Publicado em Deixe um comentário

Treta do frete (envio de livros) 📩

a treta do frete

Treta do frete: porque o rastreamento demora para atualizar?

Os grandes sites de e-commerce habituaram as pessoas a acreditar que só existem duas modalidades de envios nos Correios: PAC e Sedex. Mas não é bem assim: essa é a treta do frete. Quem recebe e envia livros provavelmente já se deparou com esses códigos de rastreamento que começam com as letras JN ou RE, que demoram para atualizar. Mas é assim mesmo que funciona o IMPRESSO na modalidade de REGISTRO MÓDICO. Esse é um serviço de envio de materiais impressos para editoras, livrarias, sindicatos, cooperativas, associações e pessoas físicas que precisam de uma modalidade econômica de envio pelos Correios.

No vídeo Treta do Frete, disponível abaixo, Baderna James apresenta a modalidade de envios utilizada pela Monstro dos Mares, o IMPRESSO. Como funciona? Quais as diferenças entre o Impresso e outras modalidades de entregas? Quem pode utilizar e porque demora tanto para atualizar no Sistema de Rastreamento de Objetos (SRO)? Como a pandemia de coronavirus está afetando o dia a dia de atendentes, carteiras e carteiros, operadores de triagem e transbordo (OTT’s) e os prazos de entregas? Antes de falar sobre o preço do frete, James aproveita para contar uma história envolvendo a sua avó, um carteiro e um banco de concreto. O editor também dá dicas importantes sobre como cuidar da sua caixa de correspondência e como são entregues os pacotes de impressos na sua casa.

Muito se fala sobre uma improvável privatização dos Correios, mas só quem não conhece o cotidiano do milagre logístico operado pela EBCT em todos os municípios brasileiros para dizer uma coisa dessas. Quem compraria os Correios, se já existem serviços de entrega de encomendas privados de grandes e pequenas transportadoras? Como um pacote de livros pode atravessar o país por apenas 20 reais? É lógico que o serviço prestado pela empresa sempre pode melhorar, e poderia até mesmo ser mais barato. Mas será que as tarefas de trabalhadoras e trabalhadores que estão em afastamento por motivo de saúde estão sendo compensadas ou estão ficando acumuladas? Será que serão realizados novos concursos ou contratações? E a função de pessoas que estão merecidamente buscando aposentadoria, ou que já se aposentaram, recebem reposição ou tem alguém deixando de contratar para ver a empresa quebrar?

Os Correios já foram uma das mais prestigiadas e confiáveis empresas do país e seus serviços costumavam ser reconhecidos por todos. O desmonte dos Correios é fruto de muitas gerações de maus gestores, ladrões que roubaram os fundos de pensões de trabalhadores e pilantras como o ministro da economia, que pensam que podem vender a empresa a preço de banana só para dizer que conseguiu vender alguma coisa. Privatização é coisa de ladrão!

As amizades que fazem parte da Rede de Apoio recebem os vídeos antecipadamente e possibilitam a aquisição e manutenção dos recursos técnicos para que mais conteúdos sejam criados e disponibilizados em vídeo no Youtube e no Podcast da editora. Nosso muito obrigado pelo apoio e um salve especial às monas, minas e manos que trabalham nos Correios.

25 de Janeiro, Dia do Carteiro. 💌

Para ouvir no Podcast

Esse e outros episódios você ouve no Podcast da Editora Monstro dos Mares nas principais plataformas de áudio com distribuição pela Anchor.

Para baixar o arquivo de áudio MP3 do episódio do podcast basta clicar aqui.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um comentário

Agradecimentos Rede de Apoio e Solidariedade (Dezembro de 2020)

Escrever agradecimentos às pessoas que fortalecem a correria do nosso bonde é o mínimo que podemos fazer. Neste mês, conseguimos fazer algo mais: fizemos um encontro, uma celebração (assim, do jeito que dá, on-line). Chamamos as amizades do conselho editorial e científico, da Rede de Apoio e Solidariedade, e também algumas pessoas que publicaram conosco em 2020. Essa atividade não teve caráter de reunião, afinal, estamos no final de um ano horroroso e estamos felizes que podemos nos encontrar para conversar e saber como cada singularidade está atravessando esse período. Sim, esse ano foi um triturador. Tudo o que se fez e o que ainda vamos fazer precisa ser entendido e avaliado pelas limitações desse período estranho, não por suas potencialidades. Essa avaliação se estende, inclusive, aos nossos afetos.

