Publicado em 4 comentários

Dia do Carteiro: trabalhadores da cultura

dia do carteiro

Neste Dia do Carteiro monas, minas e manos que exercem essa profissão recebem uma entrega especial: Nosso muito obrigado!

25 de Janeiro é o Dia do Carteiro, da Carteira, Atendentes, Operadores de Triagem e Transbordo (OTT’s), motoristas e todas/todos quase 60.000 trabalhadores postais que fazem os 358 anos de história dos Correios. Aqui na Monstro dos Mares, dificilmente conseguiríamos fazer e distribuir livros sem esses profissionais da calça azul e da camisa amarela que levam nossos pacotes pra lá e pra cá. Sabemos que tão importante quanto quem escreve, imprime e compra, também são as pessoas que fazem a entrega da cultura de inspiração anárquica que produzimos para todo o país. Essa categoria é parte do cotidiano da nossa atividade e, por isso, reconhecemos e apoiamos suas lutas nesses quase 9 anos de editora. Em muitas cidades, são os carteiros e carteiras que farão a operação logística da vacina. São trabalhadoras e trabalhadores que estão abrindo mão da própria segurança e se expondo ao vírus (a familiares e corresidentes também) desde o início da pandemia para levar livros à casa das pessoas, bibliotecas comunitárias, espaços sociais e aos que fortalecem nossa Rede de Apoio. Mais uma vez, nosso agradecimento.

Um pouco de história

Conforme o livro Correio – laço universal entre os homens1, o documento postal mais antigo de que se tem notícia é um papiro encontrado em El Hiba, no Egito, datado de 255 AEC2. Esse documento contém muitas informações sobre como era organizado o serviço egípcio de mensageiros. No escrito – um relato em primeira pessoa – há detalhes sobre o encaminhamento da correspondência, o número de mensageiros em serviço, os tipos de objetos enviados e informações sobre os destinatários.

Já no Brasil, em Maio de 1500, a primeira carta enviada foi a que o escrivão de armada Pero Vaz de Caminha escreveu ao rei de Portugal, relatando a exuberância da descoberta, terra que, “em se plantando, tudo dá”.3 Mas foi em 25 de janeiro 1663 que o primeiro serviço regular de correios foi implantado. Com a oficialização do Serviço Postal, o objetivo era possibilitar, através do serviço de escravos, tropeiros e mançoeiros, a comunicação entre Portugal e a Colônia. Com isso, o dia 25 de Janeiro torna-se o Dia do Carteiro.

Nos Estados Unidos, o Mailman Day é comemorado no dia 4 de Fevereiro. Mas pode ser no dia 1º de Julho também, uma vez que em Fevereiro é o Dia do Carteiro e em Julho é o Dia Nacional dos Trabalhadores Postais. Já a União Postal Universal (UPU), que é tipo a ONU dos Correios, declara que o Dia Mundial dos Serviços Postais é 9 de Outubro, data da sua fundação em 1874. Conforme o site da entidade, o Brasil é signatário da UPU.

Carteiros famosos

Quase todo mundo lembra com carinho de algum carteiro ou carteira que conheceu, tipo o Senhor Wilson do desenho animado “Denis, o Pimentinha”. O Sr. Wilson era um carteiro aposentado. E também tem aqueles aliens do “MIB” (você lembra disso?), o Herman, do “Garfield”, o Mimi, da novela “Passione” (que era apaixonado pela Agostina), aquele outro carteiro que apanhou na “Selva de Pedra”, o Silvio da “Éramos Seis”… Bem, a lista de personagens ficcionais que trabalham nos correios é imensa!

Na América do Norte, um dos carteiros mais famosos é o Mr. Zip, um personagem que foi criado pelo Serviço Postal dos Estados Unidos (USPS) nos anos 60 do século passado para a campanha de lançamento do sistema de CEP’s dos gringos, conhecido como ZIP CODE. Aqui no Brasil, o carteiro mais famoso de qualquer vila é Jaime Garabito (Jaiminho, o Carteiro), personagem do eterno programa “Chaves”.

Quem gosta de literatura logo vai lembrar do Carteiro e o Poeta do Neruda. Mas há muito mais carteiros e carteiras na literatura; são tantos que existe um gênero literário que depende inteiramente do trabalho desses profissionais: o romance epistolar. As Ligações Perigosas, de Pierre Choderlos de Laclos, Dracula, de Bram Stoker, A Cor Púrpura, de Alice Walker: todas essas histórias e muitas outras são contadas através de cartas – que alguém levou da/o remetente a seu destino.

Existem também muitos filmes sobre trocas de cartas nos quais o carteiro quase nem aparece. Esse é o caso de “Diário de uma Paixão”, “Brilho de uma Paixão”, “Querido Jhon”, “P. S. Eu Te Amo”, “A Carta Anônima”, “A Loja da Esquina” (esse até que até é bem bonitinho!), mas é tanto filme ruim que não merecem nem uma lista no Buzzfeed.

Jaiminho, o carteiro.

Carteiros estranhos

Você sabia que Charles Bukowski trabalhou nos correios por mais de uma década? Ele foi carteiro temporário, carteiro auxiliar e executou outras tantas atividades no USPS entre um porre e outro. Em seu primeiro romance, Post Office, traduzido no Brasil como “Cartas na rua”, desde a primeira página já destila sua verve e forma de escrever. Na dedicatória ele sentencia: Esta é uma obra de ficção, dedicada a ninguém.

No livro, Henry Chinaski, o personagem autobiográfico criado pelo velho e controverso Buk relata sua rotina tediosa, o trabalho burocrático nos correios e faz ácidas críticas ao estilo de vida dos estadunidenses da época. Ele afirma que candidatar-se a uma vaga nos correios não foi uma boa ideia – Tudo começou como um erro – e em sua escrita enfumaçada e espontânea vai dando as cartas da degradação humana através do trabalho. Seu hedonismo cru e cruel entorpece fãs até hoje.4

Todas as rotas tinham armadilhas e apenas os carteiros regulares5 as conheciam. Todo dia era a mesma merda, e você precisava estar preparado para um estupro, um assassinato, cães ou algum tipo de insanidade. Os regulares não revelavam seus segredinhos. Era a única vantagem que tinham – saberem seus itinerários de cor. Era de matar para um novato, principalmente para um que bebia a noite inteira, ia para a cama às duas, levantava às quatro e meia, depois de trepar e cantar a noite toda, e quase conseguir sair ileso de tudo isso.

BUKOWSKI, Charles. Cartas na rua. Porto Alegre: L&PM, 2018.

Assim como em Bukowski, a existência humana aprisionada pelas burocracias institucionais caracterizaram a obra de Franz Kafka. Kafka foi um dos mais importantes autores da literatura do século XX e soube como poucos expressar as inquietações e angústias humanas. Apesar de toda a estranheza e uma certa amargura na sua obra, há um momento belo e sublime digno de nota. Um ano antes da sua morte, o escritor passava pelo parque Steglitz em Berlim e precisou inventar uma história para uma menina que havia perdido sua boneca. Buscando acalmar a criança, ele contou que era um carteiro de bonecas e que a boneca não estava perdida, mas que tinha ido viajar e no dia seguinte ele traria uma carta contando as peripécias da boneca pelo mundo. Conforme Klaus Wagenbach6 , o biógrafo de Kafka, esses encontros duraram três semanas, mas as histórias nunca foram publicadas porque até hoje não se sabe nenhuma pista da menina Elsi ou dos originais das cartas.


25 de Janeiro dia do carteiro
Vídeo muito bem produzido em homenagem aos 357 anos dos Correios. Fonte: EBCT

Obrigado Carteiro!

Não existe arte e cultura sem a sua fruição. Não haverá literatura sem leitores e provavelmente não há de haver livros sem o Carteiro. É pelas mãos de profissionais dos Correios que os livros adquirem seu sentido e significado. Só pode haver livro se houver a multiplicação da palavra escrita, se ela puder circular abundante e disponível. Este é o livro que queremos: acessível para todas as pessoas que desejam entrar em contato com outros mundos possíveis e impossíveis. A Monstro dos Mares faz livros e zines para pessoas que buscam esse encontro de ideias, linhas, parágrafos e capítulos, uma epistemologia para chamar de sua. Ao se reconhecer entre as palavras de vida e as práticas luta, as monas, minas e manos de todas as quebradas e recantos podem sentir que há um senso de pertencimento ao compartilhar com suas amizades uma visão de mundo através dos livros. Que há algo de belo, permanente e importante ao fazer multiplicar essas ideias neste nosso tempo.

Em função da pandemia, de estarmos numa cidade do interior e de não participar de feiras e eventos enquanto não houver imunização em massa, foi através do envio de IMPRESSO com REGISTRO MÓDICO que em 2020 a Monstro dos Mares distribuiu gratuitamente 821 livros e 1.211 zines. Isso seria bem mais difícil sem alguém para fazer essa distribuição. As trabalhadoras e trabalhadores dos Correios, cerca de 60.000 Carteiros, Carteiras, Atendentes, OTT’s, motoristas e outros profissionais: são essas amizades importantes que fazem com que o poder transformador da cultura possa chegar em mais e mais pessoas nos mais de 5.500 municípios do país. Nosso carinho e nosso agradecimento nesse dia.

