Publicado em 2 comentários

Estamos na FLIPEI 2021

A Monstro dos Mares está presente na Festa Literária Pirata das Editoras Independentes (FLIPEI), que começou no dia 18 de Março e vai até o dia 28. A edição de 2021 da festa conta com a participação de mais de 100 editoras independentes. São livros de gêneros variados, literatura, ficção, infantis e livros políticos de diversos segmentos. Várias iniciativas editoriais que admiramos estão fazendo parte desse barco pirata e destacamos a infoshop 1.000 contra e as editoras Biblioteca Terra Livre, GLAC, Entremares, Intermezzo Editorial, N-1, sobinfluencia, Tenda de Livros, Crocodilo e Terra sem Amos (TSA). Por uma questão de prazos de inscrição, outras editoras não estão participando da FLIPEI, mas nem por isso você deve deixar de apoiar.

Como você pode imaginar, em função da pandemia a festa está acontecendo online e o tema é Livros e comunas para novos futuros. Você pode conferir a programação completa no site da FLIPEI e no Instagram @flipeioficial. As conversas serão transmitidas pelo YouTube, no canal oficial da festa. Estarão presentes Kristin Ross, Atilio Borón, Toumani Kouyaté, Julieta Paredes, Dayse Sacramento, Mark Bray, Peter Gelderloos e Kaká Werá, além de diversas atividades e encontros com temas interessantes do primeiro ao último dia da edição anual do evento.

Descontos especiais

Durante a FLIPEI, as editoras foram convidadas a criar ofertas e descontos especiais para fortalecer o evento e tornar a festa mais próxima dos eventos presenciais, nos quais as editoras em suas barraquinhas oferecem ótimos descontos. Atendendo ao chamamento, a Monstro está oferecendo 25% de desconto em cinco títulos que selecionamos. São eles: “O índio no cinema brasileiro e o espelho recente“, de Juliano Gonçalves da Silva; “PIXAÇÃO: A arte em cima do muro“, de Luiz H. P. Nascimento; “Dialética perspectivista anarcoindígena“, de Guilherme Falleiros; “Trilhas dos imaginários sobre os indígenas e demografia antiautoritária“, de Carolina Sobreiro; “Repensar a anarquia“, de Carlos Taibo.

Além desses livros com preço promocional, você pode utilizar o cupom FLIPEI21 para receber 5% de desconto em diversos livros e zines do nosso catálogo até o dia 28 de Março.

Sobre a FLIPEI

A FLIPEI é um projeto coletivo que envolve uma rede de editoras, artistas e coletivos independentes, organizado pela editora Autonomia Literária. Tudo começou com uma feira do livro alternativa dentro de um barco e o desejo de difundir pensamentos críticos e novas formas de ação e produção em comum. Desde 2018 a cidade de Paraty é invadida, através do rio Perequê-açu, por um barco pirata lotado de livros subversivos, durante a tradicional Festa Literária de Paraty (FLIP). https://flipei.net.br

Publicado em Deixe um comentário

[Roda de conversa online] Interseccionalidades: queer, anarquismo e pandemia

No dia 12 de Agosto às 16h acontecerá a roda de conversa online Interseccionalidades: queer, anarquismo e pandemia, que contará com a presença de Daniel Santos da Silva, autor de Sem lamentações: filosofia, anarquismo e outros ensaios, e Claudia Mayer, autora de queer no Brasil: resistência e empoderamento na (re/a)presentação de si e Editora Geral da Monstro dos Mares.

As inscrições podem ser realizadas em:
https://sigaa.ufra.edu.br/sigaa/public/extensao/consulta_extensao.jsf

Esse evento é organizado pelo Projeto de Pesquisa (In)visibilidades, Identidades e Diferenças: raça, gênero, sexualidades e outras interseccionalidades na memória cultural, literária dos contextos pós/de(s)-coloniais ou no sul global, da Universidade Federal Rural da Amazônia (Tomé-Açu/PA). O projeto é coordenado pelo professor Marcelo Spitzner, autor de Judith Butler & Michel Foucault: considerações em torno da performatividade, do discurso e da constituição do sujeito.

O encontro também fará parte do I Congresso Internacional de Estudos Multidisciplinares na Amazônia, que acontecerá online nos dias 10, 11 e 12 de Agosto. As inscrições irão até o dia 07/08 e podem ser realizadas no site do evento.


