Publicado em 2 comentários

Numerologia de Junho de 2020 💐💣

Está complicado olhar os números do Brasil e da pandemia de Covid-19. São mais de 60.000 pessoas que morreram devido ao vírus. Em diversas cidades do interior os números aumentaram assustadoramente e, infelizmente, em todas as notícias estão presentes a desinformação, o descaso e a omissão. Somente a imediata renúncia ou impeachment do presidente não são a solução, mas seria um bom começo.

Em Junho de 2020 aconteceram muitas coisas: chegada de novos títulos, colaborações, equipamentos. Estamos buscando formas de lidar com a pandemia e enfrentar a ansiedade, os medos e alguma frustração por não conseguir fazer tudo aquilo gostaríamos. Mas a pergunta é: quem está conseguindo lidar numa boa com tudo isso que está acontecendo? Todo dia tem uma nuvem de gafanhotos, um ciclone bomba, cobras voadoras, uma sala de espera virtual, entre outras pragas. Realmente não está sendo fácil! 🎶🕶 ️

Neste mês que passou, a Editora Monstro dos Mares completou 8 anos de atividade. Por algum tempo, tivemos cerca de um ou dois lançamentos por ano. Desde a chegada de nossa Editora Geral abobrinha, em 2017, nosso bonde editorial vem se transformando profundamente. Monas, minas e manos se somaram e hoje são 10 pessoas que fazem a seleção de materiais, traduções, revisões e outras atividades. No grupo do telegram da editora é possível acompanhar algumas dessas tarefas acontecendo, entre outras conversas bem animadas.

Na 2ª edição do “Chá da tarde”, abobrinha tirou dúvidas das pessoas que nos acompanham no Instagram sobre as questões do cotidiano da editora, próximos lançamentos e também deu uma série de dicas sobre “como montar uma editora”, que deu origem a um excelente artigo que recomendamos a todas as pessoas que desejam criar a própria publicadora de livros e zines em casa.


Espertirina Martins

Na Sexta-feira, dia 5, nossa nova impressora chegou. É uma Epson WorkForce Pro WF-C5710, que recebeu o nome de “ESPERTIRINA”, em memória e celebração da luta da jovem Espertirina Martins, que com suas mãos fez história ao enfrentar o inimigo. Inclusive o mestre GOG e o Ateneu Libertário “A Batalha da Várzea” de Porto Alegre também fazem homenagem à militante anarquista do início do século XX. A impressora é muito valente e nesse primeiro mês já demonstrou suas qualidades realizando mais de 20.000 impressões sem mostrar qualquer dificuldade ou problemas. E esperamos que continue assim por um bom tempo!


Numerologia de Junho de 2020

  • Impressões de Junho de 2020: 20.750
  • Livros impressos: 305
  • Livros distribuição gratuita: 33
  • Zines impressos: 394
  • Zines distribuição gratuita: 123

Numerologia: Hotsite com informações sobre nossos números mensais/anuais 🔮
https://monstrodosmares.com.br/numerologia

Publicado em Deixe um comentário

Chá da tarde com abobrinha (2ª edição) 🍵

Foi dia 18 de junho a segunda edição do nosso Chá da tarde. Foram realizadas algumas mudanças, e achamos que deu muito certo. Melhoramos a iluminação, o posicionamento da câmera e a captura de som, além da linda ficha para pauta em papel cor-de-rosa metálico (inspirada, talvez, na Penélope do Castelo Rá-Tim-Bum 😁).

Você pode assistir à 2ª edição do Chá da tarde no IGTV e no YouTube.

Como explicamos neste post, decidimos usar o recurso dos vídeos ao vivo para entrar em contato mais próximo com as pessoas que nos acompanham on-line. A experiência tem sido muito legal para nós e já estamos pensando em mais maneiras de compartilhar as atividades da editora, falar sobre técnicas e sobre outros assuntos que estão no nosso dia a dia.