Obrigado Carteiro no seu e-mail

fretes

A newsletter Obrigado Carteiro! é uma pequena homenagem ao Carteiro, Carteira, Atendentes, OTT’s, monas, minas e manos que fazem a correria todos os dias. Faça chuva ou sol, profissionais dos Correios estão sempre nas ruas para entregar correspondências e encomendas nas mais de 5.500 cidades do Brasil. Só é possível levar a cultura e o conhecimento do livro impresso através do trabalho dessa categoria que move o país. Valeu!
Privatização é coisa de ladrão!

Processando…
Sucesso! Você está na lista.


  1. A Universal Link Among Men (Lausanne : VIE, ART, CITE, 1974) citado em ADDISON, Luciana Maria Figueiredo. A importância dos Valores organizacionais subjacentes no processo decisório dos Correios. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro: FVG, 2002. []
  2. Utilizamos Antes da Era Comum (AEC) e Era Comum (EC) conforme The Chicago Manual of Style Online or Scientific Style and Format []
  3. Carta de Pedro Vaz de Caminha sobre o descobrimento da Terra nova que fez Pedro Álvares. Feita na Ilha de Vera Cruz em o 1.º de Maio de 1500. Disponível o fac-símile na Biblioteca Nacional de Portugal e transcrição na Biblioteca Nacional, situada no Rio de Janeiro. []
  4. Nota de Baderna James: Logo depois da adolescência eu cancelei esse autor. Mas “Cartas na rua” e “O pássaro azul” ainda permanecem aqui dentro de mim em algum lugar. []
  5. Nota de Baderna James: no Brasil são chamados de carteiros titulares, não de regulares. []
  6. WAGENBACH, Klaus. Franz Kafka. Francke, 1958. []
Publicado em Deixe um comentário

A necessidade urgente de descolonizar a pesquisa social latino-americana (Entrevista com Silvia Cusicanqui)

Cuestiones de Sociología1 reuniu quatro intelectuais e acadêmicas latino-americanos para responder a questões sobre o âmbito da dependência intelectual e os dilemas que a teoria social latino-americana enfrenta. Silvia Rivera Cusicanqui da Bolívia; Jose Mauricio Domingues do Brasil; Arturo Escobar da Colômbia e Enrique Leff do México. Publicamos aqui a entrevista com Silvia.

Maristella: Muitos autores têm insistido que uma das características fundamentais da teoria social latino-americana é a sua dependência intelectual ou epistêmica dos conceitos e quadros teóricos desenvolvidos nos países centrais. Alguns deram um estatuto teórico a esta dependência através do conceito de “colonialidade do conhecimento” (Quijano, Lander). Como encara este problema? O que significa, então, pensar nas ciências sociais da América Latina no século XXI, no quadro da modernidade avançada e do atual sistema de dominação? Existe uma perspectiva latino-americana para pensar os problemas atuais a partir de uma perspectiva da teoria social?

Silvia: Essa formulação não é nada nova, e se por “estatuto teórico” se refere à instalação desta ideia nos centros acadêmicos hegemônicos, poderia te dizer que se trata de uma academia muito sem memória. Em vários territórios da América Latina, e também nos Andes bolivianos, a crítica à colonização mental das elites tem uma longa história. No nosso caso, com Rossana Barragán tentamos uma síntese desta genealogia no livro que publicamos em La Paz sobre os estudos da subalternidade na Índia.2 Na apresentação do texto entrelaçamos a nossa leitura do grupo Estudos Subalternos com uma reflexão sobre as contribuições da historiografia social argentina, a etno-história e antropologia peruanas, e a contribuição vital mexicana e africana (1997) para a produção social e historiográfica boliviana dos anos 80 e 90.

Recentemente, tracei esta genealogia própria até o início do período colonial na obra do escritor Chinchaysuyu Waman Puma (Rivera, 2015). Creio que o seu trabalho, através da montagem da imagem-texto, é um ensaio visual teórico. Em outras palavras, Waman Puma compõe uma sintaxe para expor a sua teoria de domínio colonial, tanto como uma descrição etnograficamente densa como uma crítica teórica irrefutável da ilegitimidade desse sistema e das suas falácias.

Gostaria de apresentar brevemente um exemplo que pertence ao horizonte liberal do colonialismo (1870–1920). Um livro de Franz Tamayo (1879–1956) aborda de forma autocrítica a mestiçagem boliviana como uma síndrome de cruzamento psicológico, que ele chama bovarysmo, fazendo alusão ao romance de Flaubert, Madame Bovary. Esta noção me servirá de metáfora para compreender o bloqueio que nos impede de sermos memoráveis com a nossa própria herança intelectual, uma vez que é paradoxal e lamentável que tenhamos de legitimar as nossas próprias ideias recorrendo a autores que tornaram os assuntos do colonialismo em moda, ignorando ou menosprezando obras teóricas anteriores, que, embora não utilizassem as mesmas palavras, interpretaram e questionaram a experiência do colonialismo intelectual com profundidade e precisão. Em Creación de la pedagogía nacional3 , a autora chamou de bovarystas aos “intelectuais de gabinete” que trouxeram programas educacionais franceses para instalar e imitar no país uma pedagogia elitista e moderna apenas na aparência. Do seu lugar de poeta de prestígio (embora obscuro e mal compreendido), o seu rigor argumentativo e o seu gesto controverso provocaram um questionamento radical das práticas e estilos de ser daquela intelligentsia crioula4 que o rodeava, admirava e desprezava.

Ao contrário do que acontece hoje, quando tudo é escrito e falado, e os círculos hegemônicos dos alfabetizados criam satrapias5 políticas (o parlamento, o poder judicial) ou espetáculos midiáticos para nos enganar; no tempo de Franz Tamayo o foco era uma cultura oral gestual que se traduzia em códigos corporais não ditos mas socialmente inteligíveis: códigos de comunicação que também estruturaram hierarquias e desprezos dissimulados. Tamayo não contesta o que os seus contemporâneos escreveram: considerou-o uma aglomeração vulgar de citações de autores europeus, nem sequer foram bem traduzidas. Mas não foi por ter rejeitado a herança da Europa – a sua poesia em formato grego é testemunho disso – mas por ter reivindicado a um gesto mais autônomo e inteligente em relação a ela; como faria Veena Das6 um século mais tarde. Tamayo foi também inspirado por Nietzsche e pelo vitalismo alemão do seu tempo, bem como por uma vasta biblioteca filosófica e literária francesa, o que de forma alguma prejudica a sua abordagem das realidades multiétnicas (como diríamos hoje) do seu ambiente. Foi o seu gesto corporal e o seu olhar, assim como o seu conhecimento reflexivo do Aymara, que o diferenciou dos seus contemporâneos.

O que Tamayo rejeita não são as ideias e princípios básicos da episteme europeia, mas a forma como são adotados em países como o nosso: no boca a boca, de uma forma submissa e reverencial. A sua análise, pelo contrário, baseia-se no escrutínio da alma do mestiço que realmente existe no seu espaço/tempo, como um ser esquizofrênico, dividido e bipolar, incapaz de criar uma nação própria ou de habitar um território próprio. Este diagnóstico é vital em Tamayo e lança as bases para fazer do double bind7 mestiço um poder criativo, em vez de aprofundar o binarismo e com ele a disjunção colonial que nos impede de sermos nós próprios.

A genealogia que estou tentando traçar do colonialismo na cultura literária boliviana está, pela mesma razão, ligada às urgências do presente. Quão pertinente é Tamayo lido desde o aqui e o agora. Ele define o bovarysmo como um estado de “insatisfação inovadora” que se move num “contexto de repressão e convenção social”. Não é isso que está acontecendo com os recentes escândalos envolvendo Evo Morales8 , que a imprensa internacional está “apimentando” à sua maneira? Não é a sociedade boliviana descarregando a sua própria culpa e dor familiar, privada e até inconsciente, fazendo da vida de Evo Morales uma causa de diatribe moral e sexual? Faz, mas não percebe que o primeiro a ser julgado e apontado deveria ser o índio dentro de nós.

Fausto Reinaga, nos anos 1960-1990, elaborou sobre as críticas à “intelligentsia da cholaje boliviana”, um agudo raio-x do colonialismo intelectual na Bolívia, o que lhe valeu o estigma de ser um personagem intratável e ultrarradical. Não é um fato menor que tenha sido Reinaga – e não Sartre ou Balandier – quem introduziu a obra de Frantz Fanon e outros autores da descolonização africana no debate político boliviano dos anos 70. Com honrosas exceções, os autores agora “descoloniais/decoloniais” ou “pós-coloniais” não conseguem escrutinar o ethos do intelectual colonizado tão profundamente como Reinaga, e isto revela-se nos próprios caminhos que temos vindo a seguir para compreender os processos de libertação da Índia e as lutas de descolonização no nosso continente.