Publicado em 5 comentários

Chá da tarde com abobrinha (3ª edição) ☕

Dia 23 de julho (quinta-feira) às 15h será realizado nosso terceiro vídeo ao vivo. Estamos muito felizes com a participação de tanta gente! São muitas perguntas, e queremos nos organizar bem para podermos discutir todas elas.

As perguntas coletadas para a próxima live são as seguintes:

  • Se os correios entrarem em greve, como vocês farão para entregar livros e zines?
  • Como ter vida familiar sendo editor?
  • Como vocês escolhem os papéis de capa e por que cores tão lindas?
  • Quais tipos de papel “grosso” vocês usam para fazer capas de zines?
  • Quem assina no Catarse recebe o que?
  • Qual o critério de escolha de textos para publicação?
  • Por que publicar um livro parece ser tão difícil?

Além das perguntas, também falaremos sobre o novo livro que está pronto para ser lançado!

Esperamos vocês no Instagram @monstrodosmares. A live também será disponibilizada em nosso canal no Youtube, logo após a transmissão ao vivo.

Publicado em Deixe um comentário

Chá da tarde com abobrinha (2ª edição) 🍵

Foi dia 18 de junho a segunda edição do nosso Chá da tarde. Foram realizadas algumas mudanças, e achamos que deu muito certo. Melhoramos a iluminação, o posicionamento da câmera e a captura de som, além da linda ficha para pauta em papel cor-de-rosa metálico (inspirada, talvez, na Penélope do Castelo Rá-Tim-Bum 😁).

Você pode assistir à 2ª edição do Chá da tarde no IGTV e no YouTube.

Como explicamos neste post, decidimos usar o recurso dos vídeos ao vivo para entrar em contato mais próximo com as pessoas que nos acompanham on-line. A experiência tem sido muito legal para nós e já estamos pensando em mais maneiras de compartilhar as atividades da editora, falar sobre técnicas e sobre outros assuntos que estão no nosso dia a dia.

Agradecemos a todas as pessoas que puderam estar com a gente ao vivo, e também àquelas que estão nos acompanhando em outros momentos. Na próxima semana será aberta novamente a caixinha de perguntas no Stories do perfil da Monstro no Instagram e você poderá nos enviar suas perguntas. A caixinha vai aparecer uma vez por semana.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um comentário

Quer montar uma editora? 🖨️

Na mais recente edição do Chá da tarde (que você pode assistir no IGTV ou no YouTube), nós respondemos a uma pergunta que aparece frequentemente por aqui: Como montar uma editora?

A Editora Monstro dos Mares apoia e incentiva a proliferação de novas iniciativas editoriais, e uma das decisões que tomamos para 2020 foi a de compartilhar nossas experiências com esse tipo de projeto cada vez mais. A primeira sugestão que fazemos é a leitura do texto “Para publicar – a necessidade de tinta no papel nas publicações anarquistas da atualidade“, por Aragorn!.

O processo de colocar tinta no papel e entregá-los para pessoas que estão interessadas contém um espectro completo de experiências sobre como realmente podemos fazer alguma coisa. Como transformar boas ideias (e mesmo as meia-boca) em sucessos ou fracassos. No papel essas ideias tem um valor próprio, mais do que elogios, críticas e enganos, o resultado é jogar mais ideias para o mundo. O processo de transferir palavras impressas de lá pra cá, de você pra mim, é também a conexão primária que faz existir uma editora para dezenas, centenas ou milhares de pessoas que serão escribas do futuro, feitiçeirxs da anarquia, companheirxs que podem fazer as coisas acontecerem e as melhores amizades que você nunca vai ter.

Aragorn!

Se você, como a gente, sente-se tocada por essas palavras e esse sentimento de conexão com a viagem da tinta no papel, montar uma editora certamente será uma experiência fantástica. Nem tudo será fácil, isso é um fato, mas encontrar soluções, compartilhar experiências, buscar alternativas e entrar em contato com as pessoas sempre traz muita satisfação.

Compartilhamos abaixo algumas reflexões sobre “por onde começar”, baseadas na nossa experiência com a Monstro e com o que aprendemos com outros projetos semelhantes (e diferentes também).

Compartilhe e discuta com seu grupo as seguintes perguntas:

O que você vai publicar?