Chá da tarde especial da Rede de Apoio e Solidariedade

O final de ano também é aquela época em que muita gente rememora o que fez durante o ano, em busca de aprendizados. Em 2020 nós decidimos não realizar uma retrospectiva, porque nossa maior vitória foi seguir existindo. Ao que tudo indica, em 2021 permaneceremos em casa; com isso, decidimos rever fatores importantes de nossa presença nas redes sociais e de comunicação. Voltamos ao Twitter, com mais pessoas ajudando a responder e deixar o perfil mais humano, uma vez que nos últimos tempo apenas o robô cuidava de tudo. Também voltamos a enviar notícias por e-mail (newsletter), uma prática que havia sido deixada de lado em função da correria do dia a dia.

Estamos felizes em poder contar com uma rede próxima de pessoas que confia no que fazemos e fortalece o envio de materiais para diversos recantos do país. Em 2020, as pessoas que fazem parte da Rede de Apoio da Monstro fortaleceram a distribuição gratuita de 821 livros e 1211 zines para coletivos, movimentos, bibliotecas comunitárias, okupas, sindicatos, federações, pesquisadoras e pesquisadores independentes e acadêmicas. Temos certeza de que parte significativa de nosso esforço diário em produzir cultura e referências de pesquisa é destinada a ser enviada gratuitamente pelos Correios. Nada disso seria possível sem o desprendimento do valor de uma lanche ou uma pizza de algumas pessoas. Com o pouquinho de cada uma, conseguimos fazer muito.

Obrigado por estar conosco em Dezembro de 2020:

  • Ian Fernandez
  • Fyb C
  • Lorenzo
  • Karina Goto
  • Camila
  • Caio
  • Mayumi Horibe
  • Gabriel Jung do Amaral
  • Viviane Kelly Silva
  • R
  • Vitor Gomes da Silva
  • Zé
  • Leo Foletto
  • Nicolas H Mosko
  • Andressa França Arellano
  • Marcelo Mathias Lima
  • Fernando Silva e Silva
  • Thiago de Macedo Bartoleti
  • Victor Hugo de Oliveira
  • Mauricio Marin Eidelman
  • Lupi
  • Leonardo Goes
  • Paulo Oliveira
  • Anna Karina
  • Andrei Cerentini
  • Igor
  • Claudia Mayer
  • Guapo
  • Márcio Massula
  • Angela Natel
  • Talles Azigon
  • Contribuições e apoios anônimos

A Editora Monstro dos Mares precisa da sua ajuda para continuar, contribua com
a Rede de Apoio no Catarse ou PicPay e receba materiais impressos em sua casa. 🖨️

Publicado em Deixe um comentário

Apresentação de “Abaixo ao trabalho 2ª edição” por Baderna James

Abaixo ao trabalho
Imagens da primeira e segunda edição

A segunda edição de Abaixo ao Trabalho é uma homenagem, uma saudação e lembrança muito querida de um título que circulou durante muitos anos em vários meios graças a atuação da editora Deriva, um coletivo editorial que apresentou a toda uma geração, a possibilidade de realizar livros artesanais de baixo custo sem depender da indústria gráfica e sem amargar com tiragens gigantes.

A experiência de escolher os textos, formatá-los e colocar “pra rodar” é o que forma uma editora. Essa tarefa vem acompanhando coletivos de inspiração anárquica ao curso da história. É possível citar um sem-número de iniciativas genuinamente artesanais que estiveram presentes na formação de leitores dissidentes e libertários. Coletivo Sabotagem, Barba Ruiva, Deriva, Nenhures, Index Librorum Prohibitorum, Erva Daninha, são algumas dessas editoras que colocaram na pista livros feitos um a um, manualmente, nos mais diversos formatos e materiais.

Atualmente, algumas editoras como Imprensa Marginal, Contraciv, Facção Fictícia, Subta e Monstro dos Mares estão em movimento a mais tempo, saudando e inspirando o surgimento de diversas editoras artesanais que se chegam como a Terra Sem Amos (TSA), Adandé, Amanajé, Edições Kisimbi, Lampião, Insurgência, Correria e outros tantos projetos que florescem nos diversos recantos do país.