Maristella: O que significa, então, pensar nas ciências sociais da América Latina no século XXI, no quadro da modernidade avançada e do atual sistema de dominação?

Silvia: Creio que outra ciência social deve ser feita, uma ciência que não divorcie o cérebro do corpo, a ética da política, o fazer de pensar. A ciência social realmente existente não difere muito daquela que Tamayo criticou. E as obras de Reinaga abundam em conceitos/metáforas em cuja bricolagem vislumbro outro tipo de teoria sobre o colonialismo intelectual na América Latina e sobre o colonialismo em geral. Por outro lado, a modernidade que Tamayo experimentou não é muito diferente da de hoje: continua a ser uma estrutura de pilhagem e colonização mental. Com um fator agravante: nas primeiras décadas do século XX havia muito mais pessoas urbanas, mestiças e de elite em La Paz, que falavam Aymara perfeitamente, enquanto hoje a dimensão simbólica do índio se tornou pigmentada e baseada em simulacros, o que nos mostra que estamos perdendo a batalha linguística. No que diz respeito à colonização mental, as ciências sociais – junto a várias outras – deveriam concentrar-se na criação de ferramentas conceituais, técnicas e materiais para resistir à pilhagem tanto de recursos materiais como de pessoas (mãos, cérebros) ou, pelo menos, para nos ajudar a sobreviver a ela.

Para além da pilhagem, esta modernidade imposta baseia-se na cultura do direito. A ciência social hegemônica tem de lidar com um fosso muito profundo entre a lei e a sua prática, entre a teoria e a violação da teoria. Colocar-se estritamente num dos polos deste binário é uma atitude de suicídio coletivo, que é transferida para todo o pensamento público. Face a este estado de confusão, o que a ciência social deveria estar fazendo era revolucionar a episteme. Criar um campo de jogo entre o patrimônio europeu e o nosso próprio patrimônio, no qual possamos, com autonomia, recriar um pensamento e um gesto capaz de ultrapassar o “double bind” ou a esquizofrenia colonial de que Tamayo falou. E isto deve ser feito por qualquer meio, não só nas ciências sociais mas também na matemática, agronomia, engenharia e na multiplicidade de disciplinas que são necessárias para o presente e agora da humanidade e do planeta, não só da ciência.

Acima de tudo, a nova ciência social deveria abandonar a camisa de força da sociedade, deixar de se limitar às coisas humanas, relações e conflitos sociais, e tornar-se mais uma das ciências da vida. É por isso que me sinto muito insatisfeita com as ciências sociais existentes, considero-as como satrapias. Esclareço que tenho o luxo de dizer isto porque agora estou livre da universidade, eu me aposentei e com várias amigas e colegas criamos um espaço9 no qual patrocinamos um “curso livre” no Verão e no Inverno, entre muitas outras atividades. A geração mais jovem de intelectuais e acadêmicos que trabalham na universidade tem de lidar com coisas mais danosas e vastas, como as revistas indexadas – que tive a sorte de não conhecer – ou a excessiva carga administrativa imposta às universidades pelo neoliberalismo.

Mas entrar e sair da academia não é o mesmo que dizer entrar e sair da modernidade. O que entendo como o principal desafio é ser autenticamente moderno e, ao mesmo tempo, conectar com o mais antigo, para que, a partir desta contradição ou anacronismo, possamos conspirar – dentro e fora da universidade – uma esfera pública inclusiva, democrática e intercultural (para dizer em termos convencionais). Para mim é central reconhecer que a teoria não é suficiente, as ciências sociais não são suficientes, a universidade e a academia não são suficientes para compreender o mundo em que vivemos hoje. E acredito que, ao longo de Abya Yala, este processo de “entrar e sair da academia” está permitindo a renovação do pensamento e a sua melhor articulação com as práticas comunitárias, populares e coletivas. Na fronteira entre o mundo universitário e o seu exterior, iniciativas como a que acabo de descrever estão proliferando, e eu as vejo em vários países do nosso continente.

Maristella: Existe uma perspectiva latino-americana para pensar nos problemas atuais a partir da teoria social?

Silvia: Não. Pelo menos não dentro desse ponto, como parece estar definido na sua primeira pergunta. Uma teoria/prática social descolonizante é um processo contínuo, mas a sua verbalização ainda tem de ser construída; ainda está a gaguejar e dispersa. Não é sequer claro qual será o formato deste discurso, num contexto de proliferação e democratização das comunicações por satélite. Creio que o que é feito nas redes, ou no teatro, ou na arte latino-americana, é muito mais sensível do que a universidade ou academia paraestatal, em termos conceituais, face às realidades multifacetadas do espaço social em que vivemos.

Novos espaços para a produção de teoria/prática social surgiram também: espaços marginais e fronteiriços, mas, ao mesmo tempo, proliferando. Iniciativas de rua, lutas contra a impunidade, plataformas em torno dos direitos sexuais e uma diversidade de iniciativas práticas em defesa do meio ambiente constituem cenários ideais para uma “pesquisa atuante” ou “pesquisa militante” para além da utilidade, para as comunidades e organizações de base. Refiro-me também a intelectuais – tais como Silvia Federici, Rita Segato, Margara Millan, Veronica Gago, Suely Rolnik e a mim mesma – que dialogam em vários níveis de abstração com intelectuais de base nos seus respectivos espaços ou países. Todas estas redes são a coisa mais próxima de uma “ecologia do conhecimento” que tenho podido observar. Mas com um adendo: é também “ecologia de sabores”, e refiro-me às redes de autonomia alimentar, projetos ambientais, etc., que pensam os problemas não só através da pesquisa acadêmica e da publicação dos seus trabalhos, mas também através da participação intensa em feiras, espaços alimentares conscientes, cooperativas alimentares e muitas outras atividades.

Não tenho acesso suficiente a tudo o que se passa nas universidades e centros de pesquisa de vários países do continente para poder ponderar os avanços teóricos que estes novos fenômenos trouxeram, mas posso dizer a vocês que nos últimos anos li com maior interesse do que antes os debates latino-americanos nas ciências sociais e humanas, e fico feliz com o fato de muitos deles estarem a partir de uma tangente ou descartando abertamente o antropocentrismo dominante – e o seu descendente, o eurocentrismo.

Por Maristella Svampa
Publicado em Iberoamérica Social: Revista-red de estudios sociales.
Tradução de Fernando Rios
Revisão e versionamento: Baderna James


  1. Nota da edição: CUSICANQUI, Rivera. Domingues; Escobar, y Leff, (2016). Debate sobre el colonialismo intelectual y los dilemas de la teoría social latinoamericana. Cuestiones de Sociología, v. 14, p. e009. []
  2. Nota da edição: RIVERA CUSICANQUI, Silvia; BARRAGÁN, Rossana. Debates Post Coloniales: Una introducción a los estudios de la subalternidad. Historias, SEPHIS y Aruwiyiri, La Paz, 1997. []
  3. Nota da edição: TAMAYO, Franz. Creación de la pedagogía nacional. Linkgua, 2019. []
  4. Nota da edição: Por intelligentsia crioula, se compreende uma vanguarda intelectual crioula []
  5. Nota da edição: Pessoa que sabe governar ou mandar com astúcia e inteligência, geralmente abusando de seu poder. []
  6. Nota da edição: VEENA DAS é professora da cadeira Krieger-Eisenhower de antropologia, professora de humanidades da Johns Hopkins University e membro fundador do Institute of Socio-Economic Research in Development and Democracy. Entre seus livros, está Violence and Subjectivity [Violência e Subjetividade], que coeditou com Arthur Kleinman, Mamphela Ramphele e Pamela Reynolds. []
  7. Nota da edição: Duplo vínculo, do inglês double bind, é um dilema da comunicação onde indivíduo (ou grupo) recebe duas ou mais mensagens conflitantes, onde uma nega a outra. Isso cria uma situação na qual uma resposta bem-sucedida a uma mensagem resulta em uma falha na resposta à outra (e vice-versa), de modo que a pessoa estará automaticamente errada, independentemente da resposta. O duplo vínculo ocorre quando a pessoa não consegue enfrentar o dilema inerente e, portanto, não pode resolvê-lo nem sair da situação. A teoria do duplo vínculo foi descrita pela primeira vez por Gregory Bateson e seus colegas, na década de 1950. https://pt.wikipedia.org/wiki/Duplo_v%C3%ADnculo | A alegoria do cavalo no hospital também pode ser utilizada como analogia ao double bind. []
  8. Nota da edição: Entrevista realizada no ano de 2017. Na ocasião (além de outras situações) Evo conseguiu a liberação do Tribunal Constitucional para disputar a reeleição indefinidamente. A corte do país determinou em novembro de 2017 que o limite de dois mandatos presidenciais era “uma violação dos direitos humanos”. A oposição acusou o tribunal de passar por cima do resultado do referendo. []
  9. El Tambo Colectivx Ch’ixi, ciudad de La Paz, Bolivia. []
Publicado em Deixe um comentário

“Anarquismo é criar bibliotecas”

anarquismo é criar bibliotecas

Para alguns, ser anarquista também é lutar contra o estigma da violência. No caso de Toby, responsável pela biblioteca anarquista mais antiga do México, a luta imediata é humanizar nossas formas de convivência. “O que você ganha quebrando uma vitrina? Amanhã vão colocar outra”, questiona.