Materiais com poucas páginas, livros mais grossos? Isso vai ajudar você a descobrir quais ferramentas você vai precisar usar no dia a dia. É legal começar pelo que você já tem disponível para usar, ao invés de começar pensando no que você precisa conseguir. Assim, você mantém a realização da atividade mais perto de você e se motiva a prosseguir. Muitas vezes, conseguir ferramentas é muito mais fácil do que imaginamos. Lembre-se: ferramentas são coisas que você usa. Então, mesmo que você não tenha uma ferramenta própria, pode ser que você consiga coisas emprestadas e doações. Uma tampa de fogão velha ou um pedaço de vidro grosso sem uso no porão de alguém podem ser uma mão na roda pra quem vai refilar no estilete. Use a imaginação, pesquise técnicas e faça adaptações – mas lembre-se de que a sua segurança tem que ficar em primeiro lugar.

Qual o contexto em que seu projeto está inserido?

Sua editora vai fortalecer um movimento que já existe, somar-se a alguma causa, distribuir material gratuito? Assim como o conhecimento, que só existe em contexto, uma editora não é um fim em si mesmo. Ela faz parte de um projeto e precisa fazer sentido dentro de uma comunidade. A Monstro, por exemplo, vende livros para poder distribuir materiais gratuitamente e fortalecer bibliotecas comunitárias, coletivos e pesquisadoras independentes. Em 2019, foram 665 livros e 1.399 zines distribuídos sem nenhum custo.

Quanto tempo você irá dedicar ao projeto?

Saber disso vai te ajudar a escolher os materiais, decidir sobre técnicas, planejar a compra de insumos e a distribuição do material finalizado, e também a organizar o espaço do qual você dispõe. Por exemplo, se você vai dedicar os finais de semana para sua editora, talvez dê para colocar uma mesa no quintal e tocar a montagem do que foi impresso no fim de semana anterior (e ficou guardado em uma caixa debaixo da sua cama).

Que técnicas você irá utilizar?

Se você vai publicar zines, por exemplo, um grampeador comum, uma régua de metal (ou uma barra de metal mesmo), uma caixa de grampo e um estilete são suficientes para criar materiais muito legais. Como está o preço da fotocópia na sua cidade? Uma impressora de cartucho esquecida pode voltar à vida, e é possível aprender a recarregar um cartucho em casa (procure no YouTube!). Vai imprimir apenas em preto ou pensa em usar cores? Quer utilizar papel colorido nas capas ou vai fazer as artes em preto e branco (que podem ficar muito bonitas!)? Uma dica: costurar zines na máquina de costura dá um resultado muito legal, e existem várias técnicas de costura manual lindíssimas para aprender (no YouTube também!). Tendo uma noção dessas técnicas, você vai poder começar a fazer um levantamento dos materiais que você vai precisar e pesquisar preços no comércio da sua cidade ou pela internet.

Como será a distribuição?

Essa pergunta vai ajudar você a pensar na quantidade de material que você vai imprimir e distribuir, e também vai dar uma noção melhor da quantidade dos materiais que você vai precisar e a grana que você vai precisar para comprá-los. Se você vai distribuir em uma banquinha, por exemplo, lembre-se de que papel é uma coisa muito pesada e pode ser que você precise caminhar carregando caixa de zines, mochila, uma garrafa d’água, um pano para abrir no chão. Se você vai distribuir pelos correios, vai precisar de envelopes, fita, papel para embalar, etc.

Qual o espaço de que você dispõe?

Uma mesa que aguente o tranco e um computador são essenciais. Tem espaço para ter uma mesa só para a guilhotina ou base para cortar com estilete, ou vai alternar a mesa entre separação, montagem e corte? Onde você vai guardar os materiais impressos? Quanto mais material impresso, mais a questão do espaço para guardá-los se torna importante.


A Monstro nunca teve um caixa cheio e vistoso, e provavelmente nunca terá. Quando começou, não tinha impressora própria e as ferramentas utilizadas na montagem eram coisas que as pessoas já tinham em casa. Hoje a editora tem quatro impressoras, mas foram oito anos de atividade e muita colaboração para chegar nelas. Ainda temos muito para caminhar e chegar onde sonhamos: continuar realizando todo o processo artesanalmente, aumentar o volume de impressões para chegar a cada vez mais pessoas, e fazer tudo isso com uma infraestrutura mais amigável.