Relembrar e homenagear a movimentação de compas que fizeram livros com as próprias mãos e celebrar a chegada de tantos outros coletivos nos dá a certeza de que é possível apropriar-se das técnicas e das tecnologias que compõem a produção de livros e zines. Publicar os textos que percorrem o nosso tempo com observações e análises, pesquisas e investigações, relatos e estudos, compõem um conjunto de práticas significativas para formar um retrato da permanência das ideias de autonomia, liberdade, auto-organização e colaboração na luta contra todas as formas de opressão.

Anarquistas, libertárias, autônomas, anárquicas, críticas, dissidentes ou insurgentes, independente das cores e das tintas de cada coletivo editorial artesanal de ontem e de hoje, Abaixo ao Trabalho retorna às ruas, para circular de mão em mão, aproximando pessoas, movimentos, coletivos, grupos e bandos em torno de suas ideias: uma crítica genuína à ideia de trabalho.

Muitas das pessoas que tocam projetos editoriais artesanais já desistiram da possibilidade de se manterem em empregos horríveis, trocando suas liberdades por um salário no final do mês. O livro que você tem em mãos, reúne não apenas um conjunto de ideias, mas espectro de experiências que (re)afirmam a possibilidade de que há diversos modos de multiplicar e se somar as lutas do nosso tempo.

Faça livros, multiplique!

Baderna James, Outubro de 2020.


Publicado em 2 comentários

Monstro dos Mares: 500.000 impressões de livros e zines de inspiração anárquica

No mês de Outubro de 2020 a Editora Monstro dos Mares, um pequeno coletivo editorial de inspiração anárquica localizado no interior do estado do Paraná, atingiu a marca de meio milhão de impressões. Esse número não representa absolutamente nada para a indústria gráfica nacional, mas é muito significativo para as pessoas, coletivos, movimentos sociais, bibliotecas comunitárias e iniciativas editoriais de livros e zines artesanais no Brasil.

Fazer impressões em casa para distribuir e fortalecer a disseminação de ideias radicais reúne um espectro de experiências que evidenciam a importância da autonomia e da livre cooperação entre pessoas e coletivos que compartilham dos mesmos princípios e éticas. Ao produzir um novo título, ou recuperar e colocar para circular uma publicação de outros tempos, aprendemos muito sobre apropriação tecnológica, sobre a necessidade de tinta no papel. Também percebemos a urgência do desenvolvimento de estratégias de sobrevivência e manutenção de nossos espaços coletivos, que muitas vezes se beneficiam diretamente da distribuição, venda e circulação de impressos. Além disso, obviamente, aprendemos sobre a contribuição para o aprendizado e mobilização das pessoas que estão unidas conosco nas lutas sociais ao lado de quem vem de baixo.

Nesse momento marcante da editora, queremos agradecer às monas, minas e manos que em algum momento de suas vidas e militâncias decidiram dedicar algum tempo para produzir materiais que questionam o Estado e o estado de coisas. São livros e zines que subvertem lógicas estabelecidas, pesquisas acadêmicas que expõem as linhas de fratura da normalidade e relatos de grupos e individualidades que, do lado de fora dos muros das universidades, criaram materiais para circular de mão em mão, feitos em casa, de baixo custo e que vão circular entre pessoas (tal como você e eu) que lutam para que o mundo, da forma que está, não mereça existir por nem mais um segundo.

Em 2020, desde o primeiro dia do ano, a Monstro dos Mares chamou para que as águas fizessem emergir novas editoras, coletivos publicadores, distros e banquinhas. Quando essas iniciativas despontam no horizonte, nossa sensação de criar, resgatar, mobilizar e difundir ideias radicais e dissidentes no formato impresso é uma ação direta no enfrentamento do grande capital, das constantes guinadas autoritárias, da precarização do trabalho e da destruição do meio ambiente. Essa não é uma tarefa fechada em si mesma, mas que está unida, de braços esticados e na luta. Tudo isso buscando não ignorar as subjetividades que nos constituem como pessoas e que nos unem como coletividades. Quando surge uma nova editora anarquista, aspiramos novos ares e vento nas velas.

As 500.000 impressões que alcançamos desde Agosto de 2017 representam mais do que 50 caixas de papel, 500 pacotes de A4, 15 litros de tinta pigmentada, mais de 5.000 livros e 9.000 zines. Esse meio milhão de impressões significa que há um espaço, mares navegáveis e um oceano de limonada para as ideias radicais. Além de comemorar esses números, queremos agradecer cada pessoa que carinhosamente nos incentiva a continuar fazendo o que acreditamos. Livros e Anarquia!