Agradecemos a todas as pessoas que puderam estar com a gente ao vivo, e também àquelas que estão nos acompanhando em outros momentos. Na próxima semana será aberta novamente a caixinha de perguntas no Stories do perfil da Monstro no Instagram e você poderá nos enviar suas perguntas. A caixinha vai aparecer uma vez por semana.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um comentário

Rede de Apoio: Junho de 2020

Rede de Apoio

A Rede de Apoio é uma iniciativa importante para manter qualquer iniciativa seguindo em frente. Bandos, bandas, coletivos, bibliotecas comunitárias, movimentos sociais entre outras coletividades dependem da mobilização e participação de pessoas. Existem várias formas de colaborar e fortalecer uma iniciativa que você considera importante: fazer recomendações para as amizades, compartilhar conteúdos, contribuir com ideias, somar-se a atividades presenciais e remotas, participar de cursos e oficinas, contribuir financeiramente, entrando com doações, divulgando vaquinhas e financiamento coletivos, distribuindo livros e zines na sua região, etc.

Algumas coletividades ainda não possuem formas de apoio recorrente e talvez esse seja um momento importante para você ajudar contribuindo para mobilizar pessoas e fazer um financiamento recorrente para fortalecer uma causa, um grupo ou uma atividade. Ofereça ajuda! Muitas pessoas têm restrições para falar sobre as dificuldades de recursos para seus coletivos e não se sentem confortáveis em pedir.

As pessoas que compõem a Rede de Apoio do coletivo dão aquela força importante para que a atuação, mobilização e transformação continuem acontecendo. Depois de 8 anos fazendo livros e zines de forma absolutamente artesanal, com o objetivo de fazer com que os livros cheguem na mão de mais e mais pessoas, nós da Editora Monstro do Mares decidimos que nossa jornada requer mais fôlego para sobreviver, seguir existindo e se envolver em novas publicações com mais profundidade. Por isso queremos agradecer as pessoas que nos ajudam todos os meses no Catarse ou no PicPay Assinaturas. Obrigado mesmo!

Rede de apoio: agradecimentos de Junho de 2020

  • Mayumi Horibe
  • Hugo Leonardo dos Santos Tavares
  • Lua Clara Jacira
  • Lucas Piteco
  • Leonardo Feltrin Foletto
  • Viviane Kelly Silva
  • Ricardo Mayer
  • Fernando Silva e Silva
  • Willian Aust
  • José Vandério Cirqueira
  • Mauricio Marin Eidelman
  • Adriano Gatti Mesquita Cavalcanti
  • Andressa França Arellano
  • Anna Karina
  • Karine Tressler
  • Andrei Cerentini
  • José Antônio de Castro Cavalcanti
  • Eduardo Salazar Miranda da Conceição Mattos
  • Contribuições anônimas

Faça parte de nossa Rede de Apoio no Catarse ou Picpay Assinaturas e ajude a manter nosso bonde editorial em atividade. 📗📕📙📚

Publicado em Deixe um comentário

Quer montar uma editora? 🖨️

Na mais recente edição do Chá da tarde (que você pode assistir no IGTV ou no YouTube), nós respondemos a uma pergunta que aparece frequentemente por aqui: Como montar uma editora?

A Editora Monstro dos Mares apoia e incentiva a proliferação de novas iniciativas editoriais, e uma das decisões que tomamos para 2020 foi a de compartilhar nossas experiências com esse tipo de projeto cada vez mais. A primeira sugestão que fazemos é a leitura do texto “Para publicar – a necessidade de tinta no papel nas publicações anarquistas da atualidade“, por Aragorn!.

O processo de colocar tinta no papel e entregá-los para pessoas que estão interessadas contém um espectro completo de experiências sobre como realmente podemos fazer alguma coisa. Como transformar boas ideias (e mesmo as meia-boca) em sucessos ou fracassos. No papel essas ideias tem um valor próprio, mais do que elogios, críticas e enganos, o resultado é jogar mais ideias para o mundo. O processo de transferir palavras impressas de lá pra cá, de você pra mim, é também a conexão primária que faz existir uma editora para dezenas, centenas ou milhares de pessoas que serão escribas do futuro, feitiçeirxs da anarquia, companheirxs que podem fazer as coisas acontecerem e as melhores amizades que você nunca vai ter.

Aragorn!

Se você, como a gente, sente-se tocada por essas palavras e esse sentimento de conexão com a viagem da tinta no papel, montar uma editora certamente será uma experiência fantástica. Nem tudo será fácil, isso é um fato, mas encontrar soluções, compartilhar experiências, buscar alternativas e entrar em contato com as pessoas sempre traz muita satisfação.