Posso dizer que o que nos move é a curiosidade, a pesquisa, a colaboração, e a prática. Por isso, não temos como responder com um valor fechado, e não queremos fazer isso! A Monstro não é um “negócio” no sentido mais usual da palavra; quer dizer, não é algo que depende de um investimento inicial que precisa ser coberto em um espaço de tempo determinado para que comece a gerar “frutos” – ou seja, valores financeiros. Um número não pode ser impedimento para você realizar aquilo que gosta. Por isso, observe o que está a seu redor e descubra o que você pode começar a fazer a partir do que está à mão. À medida que outras necessidades forem surgindo, busque suas próprias soluções para elas, fale com outras pessoas, pesquise. Não há roteiros nem caminhos definidos, existe a trajetória do que é possível ir fazendo à medida que você faz. Busque inspiração em outros projetos, crie suas respostas e faça livros!

Links que podem ser úteis:

Monte sua Banquinha – Facção Fictícia
Como dobrar zines
Macetes: posição dos grampos

Vídeos no Instagram da Monstro dos Mares

Refilando capa no bisturi
Colando livros de lombada quadrada
Usando a guilhotina de zines
Prensa de zines

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em 1 comentário

[Podcast] Bate-papo com Daniel Santos da Silva sobre o lançamento de “Sem lamentações: filosofia, anarquismo e outros ensaios”

No dia 12 deste mês tivemos o prazer de gravar um bate-papo com nosso amigo e companheiro de luta Daniel Santos da Silva, autor do livro Sem lamentações: filosofia, anarquismo e outros ensaios.

Atualmente, Daniel é professor de Filosofia na Universidade Estadual do Paraná, campus União da Vitória. Mestre pela Universidade Estadual do Ceará, Doutor e Pós-Doutor pela Universidade de São Paulo, Daniel constrói ricos entrelaces entre suas vivências teóricas dentro da academia e suas experiências fora dela, que o levaram de Brasília a Fortaleza, a São Paulo e ao interior paranaense, além dos muitos outros lugares que fizeram parte de sua trajetória.

Em Sem lamentações encontram-se textos escritos durante um período de dez anos e, como o autor mesmo confirmou em nossa conversa, é possível à leitura atenta perceber os matizes das transformações que foram acontecendo através do passar do tempo.

Ficamos muito felizes por transferir parte da vida e do trabalho do Daniel à folha impressa, e também por termos tido a oportunidade de conversar mais sobre tudo isso com o amigo querido.

Este episódio está disponível em:

Spotify, Breaker, Google Podcasts, Overcast, Pocket Casts, Radio Public, Anchor, RSS.

O livro está disponível para download gratuito ao final desta página.


Publicado em Deixe um comentário

E aí, cadê o meu pacote? 📮

Quando chegam meus livros? Por que meu pacote continua parado? O que quer dizer “objeto postado após o horário limite da unidade”? Essas são algumas das perguntas que temos recebido ultimamente. Por isso, vamos explicar neste post algumas das situações que vêm ocorrendo nas nossas entregas via correios, e também sobre o tipo de registro que utilizamos – Impresso com Registro Módico.

Nós falamos aqui no nosso blog sobre as medidas de contenção da disseminação do coronavírus adotadas pelos correios. Você pode ler essa postagem aqui e dar uma olhada na página oficial dos correios com todas as informações.

Isso quer dizer que talvez sua encomenda demore mais a chegar em comparação com os prazos de costume. Temos recebido, porém, notícias de que nossos pacotes estão sim chegando. Alguns dentro do prazo com o qual já estamos acostumados, outros em prazos maiores, pois os prazos de entrega foram ampliados pelos correios . Há pacotes que estão demorando mais sim, especialmente naquelas regiões que estão em alerta de risco de contágio mais elevado.

Por isso, fiquem de olho no código de rastreio, que é enviado por email assim que os pacotes são registrados no sistema dos correios. Também pedimos que fiquem atualizadas em relação à classificação de risco da região onde moram, pois essas situações (infelizmente) mudam rápido e não temos como saber como está sendo em cada cidade.

Você pode verificar o status do seu pacote pelo sistema de rastreamento no próprio site dos correios ou pelo seu serviço de rastreio preferido (nós utilizamos o Muambator).

Isso nos leva à segunda pergunta: por que meu pacote continua parado?