CIDADE DO MÉXICO – Toby detém uma das maiores coleções bibliográficas sobre anarquismo no continente. O homem, na casa dos cinquenta, é anarquista e pacifista até a medula, o que para ele é o mesmo. Seus óculos têm a rigidez de um arame e ele parece dispensar quase tudo, até mesmo o sobrenome: insiste que eu o cite como “Toby da Biblioteca Reconstruir”.

A Biblioteca Social Reconstruir foi fundada pelo anarquista Ricardo Mestre, refugiado da Guerra Civil Espanhola que em 1976, nos anos da mais dura perseguição política ao Partido Revolucionário Institucional (PRI), abriu uma biblioteca pública com seus livros. Mestre faleceu e agora Toby cuida da livraria localizada a algumas ruas da estação do metrô La Raza, ao norte da Cidade do México.

Na entrada, que é aberto ao público, há uma placa proclamando “Liberdade e não-violência”. Quando pergunto a Toby Sem Sobrenome por que paz? ele conta a seguinte história:

Nos anos em que Mestre esteve na Espanha, os donos da fábrica onde ele trabalhava contratavam fura-greves para arruinar uma greve de trabalhadores. Os confrontos viraram até tiroteios. Em uma ocasião, Mestre atirou contra um fura-greve que ficou apenas ferido.

Anos depois, numa turnê de propaganda, ele foi questionado por alguns participantes sobre seu local de origem. O Mestre respondeu que era de Villanueva y Geltú, ao que um dos presentes respondeu que aquele lugar trazia lembranças ruins, pois em uma época em que sua família estava literalmente morrendo de fome lhe ofereceram um péssimo emprego e a necessidade o fez aceitar, mas ele descobriu que teve que enfrentar alguns grevistas e nos tumultos foi espancado, perseguido e que tomou um tiro.

O Mestre percebeu que tinha sido o homem que atirou nele e em suas memórias reflete: “Como é possível que nós anarquistas tenhamos matado um homem por causa de coisas materiais? Fomos capazes de matar um homem que entrou no conflito, não por ser um traidor, mas por causa da fome, por causa da miséria?”.

O Mestre entendia o anarquismo de uma perspectiva muito mais ampla: se os fins eram bons, os meios tinham que ser bons, explica Toby.

Toby, na Biblioteca Social Reconstruir.
Toby, na Biblioteca Social Reconstruir. Foto: José Ignacio de Alba.

— Como você explicaria o anarquismo para alguém que não conhece o termo?

As pessoas não entendem bem o conceito e a imprensa ou o Estado se encarregam de dizer que anarquismo é caos, desordem, quando significa o contrário. O anarquismo cria uma sociedade organizada sem governo, ou seja, há organização. Basicamente, quando surge um problema, discutimos juntos, o que é acompanhado por uma ação direta; existe um problema, nós resolvemos nós mesmos, sem intermediários.

— Tem gente que associa a ação direta com a violência, e não é bem assim né?

Não, não, não. Ação direta é quando você tem um problema de criminalidade na vizinhança, ou com o lixo, qualquer coisa. Você cria um acordo com os vizinhos e eles arrumam na hora, ou seja, ação direta. É como se você quisesse sair com uma garota, você não vai dizer ao seu amigo “veja se ela quer sair comigo.” Não! Você vai pessoalmente fazer as coisas, isso é ação direta. Sempre foi assim, no anarcossindicalismo é o trabalhador que vai direto no patrão: essas são as nossas condições! Sem ter um advogado que vai falar por eles. A ação direta é para aqueles envolvidos em resolver seus próprios problemas.

Toby explica que o anarquismo chegou ao México em 1861 com o grego Plotino Rhodakanaty, que fundou o grupo Estudantes Socialistas, onde floresceram diferentes movimentos. Um dos participantes mais proeminentes era Julio Chávez López, que organizou uma revolta camponesa em uma área entre Chalco e Puebla.1 Os rebeldes queimaram terras e títulos de propriedade até que o movimento foi suprimido militarmente e Chávez López foi fuzilado.

— Este movimento influenciou a Revolução?

— Não, porque o problema do México e de toda a humanidade é que a memória se perdeu, não há continuidade; Além disso, o Porfirismo2 foi encarregado de apagar a história dessas rebeliões.

O anarquismo no México voltou a florescer no século 20, com os irmãos Flores Magón, Librado Rivera, Práxedis G. Guerrero, entre outros. Aqueles eram os tempos da Revolução e do jornal anarquista Regeneração que circulou em várias cidades. O Partido Liberal Mexicano lutou em vários lugares, a popularidade do anarquismo causou seu isolamento com outros revolucionários, como o Francismo I. Madero.

Toby explica que a Constituição em vigor no México, desde 1917, tem vários elementos anarquistas. Por exemplo, as jornadas de trabalho de 8 horas, o dia de descanso e a autonomia municipal são elementos magonistas.

— Qual é a situação do anarquismo no México?

— Atualmente as cidades são muito grandes, são poucos os que lutam pelo anarquismo. Isso indica que vai dar muito trabalho. Mais do que perfeição, buscamos mais elementos de liberdade. Se tivéssemos força para derrubar o Estado e poder nos apropriar dos meios de produção, o faríamos; Mas enquanto não podemos, estamos formando espaços: criamos bibliotecas, promovemos a pedagogia libertária, apoiamos grupos que fazem rádios livres, localizamos gente que têm espaços ociosos na comunidade. Estamos criando espaços e procurando uma maneira de levar o anarquismo a coisas muito básicas. Por exemplo: anarquismo é criar bibliotecas.

— Que avaliação você faz do que aconteceu no dia 2 de Outubro com a violência durante o protesto?3

— Quando alguém quebra uma vidraça, pergunto: “O que você ganha quebrando uma vitrina? Amanhã vão colocar outra”, questiona. Essas cenas ficam boas apenas nas fotos, mas isso não faz a menor diferença. A violência se torna uma espécie de carnaval, onde as pessoas gritam “Morte ao Estado!” e depois voltam à normalidade. Temos que repensar a eficácia do que fazemos agora. É na mente e no coração que devemos fazer a mudança, antes de usar armas.

Toby garante que as pessoas mais violentas durante as marchas são as primeiras a sair do anarquismo, “porque você não vai vencer um Estado de violência com sua suposta violência”. Além disso, ele garante que as pessoas que agem com violência durante as marchas tendem a ter “ideias burguesas” sobre o anarquismo, e agem como o Estado quer concebê-las.

— Como você traz o anarquismo para a vida diária?

— Tornando as coisas que você faz todos os dias mais humanas.

Toby recomenda a leitura de Ideologia anarquista de Ángel J. Capelleti para quem deseja saber mais sobre o assunto.

Texto: Ignacio de Alba
Fotos: Daniel Lobato e Ignacio de Alba
Publicado em Pie de Pagina em 6 de Outubro de 2019
Tradução: DaVinci
Notas, revisão e versionamento: Baderna James


Importante

Nota da Monstro dos Mares: Podemos não concordar com as ideias de Toby sobre alguns temas, mas concordamos plenamente que é necessário e urgente criar mais espaços sociais comunitários como o hacklab, a rádio livre e a biblioteca, independentemente de qualquer divergência.

  1. Nota da edição: Puebla, oficialmente Heroica Puebla de Zaragoza, é um município do México, capital do estado de Puebla. []
  2. Nota da edição: O Porfirismo na história do México, é o período de 30 anos durante o qual governou o país o general Porfirio Diaz. []
  3. Nota da edição: Grandes protestos em memória aos 51 anos (2019) do Massacre de Tlatelolco, onde militares abriram fogo contra centenas de estudantes e civis que protestavam contra a realização dos Jogos Olímpicos de 1968 na Cidade do México. []
Publicado em Deixe um comentário

Treta do frete (envio de livros) 📩

a treta do frete

Treta do frete: porque o rastreamento demora para atualizar?

Os grandes sites de e-commerce habituaram as pessoas a acreditar que só existem duas modalidades de envios nos Correios: PAC e Sedex. Mas não é bem assim: essa é a treta do frete. Quem recebe e envia livros provavelmente já se deparou com esses códigos de rastreamento que começam com as letras JN ou RE, que demoram para atualizar. Mas é assim mesmo que funciona o IMPRESSO na modalidade de REGISTRO MÓDICO. Esse é um serviço de envio de materiais impressos para editoras, livrarias, sindicatos, cooperativas, associações e pessoas físicas que precisam de uma modalidade econômica de envio pelos Correios.

No vídeo Treta do Frete, disponível abaixo, Baderna James apresenta a modalidade de envios utilizada pela Monstro dos Mares, o IMPRESSO. Como funciona? Quais as diferenças entre o Impresso e outras modalidades de entregas? Quem pode utilizar e porque demora tanto para atualizar no Sistema de Rastreamento de Objetos (SRO)? Como a pandemia de coronavirus está afetando o dia a dia de atendentes, carteiras e carteiros, operadores de triagem e transbordo (OTT’s) e os prazos de entregas? Antes de falar sobre o preço do frete, James aproveita para contar uma história envolvendo a sua avó, um carteiro e um banco de concreto. O editor também dá dicas importantes sobre como cuidar da sua caixa de correspondência e como são entregues os pacotes de impressos na sua casa.

Muito se fala sobre uma improvável privatização dos Correios, mas só quem não conhece o cotidiano do milagre logístico operado pela EBCT em todos os municípios brasileiros para dizer uma coisa dessas. Quem compraria os Correios, se já existem serviços de entrega de encomendas privados de grandes e pequenas transportadoras? Como um pacote de livros pode atravessar o país por apenas 20 reais? É lógico que o serviço prestado pela empresa sempre pode melhorar, e poderia até mesmo ser mais barato. Mas será que as tarefas de trabalhadoras e trabalhadores que estão em afastamento por motivo de saúde estão sendo compensadas ou estão ficando acumuladas? Será que serão realizados novos concursos ou contratações? E a função de pessoas que estão merecidamente buscando aposentadoria, ou que já se aposentaram, recebem reposição ou tem alguém deixando de contratar para ver a empresa quebrar?

Os Correios já foram uma das mais prestigiadas e confiáveis empresas do país e seus serviços costumavam ser reconhecidos por todos. O desmonte dos Correios é fruto de muitas gerações de maus gestores, ladrões que roubaram os fundos de pensões de trabalhadores e pilantras como o ministro da economia, que pensam que podem vender a empresa a preço de banana só para dizer que conseguiu vender alguma coisa. Privatização é coisa de ladrão!

As amizades que fazem parte da Rede de Apoio recebem os vídeos antecipadamente e possibilitam a aquisição e manutenção dos recursos técnicos para que mais conteúdos sejam criados e disponibilizados em vídeo no Youtube e no Podcast da editora. Nosso muito obrigado pelo apoio e um salve especial às monas, minas e manos que trabalham nos Correios.

25 de Janeiro, Dia do Carteiro. 💌

Para ouvir no Podcast

Esse e outros episódios você ouve no Podcast da Editora Monstro dos Mares nas principais plataformas de áudio com distribuição pela Anchor.

Para baixar o arquivo de áudio MP3 do episódio do podcast basta clicar aqui.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um comentário

Agradecimentos Rede de Apoio e Solidariedade (Dezembro de 2020)

Escrever agradecimentos às pessoas que fortalecem a correria do nosso bonde é o mínimo que podemos fazer. Neste mês, conseguimos fazer algo mais: fizemos um encontro, uma celebração (assim, do jeito que dá, on-line). Chamamos as amizades do conselho editorial e científico, da Rede de Apoio e Solidariedade, e também algumas pessoas que publicaram conosco em 2020. Essa atividade não teve caráter de reunião, afinal, estamos no final de um ano horroroso e estamos felizes que podemos nos encontrar para conversar e saber como cada singularidade está atravessando esse período. Sim, esse ano foi um triturador. Tudo o que se fez e o que ainda vamos fazer precisa ser entendido e avaliado pelas limitações desse período estranho, não por suas potencialidades. Essa avaliação se estende, inclusive, aos nossos afetos.

Chá da tarde especial da Rede de Apoio e Solidariedade

O final de ano também é aquela época em que muita gente rememora o que fez durante o ano, em busca de aprendizados. Em 2020 nós decidimos não realizar uma retrospectiva, porque nossa maior vitória foi seguir existindo. Ao que tudo indica, em 2021 permaneceremos em casa; com isso, decidimos rever fatores importantes de nossa presença nas redes sociais e de comunicação. Voltamos ao Twitter, com mais pessoas ajudando a responder e deixar o perfil mais humano, uma vez que nos últimos tempo apenas o robô cuidava de tudo. Também voltamos a enviar notícias por e-mail (newsletter), uma prática que havia sido deixada de lado em função da correria do dia a dia.

Estamos felizes em poder contar com uma rede próxima de pessoas que confia no que fazemos e fortalece o envio de materiais para diversos recantos do país. Em 2020, as pessoas que fazem parte da Rede de Apoio da Monstro fortaleceram a distribuição gratuita de 821 livros e 1211 zines para coletivos, movimentos, bibliotecas comunitárias, okupas, sindicatos, federações, pesquisadoras e pesquisadores independentes e acadêmicas. Temos certeza de que parte significativa de nosso esforço diário em produzir cultura e referências de pesquisa é destinada a ser enviada gratuitamente pelos Correios. Nada disso seria possível sem o desprendimento do valor de uma lanche ou uma pizza de algumas pessoas. Com o pouquinho de cada uma, conseguimos fazer muito.

Obrigado por estar conosco em Dezembro de 2020:

  • Ian Fernandez
  • Fyb C
  • Lorenzo
  • Karina Goto
  • Camila
  • Caio
  • Mayumi Horibe
  • Gabriel Jung do Amaral
  • Viviane Kelly Silva
  • R
  • Vitor Gomes da Silva
  • Leo Foletto
  • Nicolas H Mosko
  • Andressa França Arellano
  • Marcelo Mathias Lima
  • Fernando Silva e Silva
  • Thiago de Macedo Bartoleti
  • Victor Hugo de Oliveira
  • Mauricio Marin Eidelman
  • Lupi
  • Leonardo Goes
  • Paulo Oliveira
  • Anna Karina
  • Andrei Cerentini
  • Igor
  • Claudia Mayer
  • Guapo
  • Márcio Massula
  • Angela Natel
  • Talles Azigon
  • Contribuições e apoios anônimos

A Editora Monstro dos Mares precisa da sua ajuda para continuar, contribua com
a Rede de Apoio no Catarse ou PicPay e receba materiais impressos em sua casa. 🖨️

Publicado em Deixe um comentário

Agnes Inglis: Bibliotecária Anarquista

Agnes Inglis nunca planejou uma carreira como bibliotecária. Aos 52 anos em 1924, e após um período de intenso trabalho em prol dos imigrantes radicais que enfrentavam perseguição e deportação após a Primeira Guerra Mundial, Inglis visitou a biblioteca da Universidade de Michigan para consultar a coleção de livros, periódicos, artigos, recortes e efêmera doada por seu amigo Joseph Labadie em 1911. “Jo” Labadie1 foi um líder sindical, reformador social e anarquista individualista que acumulou um grande número de materiais documentando a multidão de eventos e movimentos dos quais ele participou ao longo de uma carreira de quarenta anos. Inglis encontrou a coleção original de Labadie nas mesmas condições em que fora doada: “em ótimo estado… embora ainda não encadernada”. (Inglis 1924) Ela decidiu passar um curto período de tempo como voluntária na biblioteca desempacotando e separando materiais. Esse curto período se transformou em 28 anos de serviço distinto e principalmente gratuito, durante os quais ela não apenas organizou a grande coleção, mas a aumentou em cerca de vinte vezes seu tamanho original, e a elevou ao status de que goza hoje entre as bibliotecas que documentam a história e filosofia do anarquismo e outros movimentos sociais e políticos radicais. A vida de Inglis como anarquista e bibliotecária nos mostra um excelente caso de intersecção entre ideais políticos e biblioteconomia.

Agnes Inglis

Nascida como a filha mais nova de uma família abastada de Detroit em 1872, Agnes passou a maior parte de suas três primeiras décadas em uma casa de família religiosa, conservadora e isolada. Seu pai, um médico notável, morreu quando ela tinha quatro anos. Além de um ano em uma academia exclusiva para meninas em Massachusetts, Inglis passou a juventude cuidando de uma irmã doente com câncer e, posteriormente, de sua mãe, que morreu antes de Agnes completar trinta anos. Sem mais obrigações familiares e uma renda substancial, Agnes saiu de casa para viajar e frequentar a Universidade de Michigan, onde estudou história e literatura.

Inglis deixou a escola antes de se formar e passou vários anos como assistente social na Hull House, em Chicago, na Franklin Street Settlement House em Detroit e na Ann Arbor YWCA. Enquanto trabalhava nesses ambientes, ela adquiriu conhecimento íntimo das condições injustas de trabalho e vida sofridas por mulheres e homens imigrantes da classe trabalhadora. Ela também se tornou cética quanto à eficácia das políticas e programas liberais destinados a transformar a vida dos trabalhadores e, subsequentemente, começou a questionar as condições sociais, econômicas e políticas nos Estados Unidos.