Compartilhamos abaixo algumas reflexões sobre “por onde começar”, baseadas na nossa experiência com a Monstro e com o que aprendemos com outros projetos semelhantes (e diferentes também).

Compartilhe e discuta com seu grupo as seguintes perguntas:

O que você vai publicar?

Materiais com poucas páginas, livros mais grossos? Isso vai ajudar você a descobrir quais ferramentas você vai precisar usar no dia a dia. É legal começar pelo que você já tem disponível para usar, ao invés de começar pensando no que você precisa conseguir. Assim, você mantém a realização da atividade mais perto de você e se motiva a prosseguir. Muitas vezes, conseguir ferramentas é muito mais fácil do que imaginamos. Lembre-se: ferramentas são coisas que você usa. Então, mesmo que você não tenha uma ferramenta própria, pode ser que você consiga coisas emprestadas e doações. Uma tampa de fogão velha ou um pedaço de vidro grosso sem uso no porão de alguém podem ser uma mão na roda pra quem vai refilar no estilete. Use a imaginação, pesquise técnicas e faça adaptações – mas lembre-se de que a sua segurança tem que ficar em primeiro lugar.

Qual o contexto em que seu projeto está inserido?

Sua editora vai fortalecer um movimento que já existe, somar-se a alguma causa, distribuir material gratuito? Assim como o conhecimento, que só existe em contexto, uma editora não é um fim em si mesmo. Ela faz parte de um projeto e precisa fazer sentido dentro de uma comunidade. A Monstro, por exemplo, vende livros para poder distribuir materiais gratuitamente e fortalecer bibliotecas comunitárias, coletivos e pesquisadoras independentes. Em 2019, foram 665 livros e 1.399 zines distribuídos sem nenhum custo.

Quanto tempo você irá dedicar ao projeto?

Saber disso vai te ajudar a escolher os materiais, decidir sobre técnicas, planejar a compra de insumos e a distribuição do material finalizado, e também a organizar o espaço do qual você dispõe. Por exemplo, se você vai dedicar os finais de semana para sua editora, talvez dê para colocar uma mesa no quintal e tocar a montagem do que foi impresso no fim de semana anterior (e ficou guardado em uma caixa debaixo da sua cama).

Que técnicas você irá utilizar?

Se você vai publicar zines, por exemplo, um grampeador comum, uma régua de metal (ou uma barra de metal mesmo), uma caixa de grampo e um estilete são suficientes para criar materiais muito legais. Como está o preço da fotocópia na sua cidade? Uma impressora de cartucho esquecida pode voltar à vida, e é possível aprender a recarregar um cartucho em casa (procure no YouTube!). Vai imprimir apenas em preto ou pensa em usar cores? Quer utilizar papel colorido nas capas ou vai fazer as artes em preto e branco (que podem ficar muito bonitas!)? Uma dica: costurar zines na máquina de costura dá um resultado muito legal, e existem várias técnicas de costura manual lindíssimas para aprender (no YouTube também!). Tendo uma noção dessas técnicas, você vai poder começar a fazer um levantamento dos materiais que você vai precisar e pesquisar preços no comércio da sua cidade ou pela internet.

Como será a distribuição?

Essa pergunta vai ajudar você a pensar na quantidade de material que você vai imprimir e distribuir, e também vai dar uma noção melhor da quantidade dos materiais que você vai precisar e a grana que você vai precisar para comprá-los. Se você vai distribuir em uma banquinha, por exemplo, lembre-se de que papel é uma coisa muito pesada e pode ser que você precise caminhar carregando caixa de zines, mochila, uma garrafa d’água, um pano para abrir no chão. Se você vai distribuir pelos correios, vai precisar de envelopes, fita, papel para embalar, etc.

Qual o espaço de que você dispõe?

Uma mesa que aguente o tranco e um computador são essenciais. Tem espaço para ter uma mesa só para a guilhotina ou base para cortar com estilete, ou vai alternar a mesa entre separação, montagem e corte? Onde você vai guardar os materiais impressos? Quanto mais material impresso, mais a questão do espaço para guardá-los se torna importante.