Nós utilizamos o serviço de envio de Impressos com Registro Módico, destinado ao envio de “Livros de maneira geral, postados por qualquer pessoa física ou jurídica, e Material Didático em geral postado por Escola de Ensino por correspondência e destinados a seus alunos), de acordo com o site dos correios.

Nessa modalidade de registro, o status da movimentação do objeto é informado à usuária duas vezes: quando o objeto é cadastrado no sistema dos correios ao chegar à agência e quando o objeto sai para entrega à destinatária. Após a entrega, o status é modificado para “Entrega efetuada” ou, caso ocorra algum problema, é sinalizada a devolução ao remetente.

O serviço de Registro Módico é diferente do registro de PAC e Sedex, que informam cada movimentação do pacote. Explicamos por que não utilizamos mais as opções de PAC e Sedex nesta postagem.

A Editora Monstro dos Mares decidiu DESCONTINUAR os envios através de PAC e SEDEX. Entendemos que também é nosso papel lutar e defender a Universalização dos Serviços de Correspondência e combater a precarização das atividades de profissionais Carteiros. São Monas, Minas e Manos que fazem a maior correria todos os dias para que livros, zines e cultura cheguem nas mãos de mais e mais pessoas. Somando em solidariedade com a categoria e seus familiares pela garantia dos direitos desses profissionais, independentemente de posições anteriores de sindicatos e ou indivíduos.

E o que significa “objeto postado após o limite de horário da unidade”? Significa que a editora fica no finalzinho da rota de coleta! 😅
Contamos com a gentileza de nossa agência e de nosso querido carteiro, que vem buscar os pacotes aqui todas as semanas. Como ele passa por aqui no fim da tarde, nossos pacotes são registrados depois que o horário de postagem da agência já acabou. Por isso, eles começam a andar só no dia seguinte.

Qualquer dúvida sobre o andamento de seu pacote, por favor entre em contato conosco via e-mail, Telegram ou redes sociais. Temos feito o possível para estar a par da situação dos correios e nos solidarizamos integralmente com a luta de todas e todos as/os profissionais que fazem a correria do dia a dia.

Obrigada, carteiro!

Publicado em 3 comentários

Chá da tarde com abobrinha (2ª edição) 🍵

Esta semana faremos nossa segunda live! Você pode ler aqui os motivos que nos levaram a entrar nesse mundo dos vídeos ao vivo, e também saber como foi a experiência para nós. Em resumo, foi tão legal que já estamos preparando a próxima. Nossas lives estão sendo transmitidas pelo perfil da Editora no Instagram (@monstrodosmares).

Assim como para o primeiro, que você pode assistir no IGTV, colocamos uma caixa de perguntas no Stories uma vez por semana e coletamos as perguntas enviadas. Desta vez, criamos um destaque para o Chá da Tarde, para que as seguidoras pudessem rever as perguntas no decorrer do mês.

Seguem abaixo as perguntas enviadas para o segundo Chá da Tarde, que será dia 18/06 (quinta-feira) às 15h.

  • Vocês publicam livros, TCCs, etc? / Analisam originais?
  • Quantas impressoras vocês têm?
  • Tem frete grátis?
  • Por que vocês não fazem sorteios?
  • O que vocês indicam para quem quer aprender a editar?
  • Vocês não tem preocupação em mostrar o rosto em fotos e vídeos?
  • Por onde começar a ler?
  • O que acham da “banalização” do termo antifascista?
  • Quais os fundos necessários para montar uma editora?

A live deste mês contará com a presença super especial de nosso editor Baderna James. Pode ser que desta vez os gatinhos resolvam aparecer! 😉

Publicado em 3 comentários

Chá da tarde com abobrinha ☕

No dia 14 de maio fizemos nossa primeira live no Instagram. Escolhemos o horário das 15 horas por termos percebido muitos problemas de conexão à Internet em outras lives, que acabam se concentrando a partir das 18h. Nesse aspecto, foi uma boa decisão. Não tivemos problemas técnicos, e muitas pessoas puderam participar. Foi muito legal! Agradecemos a todas as pessoas que compartilharam uma hora conosco. Vocês são demais!

