por semana.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em 3 coment√°rios

Ch√° da tarde com abobrinha (2¬™ edi√ß√£o) 🍵

Esta semana faremos nossa segunda live! Você pode ler aqui os motivos que nos levaram a entrar nesse mundo dos vídeos ao vivo, e também saber como foi a experiência para nós. Em resumo, foi tão legal que já estamos preparando a próxima. Nossas lives estão sendo transmitidas pelo perfil da Editora no Instagram (@monstrodosmares).

Assim como para o primeiro, que você pode assistir no IGTV, colocamos uma caixa de perguntas no Stories uma vez por semana e coletamos as perguntas enviadas. Desta vez, criamos um destaque para o Chá da Tarde, para que as seguidoras pudessem rever as perguntas no decorrer do mês.

Seguem abaixo as perguntas enviadas para o segundo Chá da Tarde, que será dia 18/06 (quinta-feira) às 15h.

  • Voc√™s publicam livros, TCCs, etc? / Analisam originais?
  • Quantas impressoras voc√™s t√™m?
  • Tem frete gr√°tis?
  • Por que voc√™s n√£o fazem sorteios?
  • O que voc√™s indicam para quem quer aprender a editar?
  • Voc√™s n√£o tem preocupa√ß√£o em mostrar o rosto em fotos e v√≠deos?
  • Por onde come√ßar a ler?
  • O que acham da ‚Äúbanaliza√ß√£o‚ÄĚ do termo antifascista?
  • Quais os fundos necess√°rios para montar uma editora?

A live deste m√™s contar√° com a presen√ßa super especial de nosso editor Baderna James. Pode ser que desta vez os gatinhos resolvam aparecer! 😉

Publicado em 3 coment√°rios

Ch√° da tarde com abobrinha ☕

No dia 14 de maio fizemos nossa primeira live no Instagram. Escolhemos o horário das 15 horas por termos percebido muitos problemas de conexão à Internet em outras lives, que acabam se concentrando a partir das 18h. Nesse aspecto, foi uma boa decisão. Não tivemos problemas técnicos, e muitas pessoas puderam participar. Foi muito legal! Agradecemos a todas as pessoas que compartilharam uma hora conosco. Vocês são demais!

Quando recebemos a notícia de que a pandemia havia, enfim, chegado ao Brasil, a primeira constatação que fizemos foi a de que os eventos dos quais participaríamos em 2020 seriam cancelados. Além de ficar evidente para nós que a arrecadação de fundos para a Editora ficaria prejudicada, também ficamos muito chateadas por percebermos que não teríamos a oportunidade de conhecer pessoas novas, estabelecer contatos, reencontrar velhas amizades, trocar experiências, materiais e abraços. Participar de eventos é nossa parte preferida de tocar a Editora. Aqui onde imprimimos e montamos os livros, somos abobrinha e Baderna, dois gatos e uma criança que participa da produção sempre que possível e no que lhe é possível. Os eventos acabam sendo nossa maior forma de contato social não-virtual, e isso é parte do que nos faz felizes como pessoas.

No começo, pensamos em fazer vídeos para compartilhar partes do processo de produção e mandar notícias. O que fizemos algumas vezes, e foi muito legal. Os vídeos, entretanto, exigem bastante planejamento e trampos de edição, o que faz necessário que nos mobilizemos por muitas horas para a produção de apenas um material. Além disso, os vídeos não trouxeram tanto contato direto com as pessoas como esperávamos, apesar de terem sido uma experiência que pretendemos continuar fazendo.

Continuamos pensando em como chegar √†s pessoas, especialmente quando o peso do isolamento come√ßou a ficar mais dif√≠cil de segurar. Como o perfil da Editora no Instagram costuma ser bastante movimentado, fizemos a experi√™ncia de abrir uma caixa de perguntas no Stories. Recebemos muitas perguntas legais, que nos renderam bons momentos e um contato mais direto com o pessoal que segue a Editora por l√°. Prometemos fazer um v√≠deo respondendo as perguntas que exigiam mais conte√ļdo, o que acabou n√£o rolando porque n√£o conseguimos nos mobilizar para faz√™-lo acontecer.

Então, eu, abobrinha, fui convidada a participar de uma live no Instagram que é parte de um projeto de uma querida amiga nossa junto à Casa de Cultura da cidade. Achei tão legal participar da live que fiquei com vontade de fazer isso mais vezes. Assim, surgiu a ideia de fazermos uma live no perfil da Editora, respondendo àquelas perguntas que haviam ficado sem resposta e também novas perguntas que poderiam aparecer no chat.

Essa live foi chamada de Chá da tarde (porque adoramos um chazinho), escolhemos a data e começamos a divulgar nas redes sociais da Monstro. No horário combinado, eu estava bem nervosa, pensando em como me sentiria colocando em prática essa novidade. Foi tão prazeroso que decidimos tornar o Chá da tarde um evento frequente. Por isso, aguardem! Haverão outros chás da tarde e mais conversas ao vivo.

Coletaremos as perguntas das pessoas que seguem a Monstro no Instagram através do Stories, e essas perguntas serão respondidas no próximo Chá da tarde. Então, fiquem atentas às postagens nos Stories, que a caixinha de perguntas voltará a aparecer uma vez por semana. A data da próxima live ainda não foi definida, mas será escolhida de acordo com a quantidade de perguntas que receberemos nas próximas semanas. Posso adiantar que, no mínimo, nos veremos uma vez por mês.

Com certeza não é a mesma coisa que nos abraçarmos e conversarmos na frente da banquinha, mas já é alguma coisa que nos coloca mais perto umas das outras.

Fiquem atentas √†s novidades que surgir√£o no Feed e no Stories do Instagram, nas publica√ß√Ķes da p√°gina da Monstro no Facebook e tamb√©m aqui pelo blog.

Um abraço virtual a todas as amizades, com desejos de que possamos abrir o pano e conversar em breve!

Publicado em 4 coment√°rios

[Evento] Filosofia e Eco-Anarquia em Tempos de Pandemia (LIVE), Casa de Vidro, Goi√Ęnia, dia 8 de Maio, 19h.

Filosofia e Eco-Anarquia em Tempos de Pandemia (LIVE)

O eco-anarquismo ou anarquia verde √© uma filosofia pol√≠tica anarquista com √™nfase na quest√£o ambiental. Como outras correntes anarquistas, o eco-anarquismo parte de uma cr√≠tica socialista e libert√°ria ao capitalismo e toda forma de autoritarismo. Seu diferencial √© abordar a quest√£o ecol√≥gica como quest√£o central ao inv√©s de secund√°ria, compreendendo os problemas ecol√≥gicos como insepar√°veis das quest√Ķes sociais e por isso igualmente urgentes.

No dia 08 de Maio, sexta-feira, a partir das 19h, A Casa de Vidro (www.acasadevidro.com), em parceria com a Editora Monstro dos Mares (https://monstrodosmares.com.br/) e o Grupo de Estudos em Complexidade, promovem o webdebate “Filosofia e Eco-Anarquia em Tempos de Pandemia” com Janos Biro Marques Leite, Pedro Tabio, Renato Costa e Eduardo Carli de Moraes. Assista ao vivo pelo Canal do Youtube d’A Casa de Vidro: https://youtu.be/yo-jeN2aPtE.

Introdução

Combinando a cr√≠tica anarquista ao Estado e ao Capital com uma perspectiva ecoc√™ntrica vinda do veganismo, do primitivismo, da cr√≠tica √† sociedade industrial ou da ecologia profunda, a filosofia eco-anarquista tem se mostrado uma fonte valiosa de reflex√Ķes e provoca√ß√Ķes para o cont√≠nuo desenvolvimento das teorias e pr√°ticas anarquistas, desafiando os paradigmas das escolas de pensamento mais tradicionais.

S√£o consideradas como ligadas ao eco-anarquismo as seguintes tend√™ncias: o anarco-naturismo (inspirado por Thoreau, Tolstoi e √Člis√©e Reclus), a ecologia social (que n√£o se limita ao movimento iniciado por Bookchin), o anarcoprimitivismo (representado por John Zerzan e os autores da revista Green Anarchy) e o veganarquismo (movimento anarquista e vegano).

O anarcoprimitivismo e o veganarquismo se destacam em tempos de pandemia pela crítica que já faziam há muito tempo à sociedade de massas e à domesticação de animais como fatores da produção de pandemias e novas doenças. (Janos Biro)

Participe! Interaja!

Evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/466994764069513/

Publicado em Deixe um coment√°rio

A Editora Monstro dos Mares estar√° na X Feira Anarquista de SP (17 de Novembro)

FCK B17

Ol√° compas! Faz um tempo que a Monstro dos Mares faz participa√ß√Ķes modestas na Feira Anarquista de S√£o Paulo. Estivemos em 2014 e 2015, no ano passado confirmamos presen√ßa mas participamos de outros eventos antes da feira e ficamos absolutamente sem livros. Mas para 2019 conseguimos distribuir melhor os materiais para eventos e para a feira anarquista de SP, pois entendemos que essa √© uma data importante para todos os movimentos, pesquisadoras, coletivos e singularidades. Neste ano, teremos mais de 500 livros e cerca de 700 zines da editora em exposi√ß√£o no Tendal da Lapa, dia 17 de Novembro de 2019.

Nesta edi√ß√£o, √†s v√©speras dos 20 anos da ‚ÄúBatalha de Seattle‚Äú, a Monstro dos Mares carregar√° muitos materiais que buscam compreender a diversidade de pensamentos anarquistas e inspira√ß√Ķes an√°rquicas que v√™m se desdobrando desde o epis√≥dio de 30 de Novembro de 1999. Sabemos que as condi√ß√Ķes que possibilitaram esse acontecimento trazem a marca da participa√ß√£o de diversos coletivos, sindicatos, federa√ß√Ķes, movimentos sociais e coletividades, algumas n√£o necessariamente identificadas diretamente com o anarquismo. Mas os protestos contra a realiza√ß√£o da reuni√£o da Organiza√ß√£o Mundial do Com√©rcio as conectou em um novo ponto de articula√ß√£o, alentando rupturas na hist√≥ria de nossos movimentos. Essa articula√ß√£o e suas din√Ęmicas, t√©cnicas, t√°ticas, condi√ß√Ķes necess√°rias e desdobramentos motivam boa parte de nossas pesquisas e de nossa atua√ß√£o editorial, independente de r√≥tulos e nomenclaturas.

Na Feira Anarquista de São Paulo, as diversas frentes de atuação e pensamento anarquista e anárquica podem criar um espaço de convergência, irmandade e diálogo. A colaboração para a formação de debates, pesquisas e atuação de monas, minas e manos que se identificam como anarquistas ou se interessam pelas ideias e práticas anárquicas e anarquistas é o que torna este evento tão especial, independente de filiação, forma de organização, corrente, tendência, federação, coletivo, grupo, bando, banda, espectro de luta ou modo de atuar. Este é o momento de somar em solidariedade, fortalecer nossos laços, compartilhar culturas, identificar ideias e práticas dos coletivos e movimentos presentes, trocar experiências e construir redes de cooperação entre pessoas dispostas a intensificar pontos de articulação. Nos vemos na feira!

X Feira Anarquista de S√£o Paulo
Dia 17 de Novembro de 2019
Tendal da Lapa, S√£o Paulo ‚Äď SP
Das 10h às 19h.

feiranarquistasp.wordpress.com

facebook.com/events/911645599180265/

Publicado em Deixe um coment√°rio

Oficina na Escola Frei Doroteu de P√°dua

No dia 23 de Agosto a Editora Monstro dos Mares esteve na Escola Estadual Doroteu de P√°dua em Ponta Grossa (PR) atendendo o convite da Professora Daniela. No primeiro momento com a Turma 1¬ļC conversamos sobre as caracter√≠sticas, formas, semelhan√ßas e diferen√ßas entre Cordel, Fanzine, Publica√ß√Ķes Independentes, Fa√ßa-Voc√™-Mesma e o ‚ÄúGrande Mercado Editorial Brasileiro‚ÄĚ. Depois foram apresentados formatos como A6, A5, A4, cores e texturas de pap√©is (Sulfite, Sulfite colorido, Color Plus, Color Set, Kraft e Verg√™), bem como alguns itens da nossa cole√ß√£o como zines com capa em Stencil da Prensa Antifa, minizines da Tytyvivyllus Publica√ß√Ķes, Quarto Ambiente e o ‚ÄúRabisco‚ÄĚ de Diego Gerlach pela Ugra Press. Tamb√©m conversamos sobre m√©todos de acabamento, costura japonesa, borboleta, grampo. Foi apresentado o zine costurado chamado ‚ÄúIntr√©pida (Tinder Edition) da @steeerica e zines costurados da Editora Subta. Falamos brevemente sobre as quest√Ķes de custos de produ√ß√£o, diferen√ßas entre folha e p√°gina. Foi supimpa.

No segundo momento do encontro com a turma, passamos para a oficina. Formato do caderno, separa√ß√£o de blocos, aplica√ß√£o da capa, grampo e op√ß√Ķes de finaliza√ß√£o. Toda a turma levou para casa os materiais desenvolvidos pelo professor Professor L√ļcio Ambrosio Hupalo e Estudantes de General Carneiro no Paran√°, atrav√©s do fanzine ‚ÄúConsidera√ß√Ķes sobre o passo da Galinha‚ÄĚ, os livros ‚ÄúHist√≥rias do CEPAN‚ÄĚ e ‚ÄúHist√≥ria das Comunidades de General Carneiro‚ÄĚ. E os zines do Professor Aristides Leo Pardo, ‚ÄúP√°ginas amarelas e negras: o escravo e o pobre nos classificados de jornais dos fins do imp√©rio e do nascer republicano (1870 ‚Äď 1930)‚ÄĚ, ‚ÄúA navega√ß√£o fluvial no Rio Igua√ßu e o ensino da hist√≥ria local‚ÄĚ, ‚ÄúDe Toc√≥s a S√£o Pedro: do antigo caminho das tropas ao desenvolvimento de Porto Uni√£o (SC)‚ÄĚ e ‚ÄúA escola e seu entorno como ferramentas de ensino da hist√≥ria local: o caso do Col√©gio Estadual T√ļlio de Fran√ßa‚ÄĚ.

Cada estudante que participou da atividade levou para casa as publica√ß√Ķes montadas na atividade, al√©m da doa√ß√£o de alguns exemplares disponibilizados para consulta na biblioteca da escola. Somando cerca de 1.200 impress√Ķes, 50 zines e 10 livros. Todos os custos de impress√£o, deslocamento e prepara√ß√£o dos materiais foram cobertos pela generosidade das pessoas que colaboram mensalmente com pequenos valores em nossa Rede de Apoio no Catarse.

Professora, professor, leve a Mostro para a sala de aula.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas