Publicado em Deixe um comentário

Nossa Rede de Apoio em Fevereiro de 2021

Rede de Apoio é o nome que damos para o grupo de pessoas que colaboram com a existência e continuidade das atividades da editora Monstro dos Mares. Nossa casa publicadora só é capaz de permanecer com a ajuda mensal dessa gente que bota fé no que fazemos – distribuir livros e zines – e todos os meses utilizamos este espaço para compartilhar um pouquinho sobre o que fizemos e agradecer esse apoio, que é muito importante para nosso projeto editorial.

Em Fevereiro de 2021, fizemos reuniões e contatos com as pessoas que enviaram materiais para publicação. Conseguimos colocar novos títulos na pista e preparar novidades para as próximas semanas. Chegaram conteúdos originais, artigos já publicados que foram transformados em zines e materiais que foram pesquisados especialmente para distribuição nas recompensas da Rede de Apoio ou para compor o catálogo de nossa lojinha.

Recebemos o contato de Lucio Lambert que, juntamente com algumas amizades e com o financiamento direto da Rede de Apoio, vai poder distribuir muitos exemplares da cartilha “Adubos e Biofertilizantes de baixo custo“. Serão 150 exemplares distribuídos pelo autor, editora e Rede de Apoio e mais 100 exemplares financiados e distribuídos por entidades, parcerias e amizades do autor.

Confira o vídeo onde a abobrinha (editora geral) apresenta os materiais das recompensas de Fevereiro:

Sua participação é fundamental

Com contribuições a partir de 1 real no PicPay e de 5 reais no Catarse, você pode ajudar as atividades de divulgação acadêmica da Monstro dos Mares. Os recursos serão utilizados para cobrir os custos necessários com papel, tinta, manutenção dos equipamentos e impressão de livros e fanzines que são enviados gratuitamente para várias recantos do país, além de parte das tarifas dos Correios. Esses materiais fortalecem espaços sociais e comunitários, ativistas, militantes, organizações e individualidades.

Amizades que apoiaram a editora em Fevereiro de 2021:

  • Lorenzo;
  • Karina Goto;
  • Camila;
  • Marcelo;
  • Viviane Kelly Silva;
  • Gabriel Jung do Amaral;
  • Mayumi Horibe;
  • Victor Hugo de Oliveira;
  • Ste;
  • Talles Azigon;
  • Márcio Massula;
  • Angela Natel;
  • Contribuições Anônimas
  • Pedro Augusto Papini;
  • Nicolas H Mosko;
  • Vitor Gomes da Silva;
  • Bruna Lima Sanyana;
  • Marcelo Mathias Lima;
  • Andressa França Arellano;
  • Lupi;
  • Zé;
  • Vitória
  • Felipe Brunieri;
  • Leo Foletto;
  • Claudia Mayer;
  • Igor;
  • Fyb C;
  • Ian Fernandez;

A Editora Monstro dos Mares precisa da sua ajuda para continuar, contribua com
a Rede de Apoio no Catarse ou PicPay e receba materiais impressos em sua casa. 🖨️

Publicado em 1 comentário

Julian Beck: Por um Teatro Anarquista (A)

Julian Beck

Julian Beck nasceu em Nova York em 31/05/1925, sendo seu pai comerciante e sua mãe professora. Desde jovem ele aprendeu a desprezar armas de brinquedo e desenvolvimento de ampla habilidade artística, motivada por uma paixão marcante pela vida e o desejo de concebê-la como algo que se constrói para si e com os demais.

Publicou poemas e peças no jornal do estudante do ensino médio da escola; ele sempre escreveu, mas também gostava de pintar e lá conquistou seus primeiros sucessos como artista. Depois de abandonar a faculdade, iniciou sua longa carreira de dissidência das instituições e de vontade de desenvolver-se, protestando contra um sistema que ele não poderia servir por não acreditar nele. Ele trabalha como operário e sente de perto o mundo dos explorados. Ele frequenta a Liga de Jovens Comunistas e faz amizade com muitas pessoas à esquerda. Em 1943 ele conheceu Judith Malina, que viria a ser uma companheira constante na vida, a pessoa que mais influencia seu trabalho; ela manteve posições pacifistas firmes, com as quais Julian simpatizou e a mesma ambição de mudar o mundo. Em 1944 ele conheceu Tennessee Williams e Paul Goodman, outro parceiro importante nas lutas políticas, artísticas e culturais. Paul se declarou abertamente um anarquista, enquanto que Julian ainda não estava convencido, embora ocupasse uma posição crítica ao comunismo por causa do stalinismo. Ele se sentiu enojado com a política estatal, viveu a realidade daqueles tempos horrorizados pela barbárie belicosa.

Na década de 1940, Nova York foi o lar de muitos artistas renomados Europeus no exílio como Breton, Duchamp, Ernst, Leger, Chagall e outros. Em esse meio que Julian conhece Jackson Pollock, com quem mantém uma amizade íntima, rodeado pelos ares patrióticos e patriarcais da Segunda Guerra Mundial. Julian começou a se descobrir homossexual em seu primeiro relacionamento com 16 anos e sentindo-se oprimido pelo sistema neste aspecto de sua personalidade. Quando ele foi chamado para servir no exército, ele se recusou alegando homossexualidade.

A convicção pacifista foi acentuada nele. Claro que tinha que radicalizar a ação revolucionária não violenta. Julian e Judith discutiram seriamente as alternativas políticas, que pareciam ser, todas, insatisfatórias. Isso até que Judith encontrou a revista WHY? Um artigo introdutório ao anarquismo. Foi a semente do pensamento ácrata que começou a germinar. É impossível ser convertido ao anarquismo. É possível chegar lá apenas através de um processo de reconhecimento e auto identificação com suas ideias e propósitos. A síntese anarco-pacifista e a ação político-artística constituirá o grande experimento para o qual eles vão dedicar toda a sua vida junto com a criação do “Living Theatre”, que começa em 1951.

O Living Theatre passou a representar uma resposta ao tradicional teatro comercial e institucional, com conteúdo político não convencional e uma linguagem altamente poética, então em breve as autoridades buscarão impedir sua ação em vários momentos. Além da ação política nas mesas, as pessoas do Living estavam cientes da necessidade de uma atuação no movimento pacifista e antimilitarista. Eles promoveram a ideia da primeira greve geral mundial pela paz que ocorreu em janeiro de 1962, culminando em uma marcha; tudo isso foi uma forma de inspirar que pessoas pratiquem a ação direta, então a experiência é repetida mais algumas vezes. Além disso, na década de 1960, Julian passa a ser conhecido como poeta por meio da leitura pública de seus textos e sua reprodução na imprensa underground, que então começa a proliferar e disseminar várias expressões da contracultura radical.

O grupo apresentou trabalhos de autores renomados (Brecht, Garcia Lorca e outros), mas enfatizará as obras de criação coletiva, como por exemplo “The Brig” (“La Prison”), uma obra de denúncia radical das instituições, uma peça de caráter tão questionável que foi fortemente questionada. Este tipo de trabalho os obrigou a se exilar na Europa em 1963. Em 1968 assumiram o nome de Coletivo Anarquista, envolvendo-se ainda mais nos eventos revolucionários que geram a contracultura e na reativação do movimento anarquista mundial. A famosa visão do Teatro Odeon de Paris foi ideia de Julian, extasiado com os acontecimentos de maio de 68. No mesmo ano, eles lançaram “Paradise, Now!”, Que também gerou reação escandalizado pelos poderes estabelecidos.

Com esse histórico, não é surpreendente que ao fazer teatro de rua no Brasil (1971), foram presos sob a acusação de subversão pelos gorilas que comandam esse país. Após os protestos generalizados dos feitos na Europa e nos EUA, acompanhados por expressões de solidariedade de muitas personalidades, o grupo é expulso após dois meses de prisão.