Ao mesmo tempo, Inglis continuou sua educação abreviada informalmente. Ela lia muito e era especialmente atraída e persuadida por escritores revolucionários. Ela assistiu a muitas palestras em Ann Arbor e Detroit dadas por uma variedade de críticos sociais, muitos deles anarquistas. Ela conheceu Emma Goldman em 1915 e tornou-se amiga da famosa anarquista, por meio da qual também conheceu Alexander Berkman, companheiro e amante de longa data de Goldman. Inglis organizou palestras anarquistas no sudeste de Michigan, começou associações e amizades com muitos radicais locais e juntou-se à divisão de Detroit dos Trabalhadores Industriais do Mundo (IWW). Além de seu ativismo, Inglis usou seus recursos financeiros para apoiar generosamente os esforços radicais, de fundos de greve a dinheiro de fiança para aqueles presos por expressar pontos de vista políticos impopulares.

Com o início do envolvimento dos Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial, Inglis intensificou suas atividades radicais, participando frequentemente de manifestações de protesto contra o recrutamento militar obrigatório e a guerra. Quando o governo reprimiu os radicais que se manifestavam contra a guerra no que ficou conhecido como o primeiro Red Scare (pânico vermelho), Inglis descobriu que seus recursos eram ainda mais necessários. Junto com os esforços incansáveis em apoio àqueles que enfrentavam a deportação, ela também pagou fiança para vários indivíduos e contribuiu pesadamente para seus fundos de defesa. Seu apoio de longa data a causas radicais acabou levando sua família a cortar seu acesso ilimitado a fundos e deu-lhe apenas uma renda modesta para viver.

Quando a turbulência após o Red Scare diminuiu, Inglis começou sua carreira na Coleção Labadie. Como curadora, Agnes desenvolveu técnicas organizacionais idiossincráticas que, no entanto, forneceram uma estrutura útil para a coleção. Ela começou dividindo materiais diversos em amplas categorias de assuntos que resultaram em um sistema de arquivos vertical ainda em uso atualmente. Ela tinha muitos jornais encadernados, incluindo Mother Earth, Regeneration e Appeal to Reason, e compilou recortes e outras coisas efêmeras em álbuns de recortes, lidando com assuntos sobre os quais existia documentação abundante, como Emma Goldman, Haymarket, o IWW, o caso Tom Mooney, e Sacco e Vanzetti. Além disso, ela construiu um catálogo de fichas detalhado (também ainda em uso) que continha a catalogação em nível de item da maioria dos materiais da coleção, bem como listas de informações de indivíduos e grupos que funcionavam como um arquivo de autoridade de nome de baixo nível.

Agnes Inglis

Embora sua morte tenha deixado alguns mistérios sobre a disposição dos materiais na coleção, seus esforços organizacionais restauraram informações contextuais aos materiais e os tornaram muito mais utilizáveis por pesquisadores. Não há evidências de que ela teve ou procurou a ajuda de bibliotecários treinados dentro do sistema de biblioteca; consequentemente, todo esse trabalho foi feito por conta própria.

A Inglis teve sucesso em aumentar e ampliar muito o acervo da Coleção Labadie. Depois de alguns anos organizando-a, Agnes e Jo enviaram uma carta a 400 radicais pedindo-lhes que contribuíssem com seus materiais documentando eventos e pessoas que conheciam. Embora a carta tenha recebido apenas uma resposta limitada, Inglis a usou como ponto de partida para buscar agressivamente pessoas para doar materiais. Entre as coleções mais importantes que ela adicionou estavam documentos relacionados a Voltairine de Cleyre, uma anarquista nascida em Michigan e amiga de Emma Goldman, e o escritor socialista John Francis Bray. Ela usou suas extensas conexões e correspondência com radicais do período, como Goldman, Roger Baldwin, Elizabeth Gurley Flynn e Ralph Chaplin, entre muitos outros, para persuadi-los a contribuir com materiais relevantes. Agnes também ajudou muitos indivíduos em suas pesquisas e publicações, incluindo ajudar Goldman e Chaplin com suas autobiografias, Henry David com o seminal The Haymarket Tragedy e James J. Martin com Men Against the State.

A carreira de Inglis tem significado histórico para bibliotecários preocupados com questões de justiça social por uma série de razões. Sua história é inspiradora do ponto de vista político porque, uma vez que seus ideais políticos foram formados, ela nunca os traiu e os viu como centrais para seu trabalho como bibliotecária. Suas motivações vieram explicitamente de sua devoção aos ideais da filosofia e da história dos anarquistas e outros radicais de esquerda com os quais ela trabalhou por um mundo melhor e mais justo. Seus compromissos políticos muitas vezes trabalharam em benefício da coleção, visto mais explicitamente no uso de suas conexões para adquirir registros de seus camaradas. Mesmo recentemente, a Coleção Labadie recebeu um valioso conjunto de papéis de uma mulher que ainda era grata a Agnes por ter libertado seu pai da prisão em 1917.

Ela também priorizou o uso da coleção, chegando ao extremo de emprestar materiais. Quando um de seus tomadores de empréstimo danificava ou não devolvia um item, sua natureza gentil e generosa nunca permitiu que ela os acusasse. Ela ficou satisfeita o suficiente com o interesse das pessoas pelos materiais. Uma nota que ela escreveu descrevendo seu empréstimo de um livro para um anarquista italiano que vivia na Vigésima Aliança em Detroit em 1934 diz que “a Vigésima Aliança é dura para um livro raro!”

Finalmente, seu conhecimento dos indivíduos e eventos daquela história permitiu-lhe coletar, organizar, descrever e fornecer acesso aos materiais da coleção com eficácia. Certa vez, Inglis escreveu para Emma Goldman: “Não é brincadeira pegar todo esse material e consertá-lo para que os alunos possam realmente usá-lo. Não é um trabalho que todos possam fazer. É preciso conhecer o material. As pessoas não gostam disso.” (Inglis 1925) Agnes devotou o terço final de sua vida à Coleção Labadie, até sua morte em 1952. Gerações de acadêmicos que usaram a coleção apreciaram o conhecimento, habilidade e dedicação que Agnes Inglis trouxe à causa de documentar a história dos movimentos políticos radicais nos Estados Unidos e sua contribuição para essa história é incomensurável.

Trabalhos citados

  • Inglis, Agnes (1924) Carta para Joseph Labadie, 11 de fevereiro, Joseph Labadie Papers, Labadie Collection, University of Michigan, Ann Arbor.
  • Inglis, Agnes (1925) Carta para Emma Goldman, 19 de março, Emma Goldman Papers, Labadie Collection, University of Michigan, Ann Arbor.

Por: Julie Herrada e Tom Hyry
Publicado no Progressive Librarian
Traduzido por DaVinci, revisado por abobrinha.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

  1. Para obter mais informações sobre a vida de Labadie, consulte a excelente nova biografia de Carlotta Anderson, All American Anarchist: Joseph A. Labadie e o Movimento Trabalhista (Detroit: Wayne State University Press) 1998. []
Publicado em Deixe um comentário

Em 2021, tire a p̶e̶s̶q̶u̶i̶s̶a̶ insurreição do armário!

Tire sua pesquisa do armário

Além de ampliar as perspectivas e referências da sua pesquisa, a Editora Monstro dos Mares está em ação para fortalecer a atividade de espaços comunitários, sociais, movimentos, coletivos e singularidades. Atuamos com a vontade de aumentar a felicidade e a autorrealização das pessoas que fazem parte de nossa iniciativa editorial, tal como daquelas que se relacionam direta ou indiretamente conosco. Isso tudo pode parecer efêmero, mas talvez sejam os mais importantes benefícios das atividades que realizamos na editora. Números jamais poderiam traduzir a felicidade e a autorrealização que sentimos ao distribuir livros e zines, mas no dia a dia vivenciamos o impacto mais gratificante de toda a nossa atividade de inspiração anárquica e autogestionária.

Aprendemos constantemente umas com as outras, e nossa alegria e entusiasmo estão na satisfação de interagir e colaborar em bando, realizando atividades e projetos cada vez mais envolventes, conscientes e felizes. Entendemos que a Editora Monstro dos Mares tem como missão a contribuição social na valorização das subjetividades e no enfrentamento aberto ao capitalismo, à colonialidade e ao patriarcado em todas as suas expressões.

A atividade de fazer livros e zines é também uma forma importante nos esforços para enfrentar a pobreza e buscar melhorias nas condições de vida de toda gente sofrida. Compreender as condições mais singelas de ser quem se é, incluindo sua etnia, sexualidade, identidade cultural, constituição física, capacidade e orientação tecnopolítica, fortalece e amplia nossas reflexões sobre as relações de poder sobre os corpos, o adoecimento generalizado, a dependência financeira daqueles que trabalham, a cooptação política de nossas comunidades, tal como os elevados níveis de stress nos meios acadêmicos e as precárias formas de expressão dos sentimentos e angústias do nosso tempo. Por tudo isso, ousamos buscar por modos diversos de enfrentamento à centralização do poder e as imposições normativas do Estado, do grande capital, do judiciário, da igreja e da família (abusadores, policiais, patrões, padres, pastores, juízes, e maridos também!).