Quando recebemos a notícia de que a pandemia havia, enfim, chegado ao Brasil, a primeira constatação que fizemos foi a de que os eventos dos quais participaríamos em 2020 seriam cancelados. Além de ficar evidente para nós que a arrecadação de fundos para a Editora ficaria prejudicada, também ficamos muito chateadas por percebermos que não teríamos a oportunidade de conhecer pessoas novas, estabelecer contatos, reencontrar velhas amizades, trocar experiências, materiais e abraços. Participar de eventos é nossa parte preferida de tocar a Editora. Aqui onde imprimimos e montamos os livros, somos abobrinha e Baderna, dois gatos e uma criança que participa da produção sempre que possível e no que lhe é possível. Os eventos acabam sendo nossa maior forma de contato social não-virtual, e isso é parte do que nos faz felizes como pessoas.

No começo, pensamos em fazer vídeos para compartilhar partes do processo de produção e mandar notícias. O que fizemos algumas vezes, e foi muito legal. Os vídeos, entretanto, exigem bastante planejamento e trampos de edição, o que faz necessário que nos mobilizemos por muitas horas para a produção de apenas um material. Além disso, os vídeos não trouxeram tanto contato direto com as pessoas como esperávamos, apesar de terem sido uma experiência que pretendemos continuar fazendo.

Continuamos pensando em como chegar às pessoas, especialmente quando o peso do isolamento começou a ficar mais difícil de segurar. Como o perfil da Editora no Instagram costuma ser bastante movimentado, fizemos a experiência de abrir uma caixa de perguntas no Stories. Recebemos muitas perguntas legais, que nos renderam bons momentos e um contato mais direto com o pessoal que segue a Editora por lá. Prometemos fazer um vídeo respondendo as perguntas que exigiam mais conteúdo, o que acabou não rolando porque não conseguimos nos mobilizar para fazê-lo acontecer.

Então, eu, abobrinha, fui convidada a participar de uma live no Instagram que é parte de um projeto de uma querida amiga nossa junto à Casa de Cultura da cidade. Achei tão legal participar da live que fiquei com vontade de fazer isso mais vezes. Assim, surgiu a ideia de fazermos uma live no perfil da Editora, respondendo àquelas perguntas que haviam ficado sem resposta e também novas perguntas que poderiam aparecer no chat.

Essa live foi chamada de Chá da tarde (porque adoramos um chazinho), escolhemos a data e começamos a divulgar nas redes sociais da Monstro. No horário combinado, eu estava bem nervosa, pensando em como me sentiria colocando em prática essa novidade. Foi tão prazeroso que decidimos tornar o Chá da tarde um evento frequente. Por isso, aguardem! Haverão outros chás da tarde e mais conversas ao vivo.

Coletaremos as perguntas das pessoas que seguem a Monstro no Instagram através do Stories, e essas perguntas serão respondidas no próximo Chá da tarde. Então, fiquem atentas às postagens nos Stories, que a caixinha de perguntas voltará a aparecer uma vez por semana. A data da próxima live ainda não foi definida, mas será escolhida de acordo com a quantidade de perguntas que receberemos nas próximas semanas. Posso adiantar que, no mínimo, nos veremos uma vez por mês.

Com certeza não é a mesma coisa que nos abraçarmos e conversarmos na frente da banquinha, mas já é alguma coisa que nos coloca mais perto umas das outras.

Fiquem atentas às novidades que surgirão no Feed e no Stories do Instagram, nas publicações da página da Monstro no Facebook e também aqui pelo blog.

Um abraço virtual a todas as amizades, com desejos de que possamos abrir o pano e conversar em breve!

Publicado em Deixe um comentário

Reflexões: O índio no cinema brasileiro e o espelho recente

Chegamos à última semana da campanha de financiamento coletivo do livro O índio no cinema brasileiro e o espelho recente, de autoria de Juliano Gonçalves da Silva. Por isso, aproveito este momento para levantar apontamentos para além do texto, pois sabemos que, ao chegarmos à ultima página de uma obra, começamos um novo processo de produção e reflexão sobre o que o livro nos diz e como as contribuições do/a autor/a passam a fazer parte de como nós mesmas pensamos o mundo.

O que a ficção cinematográfica pode produzir, como efeito sobre a realidade, em relação a coletividades e/ou indivíduos (re)constituídos à margem dos grupos hegemônicos de nossa sociedade?