A Monstro nunca teve um caixa cheio e vistoso, e provavelmente nunca terá. Quando começou, não tinha impressora própria e as ferramentas utilizadas na montagem eram coisas que as pessoas já tinham em casa. Hoje a editora tem quatro impressoras, mas foram oito anos de atividade e muita colaboração para chegar nelas. Ainda temos muito para caminhar e chegar onde sonhamos: continuar realizando todo o processo artesanalmente, aumentar o volume de impressões para chegar a cada vez mais pessoas, e fazer tudo isso com uma infraestrutura mais amigável.

Posso dizer que o que nos move é a curiosidade, a pesquisa, a colaboração, e a prática. Por isso, não temos como responder com um valor fechado, e não queremos fazer isso! A Monstro não é um “negócio” no sentido mais usual da palavra; quer dizer, não é algo que depende de um investimento inicial que precisa ser coberto em um espaço de tempo determinado para que comece a gerar “frutos” – ou seja, valores financeiros. Um número não pode ser impedimento para você realizar aquilo que gosta. Por isso, observe o que está a seu redor e descubra o que você pode começar a fazer a partir do que está à mão. À medida que outras necessidades forem surgindo, busque suas próprias soluções para elas, fale com outras pessoas, pesquise. Não há roteiros nem caminhos definidos, existe a trajetória do que é possível ir fazendo à medida que você faz. Busque inspiração em outros projetos, crie suas respostas e faça livros!

Links que podem ser úteis:

Monte sua Banquinha – Facção Fictícia
Como dobrar zines
Macetes: posição dos grampos

Vídeos no Instagram da Monstro dos Mares

Refilando capa no bisturi
Colando livros de lombada quadrada
Usando a guilhotina de zines
Prensa de zines

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um comentário

[Áudio] Entrevista com Juliano Gonçalves da Silva na FM Cultura sobre o lançamento do livro “O índio no cinema brasileiro e o espelho recente”

O pesquisador Juliano Gonçalves da Silva participou do programa Cultura na Mesa, da FM Cultura 107.7 de Porto Alegre. Na entrevista, o autor falou sobre sua experiência com comunidades indígenas na adolescência, o processo de pesquisa para o desenvolvimento da dissertação de mestrado que deu origem ao livro “O índio no cinema brasileiro e o espelho recente” e sobre a representação de povos indígenas e ameríndios no cinema brasileiro e sul-americano.

Confira a entrevista:

Publicado em Deixe um comentário

[Podcast] Bate-papo com Daniel Santos da Silva sobre o lançamento de “Sem lamentações: filosofia, anarquismo e outros ensaios”

No dia 12 deste mês tivemos o prazer de gravar um bate-papo com nosso amigo e companheiro de luta Daniel Santos da Silva, autor do livro Sem lamentações: filosofia, anarquismo e outros ensaios.

Atualmente, Daniel é professor de Filosofia na Universidade Estadual do Paraná, campus União da Vitória. Mestre pela Universidade Estadual do Ceará, Doutor e Pós-Doutor pela Universidade de São Paulo, Daniel constrói ricos entrelaces entre suas vivências teóricas dentro da academia e suas experiências fora dela, que o levaram de Brasília a Fortaleza, a São Paulo e ao interior paranaense, além dos muitos outros lugares que fizeram parte de sua trajetória.

Em Sem lamentações encontram-se textos escritos durante um período de dez anos e, como o autor mesmo confirmou em nossa conversa, é possível à leitura atenta perceber os matizes das transformações que foram acontecendo através do passar do tempo.

Ficamos muito felizes por transferir parte da vida e do trabalho do Daniel à folha impressa, e também por termos tido a oportunidade de conversar mais sobre tudo isso com o amigo querido.

Este episódio está disponível em:

Spotify, Breaker, Google Podcasts, Overcast, Pocket Casts, Radio Public, Anchor, RSS.

O livro está disponível para download gratuito ao final desta página.


Publicado em Deixe um comentário

E aí, cadê o meu pacote? 📮

Quando chegam meus livros? Por que meu pacote continua parado? O que quer dizer “objeto postado após o horário limite da unidade”? Essas são algumas das perguntas que temos recebido ultimamente. Por isso, vamos explicar neste post algumas das situações que vêm ocorrendo nas nossas entregas via correios, e também sobre o tipo de registro que utilizamos – Impresso com Registro Módico.