O Living Theatre continuou a viajar pelo mundo, enfrentando desafios e proibições e promovendo mudanças sociais por meio da arte, sempre inflexíveis em sua postura anarco-pacifista. Julian Beck morreu em 1985, mas Judith Malina e o Coletivo continuam nesta linha de teatro de vanguarda que hoje é referência obrigatória em todo o mundo …

R e v o l u c i o n y C o n t r a r r e v o l u c i o n
(Fragmento de uma canção-poema de Julian Beck)

…queremos
abrirles con filtros de amor
queremos
vestir a los parias
de lino y de luz
queremos
poner musica y verdad
en la ropa interior
queremos
hacer que la tierra y sus ciudades resplandezcan
de creacion
lo haremos
irresistible
hasta para los racistas
queremos llevar la fertilidad
a los glaciares
queremos cambiar
el caracter demoniaco de nuestros adversarios
en gloria productiva
queremos
cambiando el mundo
cambiar nosotros mismos
queremos
desembarazarnos
de nuestra propia corrupcion
y a traves del
proceso de la revolucion
hallar
el ser
no
el morir
y hasta que
no lo logremos
la revolucion no tendra lugar

PAP
(CORREO A # 22, pp. 14-15; Março de 1993)
Extraído de Spunk.
Tradução: DaVinci
Revisão: Tonho


Publicado em 2 comentários

Monstro dos Mares: 500.000 impressões de livros e zines de inspiração anárquica

No mês de Outubro de 2020 a Editora Monstro dos Mares, um pequeno coletivo editorial de inspiração anárquica localizado no interior do estado do Paraná, atingiu a marca de meio milhão de impressões. Esse número não representa absolutamente nada para a indústria gráfica nacional, mas é muito significativo para as pessoas, coletivos, movimentos sociais, bibliotecas comunitárias e iniciativas editoriais de livros e zines artesanais no Brasil.

Fazer impressões em casa para distribuir e fortalecer a disseminação de ideias radicais reúne um espectro de experiências que evidenciam a importância da autonomia e da livre cooperação entre pessoas e coletivos que compartilham dos mesmos princípios e éticas. Ao produzir um novo título, ou recuperar e colocar para circular uma publicação de outros tempos, aprendemos muito sobre apropriação tecnológica, sobre a necessidade de tinta no papel. Também percebemos a urgência do desenvolvimento de estratégias de sobrevivência e manutenção de nossos espaços coletivos, que muitas vezes se beneficiam diretamente da distribuição, venda e circulação de impressos. Além disso, obviamente, aprendemos sobre a contribuição para o aprendizado e mobilização das pessoas que estão unidas conosco nas lutas sociais ao lado de quem vem de baixo.

Nesse momento marcante da editora, queremos agradecer às monas, minas e manos que em algum momento de suas vidas e militâncias decidiram dedicar algum tempo para produzir materiais que questionam o Estado e o estado de coisas. São livros e zines que subvertem lógicas estabelecidas, pesquisas acadêmicas que expõem as linhas de fratura da normalidade e relatos de grupos e individualidades que, do lado de fora dos muros das universidades, criaram materiais para circular de mão em mão, feitos em casa, de baixo custo e que vão circular entre pessoas (tal como você e eu) que lutam para que o mundo, da forma que está, não mereça existir por nem mais um segundo.

Em 2020, desde o primeiro dia do ano, a Monstro dos Mares chamou para que as águas fizessem emergir novas editoras, coletivos publicadores, distros e banquinhas. Quando essas iniciativas despontam no horizonte, nossa sensação de criar, resgatar, mobilizar e difundir ideias radicais e dissidentes no formato impresso é uma ação direta no enfrentamento do grande capital, das constantes guinadas autoritárias, da precarização do trabalho e da destruição do meio ambiente. Essa não é uma tarefa fechada em si mesma, mas que está unida, de braços esticados e na luta. Tudo isso buscando não ignorar as subjetividades que nos constituem como pessoas e que nos unem como coletividades. Quando surge uma nova editora anarquista, aspiramos novos ares e vento nas velas.

As 500.000 impressões que alcançamos desde Agosto de 2017 representam mais do que 50 caixas de papel, 500 pacotes de A4, 15 litros de tinta pigmentada, mais de 5.000 livros e 9.000 zines. Esse meio milhão de impressões significa que há um espaço, mares navegáveis e um oceano de limonada para as ideias radicais. Além de comemorar esses números, queremos agradecer cada pessoa que carinhosamente nos incentiva a continuar fazendo o que acreditamos. Livros e Anarquia!