Ao realizar processos de publicação que disponibilizam ferramentas de autonomia, emergem evidentes chamados às práticas/éticas das vidas em perigo, das existências que expressam sentimentos conectados à realidade social de nosso tempo. Linhas, páginas e capítulos são caminhos pelos quais alcançamos nossos objetivos e desfrutamos das maiores recompensas conhecidas para nossa pequena comunidade editorial: pessoas convivendo umas com as outras de forma dedicada, para uma vida mais criativa e que, ao falarem abertamente de seus problemas em sociedade, buscam soluções compartilhadas.

Nosso coletivo é pequeno, somos uma dúzia de pessoas que contribuem no conselho editorial e científico, duas para fazer todo o resto (imprimir, cortar, colar, grampear…) e, lógico, uma quantidade carinhosa de pessoas da Rede de Apoio e Solidariedade, que muito generosamente nos enchem de carinho e também prestam suporte financeiro mensal para seguirmos existindo.

Buscamos com nossas publicações compreensões sobre nosso tempo, partindo das cosmovisões e experiências pluridiscursivas cotidianas de habitar o lugar, onde se constrói a dimensão da experiência e da pre-sença do Ser no Mundo. Esse lugar que somos, o século 21. Aqui, não se trata de negar ou rechaçar os iluministas, os homens europeus cis brancos e mortos da Europa que estenderam suas teorias até os dias de hoje, mas compreender, articular e abrir espaço para que outras visões de mundo possam emergir, rumo a um mundo em constante transformação e cheio de possibilidades. Não se trata de reescrever o futuro ou o que virá, mas abrir-se para o que está acontecendo aqui, entre nós.

Esse é o desafio presente nos esforços de publicação de textos que conseguimos produzir, resgatar ou localizar: desacomodar o horizonte epistemológico das pessoas dentro e fora da academia a partir de uma perspectiva radical, que enfrenta os discursos daqueles que desejam a nossa morte e/ou mesmo daqueles que pensam que não somos sociais ou, ainda, que acham que dependemos da aceitação de qualquer “autoridade” no horizonte das lutas. Somos a luta, nossos corpos são campos de batalha. Somos monas, minas e manos, lésbicas, não-bináries, pessoas negras, pardas, gordas, maricas, sapatonas, homens e mulheres trans, povos da floresta, pessoas com deficiências. Somos essa gente com doenças crônicas, com problemas de saúde mental. Somos as pessoas que não se reconhecem nas definições limitadas dos rótulos, identidades, partidos e perfis para serem catalogadas no segundo caderno dos jornais. São nossos corpos, nossas vidas, nossas lutas!

Esse é o nosso tempo e ninguém vai nos dizer o que fazer.

Em 2021, tire sua pesquisa insurreição do armário e faça com que ela ocupe todos os espaços da vida, dentro e fora dos muros das universidades.


Mensagens de anos anteriores

Publicado em Deixe um comentário

Sobre cuidados e como estamos todos fodidos caso não façamos grandes mudanças (Peter Gelderloos )

peter gelderloos

Mensagem de Peter Gelderloos 31 de Dezembro de 2020

Assim, em teoria, é o último dia de 2020, mas não me surpreenderia se descobríssemos algum novo tipo de duplo ano bissexto de merda.

2020 tem sido um ano realmente difícil. A maioria de nós perdeu amigos e companheiros, muitos perderam familiares. Derramamos os nossos corações em iniciativas de sobrevivência expandidas e rebeliões ardentes, mas ainda não foi suficiente. Ainda não vimos o fim de toda a dor acumulada nos nossos círculos. Quero agradecer à dúzia de amizades que tornaram possível que eu sobrevivesse a este ano, sendo atenciosos e atentos. São os anarquistas mais verdadeiros que conheço, alguns dos únicos que realmente compreendem a solidariedade e a ajuda mútua. Mas os agradecimentos são inúteis se não estivermos abertos à mudança.

Refletindo sobre essas amizades, são quase todas mulheres, não brancas e pessoas neuro-atípicas. Peço veementemente a todos que pensem nas pessoas que cuidaram de pessoas em seus círculos (se você é uma delas, dê a si próprio um pouco de amor). Os homens e as pessoas neurotípicas precisam se comprometer com isso. O cuidado é uma habilidade para toda a vida. Ninguém vai aprender isso num só dia. Mas há algo que podemos mudar AGORA e temos de mudar se não quisermos que as nossas (pseudo)comunidades caiam e ardam em trauma, depressão e pobreza no próximo ano.

Para quem você olha como o alicerce da sua comunidade/círculo, aquela pessoa cuja orientação você procura para estabelecer normas sobre como se comunicar, resolver conflitos, lidar com aqueles que sofrem, moldar o espaço social? É melhor que sejam aquelas pessoas em quem pensou (que pertencem ao teu círculo). Devem ser aqueles que todos ouvem enquanto construímos as nossas comunidades/círculos.

Não deveria ser o acadêmico a citar Agamben, o amigo que te ensina a atirar, o que tem contatos em todo o mundo, o babaca que escreve livros, o que faz as melhores festas (a menos que sejam também o que se ocupa das pessoas, já que somos todos multifacetados). Todos esses outros tipos têm algo a oferecer em momentos importantes de luta (exceto as festas, bah humbug!)1 . Mas, na maioria das vezes, é para eles que damos poder para estruturar as nossas comunidades e é por isso que temos cenas produtivistas, militaristas, dogmáticas ou baseadas na popularidade. E estes são completamente incapazes de lidar com estafa (burnout) e traumas, ou de centrar as relações na sobrevivência coletiva, que é a característica que define uma comunidade real.

Uma teoria anarquista do poder reconheceria e valorizaria cada atividade que cria a nossa liberdade e bem-estar, deveria celebrar a experiência daqueles que a têm e encorajar cada um a desenvolver as suas próprias forças.

Em vez disso, exploramos e marginalizamos aquelas de quem mais dependemos para a nossa sobrevivência coletiva. Metade das pessoas com quem se pode contar para o sustento têm estado à beira do suicídio este ano. Quero mandar um sincero foda-se a todos os que não têm pensado nisso (em cuidar) e que continuam a construir as nossas comunidades falhas em torno de todas as lógicas erradas. Vão à merda. Comprometam-se. Se ainda não perceberam que a nossa sobrevivência está em risco, saiam já daqui.

Todo o meu amor para as pessoas que têm carregado todo esse fardo. Sim, todo o meu amor para as pessoas que têm estado na linha da frente, organizando protestos, escrevendo e debatendo. Sabendo, simplesmente, quando brilhar e quando segurar outra pessoa.

Finalmente, do fundo do meu ser, uma maldição imortal para os dois tipos de “camaradas” que, na minha perspectiva, têm sido os mais prejudiciais. Aqueles que ajudam os abusivos, evitam críticas ou consequências, que se fazem de neutros, giram o moinho de rumores porque têm muito medo de falar cara a cara. E, políticos do movimento que impõem suas ideias de classe média do que é possível acima do que as pessoas realmente precisam numa situação potencialmente revolucionária; desde greves de aluguéis a rebeliões anti-polícia. Que sofram uma infelicidade sem fim ou uma autoconsciência aguda dos danos que causaram.

Mas sim, amor para todos os outros.

Por favor, faça com que os seus amigos leiam isto, especialmente os produtivistas ou os legalzões (fadas sensatas da violência e das alianças)

É isto, tchau.


Tradução e revisão: Absort0, Fernando, abobrinha.


  1. Nota: Expressão utilizada pelo personagem Ebenezer Scrooge, de Charles Dickens, que se tornou símbolo de sua rabugice []
Publicado em 1 comentário

Isso não é uma retrospectiva (2020)

Queremos enviar um caloroso abraço para monas, minas e manos que estiveram conosco nesse ano. Recebemos muito carinho, apoio e solidariedade de diversas amizades que se preocupam com nossa existência, permanência e continuidade. Num momento especialmente difícil, nessa pandemia sem precedentes, as pessoas enviaram mensagens para saber como estávamos e se havia alguma necessidade urgente. Valeu mesmo! Percebemos que essa ideia de cuidado se amplificou e ganhou espaço em todos movimentos. Atividades radiantes! Compas fizeram ações, campanhas, publicações, lives, rifas, distribuição de comida, mutirões de desinfecção de suas comunidades, muita movimentação para fortalecer nossa gente.

Continuaremos lutando para derrubar os abusos da centralização do poder, do estado, das igrejas, abusadores, juízes e patrões.

Esquecer 2020 será um bom começo. Para muitas pessoas, porém, isso não será possível, pois esse ano horrível já tirou muita coisa de nós.

