Publicado em Deixe um comentário

Treta do frete (envio de livros) 📩

a treta do frete

Treta do frete: porque o rastreamento demora para atualizar?

Os grandes sites de e-commerce habituaram as pessoas a acreditar que só existem duas modalidades de envios nos Correios: PAC e Sedex. Mas não é bem assim: essa é a treta do frete. Quem recebe e envia livros provavelmente já se deparou com esses códigos de rastreamento que começam com as letras JN ou RE, que demoram para atualizar. Mas é assim mesmo que funciona o IMPRESSO na modalidade de REGISTRO MÓDICO. Esse é um serviço de envio de materiais impressos para editoras, livrarias, sindicatos, cooperativas, associações e pessoas físicas que precisam de uma modalidade econômica de envio pelos Correios.

No vídeo Treta do Frete, disponível abaixo, Baderna James apresenta a modalidade de envios utilizada pela Monstro dos Mares, o IMPRESSO. Como funciona? Quais as diferenças entre o Impresso e outras modalidades de entregas? Quem pode utilizar e porque demora tanto para atualizar no Sistema de Rastreamento de Objetos (SRO)? Como a pandemia de coronavirus está afetando o dia a dia de atendentes, carteiras e carteiros, operadores de triagem e transbordo (OTT’s) e os prazos de entregas? Antes de falar sobre o preço do frete, James aproveita para contar uma história envolvendo a sua avó, um carteiro e um banco de concreto. O editor também dá dicas importantes sobre como cuidar da sua caixa de correspondência e como são entregues os pacotes de impressos na sua casa.

Muito se fala sobre uma improvável privatização dos Correios, mas só quem não conhece o cotidiano do milagre logístico operado pela EBCT em todos os municípios brasileiros para dizer uma coisa dessas. Quem compraria os Correios, se já existem serviços de entrega de encomendas privados de grandes e pequenas transportadoras? Como um pacote de livros pode atravessar o país por apenas 20 reais? É lógico que o serviço prestado pela empresa sempre pode melhorar, e poderia até mesmo ser mais barato. Mas será que as tarefas de trabalhadoras e trabalhadores que estão em afastamento por motivo de saúde estão sendo compensadas ou estão ficando acumuladas? Será que serão realizados novos concursos ou contratações? E a função de pessoas que estão merecidamente buscando aposentadoria, ou que já se aposentaram, recebem reposição ou tem alguém deixando de contratar para ver a empresa quebrar?

Os Correios já foram uma das mais prestigiadas e confiáveis empresas do país e seus serviços costumavam ser reconhecidos por todos. O desmonte dos Correios é fruto de muitas gerações de maus gestores, ladrões que roubaram os fundos de pensões de trabalhadores e pilantras como o ministro da economia, que pensam que podem vender a empresa a preço de banana só para dizer que conseguiu vender alguma coisa. Privatização é coisa de ladrão!

As amizades que fazem parte da Rede de Apoio recebem os vídeos antecipadamente e possibilitam a aquisição e manutenção dos recursos técnicos para que mais conteúdos sejam criados e disponibilizados em vídeo no Youtube e no Podcast da editora. Nosso muito obrigado pelo apoio e um salve especial às monas, minas e manos que trabalham nos Correios.

25 de Janeiro, Dia do Carteiro. 💌

Para ouvir no Podcast

Esse e outros episódios você ouve no Podcast da Editora Monstro dos Mares nas principais plataformas de áudio com distribuição pela Anchor.

Para baixar o arquivo de áudio MP3 do episódio do podcast basta clicar aqui.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um comentário

Agradecimentos Rede de Apoio e Solidariedade (Dezembro de 2020)

Escrever agradecimentos às pessoas que fortalecem a correria do nosso bonde é o mínimo que podemos fazer. Neste mês, conseguimos fazer algo mais: fizemos um encontro, uma celebração (assim, do jeito que dá, on-line). Chamamos as amizades do conselho editorial e científico, da Rede de Apoio e Solidariedade, e também algumas pessoas que publicaram conosco em 2020. Essa atividade não teve caráter de reunião, afinal, estamos no final de um ano horroroso e estamos felizes que podemos nos encontrar para conversar e saber como cada singularidade está atravessando esse período. Sim, esse ano foi um triturador. Tudo o que se fez e o que ainda vamos fazer precisa ser entendido e avaliado pelas limitações desse período estranho, não por suas potencialidades. Essa avaliação se estende, inclusive, aos nossos afetos.