Editora Monstro dos Mares
Outubro de 2020

Publicado em 3 comentários

Julho de 2020: Agradecimentos Rede de Apoio (Podcast bônus)

Tem dias mais difíceis, nos quais as preocupações estão além das necessidades de tinta, papel e textos. Ao pensar em questões como justiça social e segurança sanitária dos centros urbanos, das periferias e da vida no campo, refletimos sobre o que está acontecendo. Quem dirá sobre o que virá?

A pandemia está ensinando muitas lições sobre como encaramos a vida, as atividades diárias, nossa convivência com as pessoas próximas e a importância de saber “habitar nossas casas”. Uma questão que bateu forte aqui é a dúvida em torno da necessidade de sermos pessoas produtivas diante de um cenário tão adverso como o da doença que dominou o mundo. Por isso estamos fazendo como o velho marinheiro, que durante o nevoeiro leva o barco devagar.

Podcast bônus

No dia 17 de Julho de 2020, Baderna James e abobrinha gravaram sobre suas atividades na editora, diagramação de livros e zines utilizando software livre (LibreOffice e GIMP) e sobre a obrigatoriedade de sermos pessoas produtivas.

Queremos agradecer as pessoas que estão conosco diariamente e que confiam em nosso projeto editorial. Algumas delas fortalecem com os recursos para manter a editora em funcionamento. Com muito carinho agradecemos as amizades da Rede de Apoio:

  • Contribuições anônimas;
  • Gabriel Jung do Amaral;
  • Mayumi Horibe;
  • Phanta;
  • Lua Clara Jacira;
  • Leo Foletto;
  • Viviane Kelly Silva;
  • Ricardo Mayer;
  • Willian Aust;
  • Enguia;
  • Fernando Silva e Silva;
  • Mauricio Marin;
  • Adriano Gatti Mesquita Cavalcanti;
  • Andressa França Arellano;
  • Eduardo Salazar Miranda da Conceição Mattos;
  • Anna Karina;
  • Victor Hugo de Oliveira;
  • Zé;
  • Karine Tressler;
  • Andrei Cerentini;
  • Lupi;
  • Caio;
  • Fyb C;
  • José Antônio de Castro Cavalcanti;
  • Guapo.

A Editora Monstro dos Mares precisa da sua ajuda para continuar, contribua com
a Rede de Apoio no Catarse ou PicPay e receba materiais impressos em sua casa. 🖨️

Publicado em 6 comentários

Editoras anarquistas que mantêm vivo o espírito libertário na Colômbia

“Você tem todo o direito de copiar este livro total ou parcialmente, imprimir e distribuir por qualquer meio. Esse conteúdo não é protegido por nenhum monopólio cultural ou direito comercial; ao curso da história os livros são e serão gratuitos. Ninguém vai te culpar ou prender por distribuir ou realizar cópias; pelo contrário, ficaremos muito agradecidos se você fizer isso. O conhecimento se distribui livremente.”

Ao abrir um livro, raramente é possível se deparar com essa afirmação, não restritiva – como regra geral –, mas permissiva. Essa tem sido a premissa sob a qual acadêmicos, poetas, estudantes e militantes anarquistas publicam, de forma independente, distribuem os textos próprios e outros. Essas editoras fazem isso criando outros formatos, que visam uma produção com mais tiragem, diferente dos panfletos e fanzines publicados há mais de 20 anos em universidades e outros espaços libertários.

Alguns livreiros identificam a origem dessas editoras anarquistas na Feira do Livro Independente e Autogerenciada (FLIA, que começou em Buenos Aires, Argentina) que, a partir de 2010, mudou-se para Bogotá. Desde a primeira edição, os visitantes do evento literário começaram a se familiarizar com uma produção diferente, clandestina e artesanal, que incentiva a produção doméstica dos livros. Uma dessas pessoas foi Fabián Serrano, membro da editora Imprenta Comunera, da cidade Bucaramanga. “O bom de ter uma editora independente é que escapamos da imposição de autores renomados e personalidades para focamos apenas nos personagens que consideramos importantes“, diz Fabián, que juntamente com outros dois colegas, lançou oito publicações em apenas cinco meses.