Editora Monstro dos Mares
Outubro de 2020

Publicado em Deixe um comentário

Maio de 2020: chegamos a 400.000 impressões de livros e zines 🎏

O ventos sopram e por vezes fazem tudo mudar de direção. Os protestos do final de Maio mostram isso ao mundo. Tudo o que sabemos sobre as formas de atuação durante a pandemia podem se transformar repentinamente, e Junho pode reservar muitas surpresas. É lamentável e assustador que as notícias tragam tantas incertezas e ameaças à saúde e à vida das pessoas: o vírus, a polícia, a omissão do Estado. Esperamos ventos que soprem com mais força, para que o medo possa mudar de lado.

Em Maio parece que aconteceu tudo ao mesmo tempo. Entramos na era das lives, com a participação no evento “Filosofia e Eco-Anarquia em Tempos de Pandemia“, atendendo ao convite das amizades da Casa de Vidro. Também demos início ao “Chá da Tarde“, com nossa editora geral abobrinha. Ainda em Maio encerramos a campanha de financiamento coletivo do livro “O índio no cinema brasileiro e espelho recente”, de nosso amigo e companheiro de luta Juliano Gonçalves da Silva. Fizemos toda a impressão, montagem, finalização e envio dos livros em tempo recorde (você pode acompanhar o processo em nosso Instagram @monstrodosmares) e incluímos em nosso catálogo o livro “Sem lamentações: filosofia, anarquismo e outros ensaios“, que seria lançado logo após o carnaval e, por motivos que você pode imaginar, optamos por lançar sem realizar nenhum evento.


400.000 impressões

Em Agosto de 2017 começamos a manter um breve histórico de nosso volume de impressões. Passamos a registrar a quantidade de livros e zines produzidos e distribuídos gratuitamente. Recentemente começamos a registrar também a geração e consumo de energia solar produzida pela placa fotovoltaica que instalamos na janela no ano passado. Em Maio de 2020 chegamos a 400.000 impressões! Sabemos que esse número representa muita luta, muita atividade e muita solidariedade de monas, minas e manos que acreditam e confiam em nosso projeto editorial. Também estamos de cientes que compartilhar nossos processos e conquistas é fundamental para o registro de nossa trajetória como coletivo e para incentivar o surgimento de outros projetos para fazer as ideias circularem. Com isso, agradecemos o carinho de todas as pessoas que nos apoiam e fazem a Monstro dos Mares continuar. Valeu!


Numerologia de Maio de 2020

  • Impressões de Maio de 2020: 19.872
  • Livros impressos: 168
  • Livros distribuição gratuita: 74
  • Zines impressos: 195
  • Zines distribuição gratuita: 63
  • Kw gerados e consumidos com energia solar: 2.2Kw
  • Total de Kw gerados e consumidos com energia solar em 2020: 8.2Kw
  • Total de impressões desde Janeiro de 2020: 71.889
  • Total de impressões desde Agosto de 2017: 409.323

Numerologia: Hotsite com informações sobre nossos números mensais/anuais 🔮
https://monstrodosmares.com.br/numerologia

Publicado em Deixe um comentário

Minicurso: O que é antifascismo? (4 videoaulas)

Nosso amigo, o Professor Luiz H. P. Nascimento, preparou um minicurso de quatro videoaulas com reflexões simples sobre “O que é antifascismo?“. Os vídeos trazem panoramas que introduzem as questões e promovem reflexões. As ferramentas de informação como as videoaulas são importantes neste momento em que necessitamos acolher quem está buscando uma identificação com o antifascismo. Sem vaidades ou rancores.

Com a publicação desse minicurso, esperamos contribuir para o surgimento de iniciativas de instrução e educação que promovam as ideias anárquicas e anarquistas para fortalecer compas em todos os recantos. Nosso coletivo editorial surgiu da necessidade de aprender, disseminar informações e trocar com outras editoras.

Agradecemos o carinho e a lembrança do professor Luiz H. P. Nascimento, autor do livro “Pixação: a arte em cima do muro” publicado pela Monstro dos Mares, por ter gravado essas aulas. Obrigadão!

Bom mini-curso à todës.