Nós falamos aqui no nosso blog sobre as medidas de contenção da disseminação do coronavírus adotadas pelos correios. Você pode ler essa postagem aqui e dar uma olhada na página oficial dos correios com todas as informações.

Isso quer dizer que talvez sua encomenda demore mais a chegar em comparação com os prazos de costume. Temos recebido, porém, notícias de que nossos pacotes estão sim chegando. Alguns dentro do prazo com o qual já estamos acostumados, outros em prazos maiores, pois os prazos de entrega foram ampliados pelos correios . Há pacotes que estão demorando mais sim, especialmente naquelas regiões que estão em alerta de risco de contágio mais elevado.

Por isso, fiquem de olho no código de rastreio, que é enviado por email assim que os pacotes são registrados no sistema dos correios. Também pedimos que fiquem atualizadas em relação à classificação de risco da região onde moram, pois essas situações (infelizmente) mudam rápido e não temos como saber como está sendo em cada cidade.

Você pode verificar o status do seu pacote pelo sistema de rastreamento no próprio site dos correios ou pelo seu serviço de rastreio preferido (nós utilizamos o Muambator).

Isso nos leva à segunda pergunta: por que meu pacote continua parado?

Nós utilizamos o serviço de envio de Impressos com Registro Módico, destinado ao envio de “Livros de maneira geral, postados por qualquer pessoa física ou jurídica, e Material Didático em geral postado por Escola de Ensino por correspondência e destinados a seus alunos), de acordo com o site dos correios.

Nessa modalidade de registro, o status da movimentação do objeto é informado à usuária duas vezes: quando o objeto é cadastrado no sistema dos correios ao chegar à agência e quando o objeto sai para entrega à destinatária. Após a entrega, o status é modificado para “Entrega efetuada” ou, caso ocorra algum problema, é sinalizada a devolução ao remetente.

O serviço de Registro Módico é diferente do registro de PAC e Sedex, que informam cada movimentação do pacote. Explicamos por que não utilizamos mais as opções de PAC e Sedex nesta postagem.

A Editora Monstro dos Mares decidiu DESCONTINUAR os envios através de PAC e SEDEX. Entendemos que também é nosso papel lutar e defender a Universalização dos Serviços de Correspondência e combater a precarização das atividades de profissionais Carteiros. São Monas, Minas e Manos que fazem a maior correria todos os dias para que livros, zines e cultura cheguem nas mãos de mais e mais pessoas. Somando em solidariedade com a categoria e seus familiares pela garantia dos direitos desses profissionais, independentemente de posições anteriores de sindicatos e ou indivíduos.

E o que significa “objeto postado após o limite de horário da unidade”? Significa que a editora fica no finalzinho da rota de coleta! 😅
Contamos com a gentileza de nossa agência e de nosso querido carteiro, que vem buscar os pacotes aqui todas as semanas. Como ele passa por aqui no fim da tarde, nossos pacotes são registrados depois que o horário de postagem da agência já acabou. Por isso, eles começam a andar só no dia seguinte.

Qualquer dúvida sobre o andamento de seu pacote, por favor entre em contato conosco via e-mail, Telegram ou redes sociais. Temos feito o possível para estar a par da situação dos correios e nos solidarizamos integralmente com a luta de todas e todos as/os profissionais que fazem a correria do dia a dia.

Obrigada, carteiro!

Publicado em 1 comentário

Ocupa GP Aurora: uma ocupação em quadrinhos

Hoje, dia 15/06, Jonas Josè de Albuquerque Barros, estudante e dirigente do Grêmio estudantil do Ginásio Pernambucano, assassinado no dia 1º de abril de 1964 pelo exército brasileiro, completaria 74 anos. A preservação da sua memória é fundamental para a organização e luta dos e das estudantes neste momento, em que o autoritarismo militarista nos ameaça com palavras e ações que seguem a experiência do fascismo histórico.

Por isso, o Grupo de Ação e Pesquisa das Ocupações Escolares (GAPOE) decidiu realizar nesta data importante o lançamento deste registro histórico inédito, produzido por estudantes e apoiadora(e)s que participaram da ocupação do Ginásio Pernambucano Aurora, ocorrida em 2016, no contexto da luta contra a aprovação da PEC do Teto dos Gastos e do sucateamento geral da educação pública.