Eles, como seus colegas de outras editoras, não estão preocupados em ter lucro, mas em espalhar seus pensamentos e ideias para o maior público possível. É por isso que o tempo todo eles resgatam conteúdos de anarquistas conhecidos, mas que não são publicados em grandes editoras ou editoras comerciais, como é o caso da obra de Emma Goldman, Piotr Kropotkin, Errico Malatesta, Uri Gordon, Henry David Thoreau e de personalidades com um lado libertário pouco conhecido, como Oscar Wilde ou Noam Chomsky. Para essas reedições, é mais complicado conseguir o texto para publicá-lo, por haver poucas cópias existentes; geralmente, os autores dessa corrente independente divulgam seus trabalhos sem restrições. “Sentimos que, quando criamos algo, isso não nos pertence mais, de modo que as pessoas assumem e se reconhecem neles, e isso é maravilhoso“, explica Iván Darío Álvarez, escritor, pensador anarquista e bonequeiro, fundador do teatro La libélula Dorada.

Pie de Monte é uma das editoras que faz esses resgates, mas que também quer apostar em novos escritores. Atualmente, a editora trabalha com textos de amigos e conhecidos, mas seu objetivo é que, mais tarde, mais pessoas sejam encorajadas a publicar seus trabalhos autorais. “Fizemos isso porque a ideia é que as pessoas saiam da dinâmica do mercado editorial e dos blogs e que resgatem a tarefa do livreiro e das livrarias. Isso sim, a única coisa que não tem discussão é que quem publica conosco deve deixar livres os direitos da obra“, comenta Santiago Lopez, membro da editora.

A conjuntura é outro fator importante nas reedições ou escritos originais: muitos textos são publicados em um determinado momento para demonstrar que as ideias anarquistas de várias décadas atrás ainda são válidas. Foi o caso da última publicação da El Rey Desnudo, a editora de Iván Darío e do poeta Juan Manuel Roca, USA nación de lunáticos, uma compilação de fragmentos de um ensaio que o escritor Henry Miller fez após o fracasso americano no Vietnã, um texto que foi lançado como uma crítica ao atual mandato de Donald Trump.

Embora os livros sejam o formato preferido para editoras anarquistas, brochuras, diários e jornais não são renegados. El Aguijón, uma editora criada dentro da Universidade Nacional de Medellín, em 2006, lançou uma seleção de contos e está preparando um novo volume. Porém, ocasionalmente eles tiram o jornal El Aguijón – Klavando la duda, para o qual recebem apoios financeiros que permitem dar continuidade em outros projetos. Você pode baixar os exemplares gratuitamente na página da editora.

O dinheiro investido é recuperado na maior parte das vezes, mas para reduzir custos ou acelerar o processo é comum alguns editores unirem forças. Rojinegro e Gato Negro reuniram textos como Estratégia e tática na prática anarquista, de Errico Malatesta, e Anarquismo e poder popular: teoria e prática sul-americanas, uma compilação de teorias e opiniões sobre anarquismo e poder popular. O número de cópias varia e, assim como alguns títulos chegam a 300 cópias, outros saem com apenas 30 exemplares.

Devido ao desconhecimento sobre os autores ou preconceitos que existem em relação ao anarquismo, poucos são os lugares onde é possível encontrar essas publicações em suas prateleiras. Em Bogotá, os mais comuns são La Valija de Fuego, Rojinegro, La Libélula Dorada, Luvina, El Dinosaurio, Árbol de Tinta e La Mandriguera del Conejo. Oscar Vargas, um dos fundadores da Gato Negro, diz que tentaram alcançar outros espaços, mas que não deu muito certo. “Isso foi difícil, porque em várias livrarias eles querem cobrar entre 30% e 40% do preço de capa, e buscam ter lucro por algo que nós não compartilhamos na mesma lógica. Somente alguns foram capazes de entender a proposta”, explica Óscar.

As publicações de Gato Negro. Foto cedida por Oscar Vargas.

Mas nem a clandestinidade, nem o baixo orçamento, foram impedimentos para alcançar outras partes do mundo. Por meio de conhecidos ou trocas por quilos, os editores colombianos levaram textos para Argentina, Chile, Equador, México, Peru, Uruguai, Brasil e Espanha. Os livros recebidos do exterior são vendidos para recuperar o dinheiro investido ou, como no caso da Rojinegro, são utilizados no Centro de Documentação Ácrata, uma espaço que fica nas suas instalações e que qualquer pessoa pode consultar o acervo ou fazer cópias.