Entramos em distanciamento social no dia 11 de Março, praticando um severo isolamento desde então. Cancelamos a participação da Monstro dos Mares em qualquer evento presencial até que haja imunização em massa, para todas as pessoas. Não queremos participar de eventos que sejam apenas para alguns e algumas. Que a imunização se faça o quanto antes, ainda que no estado ocupado por essa milícia de mal-intencionados isso possa levar muito tempo.

Seguimos abrindo caminhos de liberdade através dos tempos sombrios. Estamos esticando os braços, arregaçando as mangas e partindo para um outro tempo, um novo capítulo. O mundo como o conhecemos até agora deixará de existir (ainda bem!). Caberá à nossa autonomia e autodeterminação que o ano que se avizinha traga outros ares, nuvens de compartilhamentos, mares de solidariedade entre nós, ventos que fortaleçam todos os bandos. Que essas águas façam brotar sementes de resistência no solo fértil das lutas do campo e da cidade e tragam coragem e força para derrubar o inimigo.

Sigamos! Cada qual tocando o barco, em união de propósitos nas mais diversas práticas e horizontes teóricos fazendo enfrentamento, livros, músicas, florestas, alimentos, bicicletas, lutas, culturas e celebrações.

Livros e Anarquia!
Editora Monstro dos Mares
Dezembro de 2020

Publicado em 3 comentários

Contra-universidades

Excerto do capítulo VI do livro Entre cuadernos y barrotes publicado pela Editora Cultura y Sociedad, na cidade de Lima, em setembro de 1999.

Tradução de Mauricio Knup.

Com frequência se contrapõe a atividade universitária à atividade escolar, como se esta fosse um grande salto à frente e tivesse características qualitativamente diferentes. Inclusive, apresenta-se a universidade como o espaço de onde brotarão soluções e alternativas para os grandes problemas de nosso tempo. Dessa maneira, oculta-se, com um otimismo necessariamente envolvido por uma mentira astuta ou mesmo simples idiotice, o fato de que nas universidades, assim como nas escolas, persiste toda uma concepção autoritária de vida, horários rigorosos a serem cumpridos, exames, notas, aprovação e reprovação, uma verticalidade mofada que nenhuma sala de aula moderna e com iluminação natural pode esconder; às vezes, até pequenas mudanças de horários e controle de frequência de estudantes, professores que, apesar de não passarem fome de maneira miserável quando não estão protagonizando uma aula vertical e autoritária que pretendem que seja magistral, na maioria das vezes são os mesmos que não têm escrúpulos em recorrer à vergonha da cópia e da reprodução.

A universidade mantém intacta a função repressiva, mas faz isso em um estágio mais avançado. Nem sempre se precisa recorrer a tanques e intervenções militares; geralmente, é suficiente para ela manter a ficção da gestão compartilhada, um simulacro de democracia no qual estudantes dóceis que adquiriram o mau hábito da política representativa e que, através da formação de diretórios acadêmicos e similares, possibilitarão não uma democracia direta e assembleias, mas a criação de máfias e grupos de poder, a existência de um alto sigilo burocrático, a perpetuação de um regime no qual você deve pedir permissão até para colocar um cartaz na parede; tudo isso, em conjunto com uma fórmula legal que proíbe atividades extra-acadêmicas, faz com que qualquer atividade independente ou autônoma capaz de produzir conhecimentos para além do saber oficial seja censurada ou desencorajada.

David Cooper compara a universidade a um hospital psiquiátrico:

“O design exterior é bastante semelhante: o bloco administrativo e vários departamentos, vilas, laboratórios, terapia ocupacional e tudo mais. Algumas universidades têm cercas e porteiros para controlar aqueles que entram e saem. A ironia disso está em que provavelmente ninguém entra e certamente ninguém sai. As duas instituições estão cheias de preocupação fingida dos ‘Protetores’ sobre os ‘protegidos’. Ambas são boas almas (alma mater), de cujos seios brota um antigo veneno, sedativos de todos os tipos concebíveis, desde a pílula precisa para o paciente preciso até o trabalho exato para estudantes exatos.”1

As universidades se apresentam, em caros anúncios de televisão, como o reino do conhecimento e da vida intelectual, mas estão presas pela esclerose de sua maneira pretensiosa e dogmática de conceber e produzir um conhecimento que desejam universalmente válido. Ignora ou despreza a sabedoria de dissidentes como Feyerabend, que afirma que o progresso científico só é possível quando certas regras “óbvias” são violadas voluntária ou involuntariamente, e acrescenta que, onde a razão é ditada pela norma, “os cientistas precisam desenvolver e sustentar suas teorias irracionalmente; não há regras gerais para estabelecer a verdade; vale tudo.”2

As universidades também têm, obviamente, interesses monetários importantes, objetivos claros de dominação social e agem de acordo com as normas ditadas pelo mundo do trabalho assalariado. Levando tudo isso em consideração, as universidades só podem ser úteis pelas estruturas que muitas vezes proporcionam (bibliotecas, ambientes diversos, salas de conferências, restaurantes universitários, salas de computadores, galerias) e que, para fins contrários aos seus propósitos originais, podem ser subvertidos e usados por estudantes e não-estudantes, ansiosos para explorar as margens do conhecimento, o subsolo da versão oficial, sabendo, assim como Bachelard, que “pensar é sempre pensar contra”3

A respeito do pensamento, essa atividade tão desencorajada por toda prática educacional, incluindo as universidades, diz Viviane Forrester:

“Não há atividade mais subversiva ou temida. É também a mais difamada, o que não é acidental nem sem importância: o pensamento é político. Isso não é restrito apenas ao pensamento político. O próprio pensar é político. Daí a luta insidiosa e, portanto, a mais eficaz e mais intensa em nosso tempo, contra o pensamento. Contra a capacidade de pensar.”4

Como provocar o pensamento, a capacidade de ler nas entrelinhas, o exercício exultante de lucidez e crítica? Como incentivar, permitir inovação, descoberta, criação de conhecimento que serve para viver, quando só é possível existir vida fora do sistema mercadológico? Agustín García Calvo renuncia ao título de filósofo ao considerá-lo desacreditado e absolutamente assimilado pelo sistema((Agustín García Calvo assinala que “a prova da extrema prostituição da palavra filosofia é a de que os até os executivos têm sua própria filosofia: a filosofia da empresa”. Nós acrescentaríamos a este exemplo, como forma de provar a mesma prostituição, o caso de Federico Salazar, filósofo liberal que comenta, com mais salário que dignidade, desfiles de moda no noticiário matinal do Canal 4 de TV.)) e prefere, se for necessário, o título menos profissional e gasto, menos formatado e definido e, portanto, mais livre, de pensador. A criação de contra-universidades, lugares autônomos onde pensadores, estudantes e professores convergem interessados em quebrar a monotonia, a rigidez acadêmica e a pobreza, onde o conhecimento deixa de ser “ensinado” para ser uma criação comum ou, ao menos, uma descoberta individual de uma possibilidade comum, a não ser que o próprio acordo mútuo solicite uma intervenção docente em matéria de ordem técnica, pode ser uma alternativa válida à morte da universidade.

Diz D. Cooper:

“O que proponho é uma estrutura móvel, totalmente não hierárquica e em revolução contínua, capaz de gerar revolução além dos limites de sua estrutura. A universidade (ou o que no atual momento da história deveria ser chamado de anti-universidade, contra-universidade, universidade livre ou algo semelhante) seria uma rede muito ampla. As células funcionariam dentro de uma universidade oficial como um antídoto para o sistema, de forma muito independente.”5

Essas estruturas informais, completamente desprovidas dos vícios daquela esquerda que se submete à dinâmica e lógica da política autoritária, desprezando completamente o poder e criando apenas uma organização mínima para funcionar, provavelmente seriam consideradas suspeitas ou mesmo ilegais pelas autoridades acadêmicas, o que nos mostra a saúde vigorosa do cadáver universitário e, portanto, a necessidade desses casos de resposta e crítica.

Se a criação desses espaços autônomos não for possível, seja devido à repressão autoritária ou porque não ocorreram encontros felizes com as pessoas necessárias para concretizá-las – dados os interesses cada vez mais estreitos e previsíveis das novas gerações; se mesmo as intervenções pessoais em sala de aula não são mais viáveis com a intenção de provocar algum debate, devido ao torpor e retaliação gerais, e se a perspectiva de um horizonte de exames e aulas massacrantes é insuportável, o único recurso para salvaguardar a integridade pessoal parece ser abandonar formalmente o antro universitário, de maneira solitária e silenciosa, estrelando o que aos olhos do mundo parece um abandono inexplicável.

  1. David Cooper, La muerte de la familia, Editorial Planeta, México 1986. []
  2. P. Feyerabend., Tratado contra el método, Ediciones Orbis, Barcelona 1984. []
  3. Citado por Jesús García Blanca, en “No somos nada”, revista Ekintza Zuzena No 19, Bilbao 1996. []
  4. Viviane Forrester, El horror económico, F.C.E., Buenos Aires 1997. []
  5. David Cooper, La muerte de la familia, op. cit. []