Chá da tarde especial da Rede de Apoio e Solidariedade

O final de ano também é aquela época em que muita gente rememora o que fez durante o ano, em busca de aprendizados. Em 2020 nós decidimos não realizar uma retrospectiva, porque nossa maior vitória foi seguir existindo. Ao que tudo indica, em 2021 permaneceremos em casa; com isso, decidimos rever fatores importantes de nossa presença nas redes sociais e de comunicação. Voltamos ao Twitter, com mais pessoas ajudando a responder e deixar o perfil mais humano, uma vez que nos últimos tempo apenas o robô cuidava de tudo. Também voltamos a enviar notícias por e-mail (newsletter), uma prática que havia sido deixada de lado em função da correria do dia a dia.

Estamos felizes em poder contar com uma rede próxima de pessoas que confia no que fazemos e fortalece o envio de materiais para diversos recantos do país. Em 2020, as pessoas que fazem parte da Rede de Apoio da Monstro fortaleceram a distribuição gratuita de 821 livros e 1211 zines para coletivos, movimentos, bibliotecas comunitárias, okupas, sindicatos, federações, pesquisadoras e pesquisadores independentes e acadêmicas. Temos certeza de que parte significativa de nosso esforço diário em produzir cultura e referências de pesquisa é destinada a ser enviada gratuitamente pelos Correios. Nada disso seria possível sem o desprendimento do valor de uma lanche ou uma pizza de algumas pessoas. Com o pouquinho de cada uma, conseguimos fazer muito.

Obrigado por estar conosco em Dezembro de 2020:

  • Ian Fernandez
  • Fyb C
  • Lorenzo
  • Karina Goto
  • Camila
  • Caio
  • Mayumi Horibe
  • Gabriel Jung do Amaral
  • Viviane Kelly Silva
  • R
  • Vitor Gomes da Silva
  • Zé
  • Leo Foletto
  • Nicolas H Mosko
  • Andressa França Arellano
  • Marcelo Mathias Lima
  • Fernando Silva e Silva
  • Thiago de Macedo Bartoleti
  • Victor Hugo de Oliveira
  • Mauricio Marin Eidelman
  • Lupi
  • Leonardo Goes
  • Paulo Oliveira
  • Anna Karina
  • Andrei Cerentini
  • Igor
  • Claudia Mayer
  • Guapo
  • Márcio Massula
  • Angela Natel
  • Talles Azigon
  • Contribuições e apoios anônimos

A Editora Monstro dos Mares precisa da sua ajuda para continuar, contribua com
a Rede de Apoio no Catarse ou PicPay e receba materiais impressos em sua casa. 🖨️

Publicado em Deixe um comentário

Reflexões: O índio no cinema brasileiro e o espelho recente

Chegamos à última semana da campanha de financiamento coletivo do livro O índio no cinema brasileiro e o espelho recente, de autoria de Juliano Gonçalves da Silva. Por isso, aproveito este momento para levantar apontamentos para além do texto, pois sabemos que, ao chegarmos à ultima página de uma obra, começamos um novo processo de produção e reflexão sobre o que o livro nos diz e como as contribuições do/a autor/a passam a fazer parte de como nós mesmas pensamos o mundo.

O que a ficção cinematográfica pode produzir, como efeito sobre a realidade, em relação a coletividades e/ou indivíduos (re)constituídos à margem dos grupos hegemônicos de nossa sociedade?

Esse questionamento deve ser central em análises de quaisquer obras que tragam às telas personagens que pretendam representar grupos socialmente marginalizados, já que a constituição do imaginário de uma cultura perpassa todas as nossas relações sociais. Em outras palavras, preconceitos produzidos e reproduzidos na ficção são partes constitutivas dos preconceitos produzidos e reproduzidos pelas pessoas no dia a dia. Ou seja: a vida e a arte são indissociáveis. É preciso trazer à tona essa ligação imanente; é preciso des-velar a tensão ficção vs. realidade continuamente para desmantelar os ciclos de citacionalidade que sustentam as hierarquias entre as pessoas e as culturas e dão justificativa ao injustificável.

É impossível e covarde, a meu ver, desconectar do hoje qualquer esforço de análise ou comentário. Por isso, penso ser relevante situar a publicação deste livro dentro do contexto que vem sendo chamado “Crise do Coronavírus” e seus desdobramentos no Brasil.