O material trata dos acontecimentos de 2016, que levaram a uma onda de ocupações escolares e universitárias em várias cidades do país. São revelados detalhes da preparação da ocupação, bem como os princípios e práticas políticas presentes durante sua breve, mas importante existência. O zine destaca a luta das mulheres contra a opressão de gênero dentro da ocupação, na conquista da igualdade e rotatividade das tarefas. Por fim, é feita uma breve análise da situação política, que apesar de desatualizada em relação a atual pandemia, se mantêm importante em muitos aspectos. O zine termina com um chamado à organização estudantil e popular, baseada nos princípios e práticas vivenciadas na ocupação.

Informações via @ocupagpaurora no Instagram

Publicado em 3 comentários

Chá da tarde com abobrinha (2ª edição) 🍵

Esta semana faremos nossa segunda live! Você pode ler aqui os motivos que nos levaram a entrar nesse mundo dos vídeos ao vivo, e também saber como foi a experiência para nós. Em resumo, foi tão legal que já estamos preparando a próxima. Nossas lives estão sendo transmitidas pelo perfil da Editora no Instagram (@monstrodosmares).

Assim como para o primeiro, que você pode assistir no IGTV, colocamos uma caixa de perguntas no Stories uma vez por semana e coletamos as perguntas enviadas. Desta vez, criamos um destaque para o Chá da Tarde, para que as seguidoras pudessem rever as perguntas no decorrer do mês.

Seguem abaixo as perguntas enviadas para o segundo Chá da Tarde, que será dia 18/06 (quinta-feira) às 15h.

  • Vocês publicam livros, TCCs, etc? / Analisam originais?
  • Quantas impressoras vocês têm?
  • Tem frete grátis?
  • Por que vocês não fazem sorteios?
  • O que vocês indicam para quem quer aprender a editar?
  • Vocês não tem preocupação em mostrar o rosto em fotos e vídeos?
  • Por onde começar a ler?
  • O que acham da “banalização” do termo antifascista?
  • Quais os fundos necessários para montar uma editora?

A live deste mês contará com a presença super especial de nosso editor Baderna James. Pode ser que desta vez os gatinhos resolvam aparecer! 😉

Publicado em Deixe um comentário

[Áudio] 11 de Junho – Solidariedade com todas as presas anarquistas

Salve companheiras de todas as partes do mundo, aqui falamos da Editora Monstro dos Mares desde o Brasil. As citações do áudio a seguir são do livro “Cartas de Madri e outros escritos de presos anarquistas”, publicado pela Monstro dos Mares. O que trazemos nesta publicação e neste áudio, graças à imensa colaboração da Cruz Negra Anarquista de Almada/Portugal, é uma de nossas ações para rememorarmos que hoje é dia 11 de junho, Dia Internacional de Solidariedade com Marius Mason e Prisioneirxs Anarquistas. Lembrarmos deste dia no calendário é uma maneira de lembrarmos de todas as anarquistas que cumprem penas de prisão em todos os territórios ocupados pelos Estados do mundo.

Este dia é de gerar apoios, inspirar ações de solidariedade para combater o esquecimento e sustentar a memória das lutas anarquistas. Neste momento de pandemia e insurreições mundiais, nossas respostas devem caminhar junto às memórias e ao apoio às anarquistas presas. Inspirem-se em nossas companheiras presas e invoquem suas contribuições e lembranças. Existem muitas maneiras de apoiarmos; procure uma a seu alcance e gere ações em solidariedade com todas as anarquistas sequestradas nos centros de extermínio dos Estados.

Ao trazermos neste áudio um pouco das palavras de presas anarquistas, lançamo-nos no esforço de somar em solidariedade com as pessoas que, mesmo diante da antítese da liberdade, decidem combater para que tenham fim massacres como do Carandiru, Candelária, Carajás, Brumadinho, Mariana, Copa do Mundo, Olimpíadas, Belo Monte, Genocídio do Povo Negro, Genocídio das Nações Indígenas, desamparo, maus tratos e sequestros de Imigrantes e do genocídio assistido da população brasileira vulnerável diante da pandemia do Covid-19!

Todo presx é político.
Não existe ser humano ilegal.
Por um abolicionismo penal possível e urgente!
Viva o dia 11 de Junho!
Abaixo os muros das prisões!

Forte abraço.
Livros e Anarquia.