Os preços baixos são a chave para alcançar mais pessoas: a maioria dos livros é vendida entre sete mil e quinze mil pesos, aproximadamente. (Nota do tradutor: O que equivale a um valor entre 10 e 20 reais) “Vimos que em feiras e eventos independentes, os metaleiros ou punks sacrificam parte da grana da birita porque estão interessados no que fazemos. É uma mentira que na Colômbia as pessoas não gostam de ler; elas não leem porque os livros aqui são muito caros”, explica Fabián.

Foto cedida por Oscar Vargas.

As editoras libertárias da Colômbia precisam ser mais divulgadas, mas seus editores estão satisfeitos com a situação atual e com o fato de que cada vez mais pessoas querem escapar da realidade do mercado e são incentivadas a publicar ou piratear o trabalho de autores que incomodam a outras editoras, ou mesmo ao estado. Essa aceitação vem aumentando e recentemente, por exemplo, uma tradução do livro de Iván Darío Álvarez e Juan Manuel Roca, Dicionário anarquista de emergência, começou a ser distribuído na França.

Para Roca, esse é um sinal da inconformidade latente que persiste na humanidade. “Anarquismo é como Drácula, que em todos os filmes eles o matam, mas em cada final ele acorda e está mais vivo do que os vivos. Há quantos anos eles decretam a sua morte e vemos que diversos movimentos de jovens e aqueles que não fazem parte de um partido se mobilizam de maneira tão vigorosa e sem limitações”, diz ele.


Por Andrés J. López, publicado em Cartel Urbano no dia 10 de Março de 2017.
Versão para o português por Baderna James.

Publicado em Deixe um comentário

Numerologia de Março de 2020🏺

numerologia de março de 2020

A numerologia de Março carrega consigo a imagem de uma Ânfora Panatenaica, um objeto da arte grega antiga utilizado para guardar o óleo que era entregue como prêmio nas Panateias. A simetria das formas da ânfora nos apresenta mais uma das representações de perfeição do mundo grego. Diferente do assustador desequilíbrio do mundo que estamos presenciando.

No DataMonstro, o caderno onde fazemos os registros dos números de livros e zines que são produzidos mensalmente, passamos a fazer anotações sobre os acontecimentos do mês. Então, além da numerologia de março, temos o registro de algumas visitas e atividades em que estivemos presentes. Neste mês, recebemos a visita de uma acadêmica do curso de Jornalismo da UEPG que está preparando uma matéria sobre a Monstro dos Mares, a visita do professor, escritor, poeta e editor Marco Aurélio de Souza e estivemos presentes no lançamento dos primeiros títulos de 2020 da Olaria Cartoneira.

Alguns acontecimentos também afetaram dramaticamente a numerologia de março. Perdemos o disco rígido do THX1138, nosso computador de produção, e tivemos um reboot terrível em nosso website. Como se não fossem problemas suficientes, sobreveio também a emergência global da Covid-19. Sobre essas questões todas, publicamos um informe chamado “Reboot no site, HD queimado e Pandemia 🦠“. Com tudo isso, a manutenção e a continuidade de nosso projeto editorial ficaram profundamente comprometidas e decidimos criar um “Fundo de Emergência Corona Vírus (Covid-19)“, a fim de garantir recursos financeiros para que possamos continuar distribuindo materiais de inspiração anárquica aos diversos recantos do país. Esperamos que você esteja em casa e que esteja bem.

A impressora M2140 que chegou em Janeiro precisou da substituição da caixa de manutenção em 42.423 impressões. Infelizmente, no Brasil essa peça custa mais de 300 reais. Mas como havíamos feito a importação de um pequeno estoque desse item, deu tudo certo. Segue o vídeo que gravamos na primeira substituição da caixa de manutenção da M2170 (Impressora Incendiária).