Esse questionamento deve ser central em análises de quaisquer obras que tragam às telas personagens que pretendam representar grupos socialmente marginalizados, já que a constituição do imaginário de uma cultura perpassa todas as nossas relações sociais. Em outras palavras, preconceitos produzidos e reproduzidos na ficção são partes constitutivas dos preconceitos produzidos e reproduzidos pelas pessoas no dia a dia. Ou seja: a vida e a arte são indissociáveis. É preciso trazer à tona essa ligação imanente; é preciso des-velar a tensão ficção vs. realidade continuamente para desmantelar os ciclos de citacionalidade que sustentam as hierarquias entre as pessoas e as culturas e dão justificativa ao injustificável.

É impossível e covarde, a meu ver, desconectar do hoje qualquer esforço de análise ou comentário. Por isso, penso ser relevante situar a publicação deste livro dentro do contexto que vem sendo chamado “Crise do Coronavírus” e seus desdobramentos no Brasil.

O vírus chegou aos territórios supostamente protegidos destinados à manutenção da vida e cultura indígena, e isso se deu sobretudo através da “exploração ilegal” dessas terras. Temos falado de roubo, invasão, grilagem, e também da expropriação fundante do Brasil como nação–a invasão pelos colonizadores europeus. É fato que ao evocar esses termos e fatos históricos acertamos sobre o que move a contenda atual, mas gostaria de atrelar a essas reflexões e críticas que já fazemos duas outras questões que me acometem neste momento.

A primeira é que muitos de nós só pensamos nesses fatos em momentos de inegável comoção coletiva. Há certamente coletividades, instituições e individualidades não-indígenas que fazem da luta indígena sua própria constituição. Mas nós, pessoas brancas, estamos realmente assumindo nossa participação e responsabilidade sobre o binômio indígena/não-indígena enquanto vivemos nossa própria constituição como dependente da sustentação desse binômio? Fazemos parte de uma cultura que re(a)presenta os povos indígenas como atrasados, primitivos, não-civilizados, e essa cultura é parte do que nos faz quem somos sendo brancos. Daí a importância de questionarmos e analisarmos produções culturais, e aqui particularmente a ficção, que fazem parte da criação da narrativa de nós mesmas.

A segunda questão que gostaria de trazer é sobre a impropriedade do termo “exploração ilegal”, que coloco entre aspas justamente por causa de sua fragilidade e intrínseca trapaça. Podemos, efetivamente, classificar como legais e ilegais ações baseadas em um sistema formulado por aqueles que se beneficiam dessa organização de leis em detrimento daqueles sobre os quais as leis se aplicam? Já não foi legal a expropriação das terras dos indígenas que habitam o continente desde quando da chegada dos colonizadores, e não existe a manipulação e o preterimento das leis para que essa expropriação continue hoje, talvez sobre outros nomes? Soa ingênuo para mim, por tudo isso, chamar essas ações de “exploração ilegal” e pensar que as noções de legalidade e ilegalidade já atuam como uma espécie de punição classificatória. Como se isso fosse suficiente, e como se pudéssemos esperar sentadas por algum tipo de “justiça”.

Os questionamentos que apresentei não esgotam, sem dúvida, as possibilidades críticas e de ação que podem emergir da análise da representação de personagens indígenas no cinema brasileiro. O que busco fazer com este texto é um exercício no sentido de amplificar o que podemos perguntar, incentivar a expansão de minha capacidade questionadora. Pois, ao falar sobre um livro que disserta acerca da representação de personagens indígenas, posso, além de questionar a impropriedade ou propriedade dessas representações, questionar também a (im)propriedade das leis, a ficcionalidade das narrativas que me perpassam e constituem, a conexão entre ficção e realidade. Podemos e devemos tomar como determinação pessoal questionar tudo acerca do mundo em que vivemos.

Claudia Mayer
Doutora em Estudos Literários e Culturais
Editora Geral da Editora Monstro dos Mares
Contato: [email protected]

Contribuições com a campanha de financiamento coletivo do livro O índio no cinema brasileiro e o espelho recente, de Juliano Gonçalves da Silva, podem ser feitas até o dia 11/05, às 23h59min. Estamos muito felizes com o andamento dessa campanha e muito gratas a todas as pessoas que contribuíram e que ainda contribuirão. Logo os livros começarão a ser produzidos e prevemos para o fim deste mês o início dos envios nos Correios.

Apoie o financiamento coletivo do livro “O índio no cinema brasileiro e o espelho recente” de Juliano Gonçalves da Silva no Catarse -> http://catarse.me/oindionocinemabrasileiro