O vírus chegou aos territórios supostamente protegidos destinados à manutenção da vida e cultura indígena, e isso se deu sobretudo através da “exploração ilegal” dessas terras. Temos falado de roubo, invasão, grilagem, e também da expropriação fundante do Brasil como nação–a invasão pelos colonizadores europeus. É fato que ao evocar esses termos e fatos históricos acertamos sobre o que move a contenda atual, mas gostaria de atrelar a essas reflexões e críticas que já fazemos duas outras questões que me acometem neste momento.

A primeira é que muitos de nós só pensamos nesses fatos em momentos de inegável comoção coletiva. Há certamente coletividades, instituições e individualidades não-indígenas que fazem da luta indígena sua própria constituição. Mas nós, pessoas brancas, estamos realmente assumindo nossa participação e responsabilidade sobre o binômio indígena/não-indígena enquanto vivemos nossa própria constituição como dependente da sustentação desse binômio? Fazemos parte de uma cultura que re(a)presenta os povos indígenas como atrasados, primitivos, não-civilizados, e essa cultura é parte do que nos faz quem somos sendo brancos. Daí a importância de questionarmos e analisarmos produções culturais, e aqui particularmente a ficção, que fazem parte da criação da narrativa de nós mesmas.

A segunda questão que gostaria de trazer é sobre a impropriedade do termo “exploração ilegal”, que coloco entre aspas justamente por causa de sua fragilidade e intrínseca trapaça. Podemos, efetivamente, classificar como legais e ilegais ações baseadas em um sistema formulado por aqueles que se beneficiam dessa organização de leis em detrimento daqueles sobre os quais as leis se aplicam? Já não foi legal a expropriação das terras dos indígenas que habitam o continente desde quando da chegada dos colonizadores, e não existe a manipulação e o preterimento das leis para que essa expropriação continue hoje, talvez sobre outros nomes? Soa ingênuo para mim, por tudo isso, chamar essas ações de “exploração ilegal” e pensar que as noções de legalidade e ilegalidade já atuam como uma espécie de punição classificatória. Como se isso fosse suficiente, e como se pudéssemos esperar sentadas por algum tipo de “justiça”.

Os questionamentos que apresentei não esgotam, sem dúvida, as possibilidades críticas e de ação que podem emergir da análise da representação de personagens indígenas no cinema brasileiro. O que busco fazer com este texto é um exercício no sentido de amplificar o que podemos perguntar, incentivar a expansão de minha capacidade questionadora. Pois, ao falar sobre um livro que disserta acerca da representação de personagens indígenas, posso, além de questionar a impropriedade ou propriedade dessas representações, questionar também a (im)propriedade das leis, a ficcionalidade das narrativas que me perpassam e constituem, a conexão entre ficção e realidade. Podemos e devemos tomar como determinação pessoal questionar tudo acerca do mundo em que vivemos.

Claudia Mayer
Doutora em Estudos Literários e Culturais
Editora Geral da Editora Monstro dos Mares
Contato: claudia@monstrodosmares.com.br

Contribuições com a campanha de financiamento coletivo do livro O índio no cinema brasileiro e o espelho recente, de Juliano Gonçalves da Silva, podem ser feitas até o dia 11/05, às 23h59min. Estamos muito felizes com o andamento dessa campanha e muito gratas a todas as pessoas que contribuíram e que ainda contribuirão. Logo os livros começarão a ser produzidos e prevemos para o fim deste mês o início dos envios nos Correios.

Apoie o financiamento coletivo do livro “O índio no cinema brasileiro e o espelho recente” de Juliano Gonçalves da Silva no Catarse -> http://catarse.me/oindionocinemabrasileiro

Publicado em Deixe um comentário

[bate-papo] Como foi o lançamento do livro “Violência, Democracia e Black Blocs” em Cachoeira do Sul

Na noite deste sábado, 08 de Fevereiro de 2014, a Editora Artesanal Monstro dos Mares serviu um chá gelado e colocou a banquinha na garagem para receber as pessoas de Cachoeira do Sul para o lançamento do livro “Violência, Democracia e Black Blocs“, do Sociólogo Nildo Avelino.

Durante o evento, a Rádio Caruncho FM Livre tocou vários sons que foram do samba ao black metal, passando por marchinhas de carnaval e o anarcofunk. Como as conversas estavam animadas decidiu-se ligar os microfones para fazer as ideias ganharem novos espectros, inclusive o sonoro.

Confira as imagens e áudio com o bate-papo. Existem alguns chiados, plics e placs no som, mas acredite que foram tratados na medida do possível.

Faça o download do áudio para ouvir onde quiser.