Numerologia de Março de 2020

  • Impressões de Março de 2020: 5.244
  • Livros impressos: 156
  • Livros distribuição gratuita: 6
  • Zines impressos: 192
  • Zines distribuição gratuita: 33
  • Kw gerados e consumidos com energia solar: 0.4Kw
  • Total de Kw gerados e consumidos com energia solar em 2020: 5.8Kw
  • Total de impressões desde Janeiro de 2020: 43.325
  • Total de impressões desde Agosto de 2017: 380.759

Numerologia: Hotsite com informações sobre nossos números mensais/anuais 🔮
http://monstrodosmares.com.br/numerologia

Publicado em Deixe um comentário

Numerologia de Janeiro de 2020 🕯️

numerolosia de janero de 2020

Começamos a numerologia do ano de 2020 intensificando nosso ritmo, fazendo com que mais caixas com materiais se movimentem pelo território de Pindorama e preparando os lançamentos dos próximos meses. Nos últimos dias de Dezembro tivemos um problema em nossa impressora principal e tivemos que substituir o equipamento às pressas, colocando a impressora na reserva técnica aguardando por manutenção. Também nossa impressora de capas apresentou problemas no cabeçote de impressão e foi desativada para seguir para assistência também. Como não temos recursos disponíveis para o conserto desses equipamentos, vamos seguindo o barco com uma única impressora e confiantes de que os ventos sigam soprando e que em breve essa tormenta passe. Com a sua ajuda em nossa Rede de Apoio poderemos colocar essas máquinas para navegar novamente muito em breve. Se possível, considere fazer uma doação.

A página da Numerologia da Editora Monstro dos Mares recebeu uma nova atualização e agora comportará imagens e vídeos para tornar mais bacana a visualização dos dados que geramos todos os meses.

Numerologia de Janeiro de 2020

  • Impressões totais desde Agosto de 2017: 358.563
  • Impressões de Janeiro de 2020: 21.129
  • Livros impressos: 194
  • Livros distribuição gratuita: 29
  • Zines impressos: 553
  • Zines distribuição gratuita: 95
  • Kw gerados e consumidos com energia solar: 2.2Kw

Numerologia: Hotsite com informações sobre nossos números mensais/anuais 🔮
http://monstrodosmares.com.br/numerologia

Publicado em Deixe um comentário

Numerologia do ano de 2019 🧮

Acabou! Foi um ano louco, não é mesmo? Mas sobrevivemos e seguimos em frente. Em 2019 tivemos uma produção intensa, enviamos livros e zines para todos os estados do país e isso nos enche de felicidade! Neste novo ano, seguimos realizando o registro e documentação da quantidade de impressões que fazemos e adicionando informações que são relevantes para compreendermos nossos processos, evolução e história. Pode ser que todos esses números não sejam assim tão importantes pra você, mas acreditamos que eles são fundamentais para as pessoas que apoiam nossa atividade e acompanham nosso projeto editorial.

Os números de um ano inteiro nos dão a certeza de afirmar que a cada quatro livros e zines impressos, um será distribuído gratuitamente para uma amizade, um coletivo, biblioteca comunitária, espaço cultural ou para pessoas que estão em nossa banquinha em eventos, interessadas em saber mais sobre os títulos que publicamos e as ideias que fazemos circular. Ter a certeza de que um quarto (1/4), mais ou menos, de toda a nossa produção vai parar nas mãos de pessoas que estão interessadas em descobrir ou aprofundar saberes e práticas anárquicas, anarquistas e de epistemologias dissidentes nos faz seguir firme nos propósitos da editora em continuar existindo, colocando cada vez mais tinta no papel.

Em 2019 também esticamos os braços para aprender sobre como podemos fazer um pouco mais e fazer diferente em nossos livros e zines. Também fizemos testes e aprendizados em torno de nossa autonomia. Em Janeiro começamos alguns estudos sobre energia solar e no mês de outubro nos sentimos seguros em adotá-la integralmente em nossa produção. Hoje, todos os nossos livros e zines, computador e impressoras utilizam a energia que vem do sol para carregar a bateria e fornecer a energia necessária para a operação dos equipamentos. Também decidimos experimentar e adaptar métodos de encadernação e encontramos um modo de fazer livros mais grossos que é capaz de entrar em nossas rotinas e meios de produção.

Nós estivemos em menos eventos do que gostaríamos, mas caixas e caixas com nossos livros estiveram em diversos lugares e queremos que isso permaneça, que você possa encontrar nossos materiais sendo distribuídos em diversos recantos do Brasil. Isso fortalece nossa atividade editorial e permite que pessoas e coletivos possam obter recursos para fortalecer seus espaços de atuação e agitação. Contamos com o interesse das amizades para fazer com que mais caixas se movimentem de mão em mão, de busão, transportadora, correios. Que os meios de transporte não sejam impedimento para difusão de ideias.

Os números de 2019 também servem como um convite para que quem acredita em nossa atividade editorial possa confiar um valor mensal em nossa rede apoio. Utilizamos esses recursos para manter nosso espaço de produção, dar manutenção nos equipamentos, conquistar recursos para trazer caixas de papel e tinta que são utilizadas na distribuição gratuita, bem como nos eventuais custos de correios para envios. A partir da contribuição de R$ 5 mensais, a Rede de Apoio fortalece nossa atividade e faz com que possamos seguir existindo até o dia em que não será mais necessário vender os livros, que teremos dispositivos de solidariedade suficientes para manter as atividades, a subsitência das pessoas que colaboram no projeto e a produção de mais e novos materiais.

Números de 2019

  • Impressões de 2019: 215.793
  • Livros impressos: 2.452
  • Livros distribuição gratuita: 665
  • Zines impressos: 5.661
  • Zines distribuição gratuita: 1.399
  • Kw gerados e consumidos com energia solar: 16.6Kw
Publicado em Deixe um comentário

Passamos de 300.000 impressões! Numerologia de Outubro de 2019 🎐

Nós da Editora Monstro dos Mares estamos felizes em anunciar que neste mês de Outubro chegamos ao número de 309.506 impressões desde o início dessa contagem em Agosto de 2017 quando chegou nossa primeira impressora com tanque de tinta pigmentada.

O mês de Outubro foi intenso pois fizemos as impressões para o “1º Encontro Pós-colonial e Decolonial” em Florianópolis, “IV Seminário Internacional Desfazendo Gênero” em Recife e na “X Feira Anarquista de São Paulo”. Também estivemos em diversos Meet-ups de tecnologia e outros espaços. Agradecemos monas, minas e manos que muito gentilmente abrem as portas de seus eventos para receber os materiais e as ideias da Monstro dos Mares.

Neste mês adicionamos um novo indicador “Kw gerados e consumidos com energia solar”, uma vez que estamos produzindo nossos livros utilizando essa fonte alternativa de energia (em breve escreveremos exclusivamente sobre esse tema). Também movemos o hotsite “Numerologia” do servidor Tor e trouxemos para um novo endereço, uma vez que algumas pessoas estavam com dificuldades para acessar o histórico de nossos números mensais. Conheça o hotsite em http://monstrodosmares.com.br/numerologia.

Números do mês de Outubro de 2019

  • Impressões totais desde Agosto de 2017: 309.506
  • Impressões de Outubro de 2019: 35.687
  • Livros impressos: 357
  • Livros doados: 63
  • Zines impressos: 799
  • Zines doados: 63
  • Kw gerados e consumidos com energia solar: 4.8Kw

Numerologia: Hotsite com informações sobre nossos números mensais/anuais 🔮
http://monstrodosmares.com.br/numerologia

Publicado em 1 comentário

[vídeo] macetes: posição dos grampos

A partir de agora vamos publicar vídeos apresentando alguns macetes, tutoriais e dicas sobre os processos que utilizamos para fazer livros e zines na Editora Monstro dos Mares.

Neste pequeno vídeo apresentamos o macete para escolher a posição onde ficam os grampos nos fanzines que fazemos. Basicamente a ideia consiste em escolher pontos de referência na arte da capa para grampear sempre na mesma posição (mais ou menos). Desta forma é possível determinar um padrão e obter uma apresentação melhor dos zines quando expostos na banquinha. Fácil!

Pessoas que fazem parte de nossa Rede de Apoio no Catarse tem acesso aos vídeos com 10 dias de antecedência até que o material seja disponibilizado no Blog e no Youtube.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas