Publicado em Deixe um coment√°rio

Financimento coletivo “Este √© nosso corpo, a terra: Caminhos e palavras Av√° Guarani/√Ďandeva de Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu para al√©m do fim do mundo”

‚ÄúEste √© nosso corpo, a terra: caminhos e palavras Av√° Guarani/√Ďandeva para al√©m do fim do mundo‚ÄĚ Yan Leite Chaparro e Josemar de Campos Maciel

“Este √© nosso corpo, a terra: Caminhos e palavras Av√° Guarani/√Ďandeva de Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu para al√©m do fim do mundo” / “Yvy p√©a ha‚Äôe ore rete: tapeku√©ra ha √Īe‚Äôengu√©ra Ava Guarani/√Ďand√©va amogotyove oparire ko √ĪapyrŇ©ha”, um livro de Yan Leite Chaparro Josemar de Campos Maciel.

Resumo

A tese intitulada ‚Äú Este √© nosso corpo, a terra: caminhos e palavras Av√° Guarani/√Ďandeva de Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu para al√©m do fim do mundo‚ÄĚ j√° tem no seu t√≠tulo o sentido b√°sico de todo trabalho: a perspectiva do conceito de envolvimento como produ√ß√£o de realidade Av√° Guarani/√Ďandeva, que revela caminhos e palavras para al√©m do fim do mundo, ou melhor, para al√©m da inven√ß√£o branca de desenvolvimento. O trabalho entende os Av√° Guarani/√Ďandeva como uma sociedade com densidade pr√≥pria, em rela√ß√£o de simetria com a sociedade que a circunda. Em simetria, pois ambas s√£o sociedades que possuem suas cosmologias, organiza√ß√£o social, modos de existir, de ser e de fazer a vida. Em simetria, mas n√£o necessariamente em harmonia, pois tecem caminhos contr√°rios para produzir a sua realidade. Para os Av√° Guarani/√Ďandeva, essa produ√ß√£o acontece mediante movimentos de envolvimento enquanto que, para a sociedade marcada pelo movimento de acelera√ß√£o capitalista/moderno, acontece no chamado desenvolvimento. Da√≠ o ponto central de toda a tese. Trata-se de vis√Ķes de mundo sim√©tricas e tensionadas. Essa centralidade nos conduz a ouvir e construir juntos um discurso com os Av√° Guarani/√Ďandeva, de Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu sobre a cosmologia capitalista e desenvolvimentista produzida pela sociedade moderna, a inven√ß√£o branca de desenvolvimento. O texto provoca a reflex√£o sobre o envolvimento como proposto pelos Av√° Guarani/√Ďandeva como forma/conte√ļdo de radical sofistica√ß√£o para al√©m do fim do mundo de humanos e n√£o-humanos, questionando a hegemonia da inven√ß√£o branca como sendo mais um mito fundador, que pode ser visto com outros olhos, e redimensionado ‚Äď aqui, na imagem do sempre visto e esperado fim do mundo.

√Ďe‚ÄôŠļĹ mbyky‚Äôi

Ko tembiapo mohu‚Äô√£ h√©ra ‚ÄúYvy p√©a ha‚Äôe ore rete Tapeku√©ra ha √Īe‚ÄôŠļĹngu√©ra Ava Guarani/√Ďand√©va Jakareypegua (Porto Lindo) Yvy Katu amogotyove opa‚ÄôŠĽĻmboyve ko √ĪapyrŇ©ha‚ÄĚ oguerek√≥ma pe √Īe‚ÄôŠļĹak√£me he‚Äôis√©va √Īepytykov√Ķr√£ tembiap√≥pe, mba‚Äô√©ichapa jahecha umi he‚Äôis√©va tembiapo ramo umi Av√° Guarani/√Ďand√©va hekoit√©pe ohechauk√°va tapeku√©ra ha √Īe‚ÄôŠļĹngu√©ra amogotyove oparire ko √ĪapurŇ©ha, t√©r√£, amogotyove umi karaiku√©ra ojejap√≥va √Īepytyv√Ķr√£. Ko tembiapo oń©va tenondeve ohechakuaa Ava Guarani/√Ďand√©va ha‚Äôeha peteń© tekohaygua oguerek√≥va ijyk√©re pe teko capitalista/moderna, mok√Ķive oguereko pe hek√≥pe arapygua, pe mba‚Äô√©ichapa omba‚Äôapo, mba‚Äô√©icha oiko ha mba‚Äô√©ichapa oiko. Ojoehe katu tape i√Īambue ha‚Äô√©re mba‚Äôapoharaku√©ra ombohek√≥va imba‚Äôete. Ava Guarani/√Ďand√©vape guar√£ pe omoa√Īet√©va oik√≥va oiko pe jeku‚Äôe ha‚Äôe oimeh√°me ha teko capitalista/modername oiko pe jeku‚Äôe mba‚Äôepotagu√©vi. P√©a ha‚Äôe pe ipor√£v√©va ko tembiap√≥pe, o√Īondie ha nah√°niri. Pe mombyte ome‚ÄôŠļĹ ojejapo hańĚua cr√≠ticas, invers√Ķes ha √Īeporandu Ava Guarani/√Ďand√©va ndive Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu gu√°ndi pe jehechapy tuichakue capitalista ha mba‚Äôepota potav√©va ombohek√≥va pe teko pyahu, pe mba‚Äôe pyahu karai mba‚Äôe mba‚Äôepota potav√©va. Pe ojap√≥va √Īeporandu mba‚Äôepota rehegua Ava Guarani/√Ďand√©va ndive mba‚Äô√©icha forma/conte√ļdo omoa√Īetet√©va amogotyove pe pyrŇ©ha oparire tekov√©pe ha ndaha‚Äô√©iva, √Īeporandu pe mbarete karai mba‚Äôe pyahu ha‚Äô√©va mba‚Äôepota potave mbyte ramo omohe√Īoiva pe ojehech√°va ha o√Īeha‚Äôar√Ķva pyrŇ©ha opataha.


Sobre os autores

Yan Leite Chaparro √© filho de pai paraguaio e m√£e sul-mato-grossense, neto de paraguaios e nordestinos, organiza√ß√£o comum e representativa sobre o processo hist√≥rico do Mato Grosso do Sul onde, esse trabalho foi inscrito. O pesquisador √© formado em Psicologia, com forma√ß√£o em Psicodrama Cl√≠nico. √Č tamb√©m Mestre e Doutor em Desenvolvimento Local pela Universidade Cat√≥lica Dom Bosco. Trabalha com os Av√° Guarani/√Ďandeva e os Kaiow√°/Pai`Tavyter√£ desde 2010 a convite da Profa. Dra. Rosa Colman e do Prof. Dr. Ant√īnio Brand (in memoriam) . Hoje junto com o trabalho com os Guarani que vivem no Mato Grosso do Sul, tamb√©m trabalha no, campo cl√≠nico do Psicodrama em consult√≥rio e em comunidades urbanas. √Č integrante do Grupo de Pesquisa Estudos Cr√≠ticos do Desenvolvimento/CNPq e do Laborat√≥rio de Humanidades/LabuH.

Josemar de Campos Maciel √© professor de Filosofia (de 1994 at√© o presente) e pesquisa na √°rea do Desenvolvimento, sendo l√≠der do Grupo de Pesquisa ‚ÄúEstudos Cr√≠ticos do Desenvolvimento‚ÄĚ (CNPQ). √Č doutor em Psicologia (2004). Atualmente, √© Docente Permanente dos Programa de P√≥s-Gradua√ß√£o Stricto Sensu: Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Local da Universidade Cat√≥lica Dom Bosco – MS, e presidente do Comit√™ Cient√≠fico da mesma Universidade. Possui est√°gio p√≥s-doutoral conclu√≠do em Estudos Culturais (2017) na Escola de Artes, Ci√™ncias e Humanidades da Universidade de S√£o Paulo.


Sobre o livro

‚ÄúEste √© nosso corpo, a terra: caminhos e palavras Av√° Guarani/√Ďandeva para al√©m do fim do mundo‚ÄĚ
Yan Leite Chaparro e Josemar de Campos Maciel

Editora Monstro dos Mares
230 p√°ginas

Para apoiar a campanha de financiamento coletivo do livro acesse:
https://www.catarse.me/nossocorpoaterra

Publicado em Deixe um coment√°rio

Participe do financiamento coletivo do livro “Zumbi dos Palmares: por uma educa√ß√£o antirracista”, de Walter Vadala

zumbi dos palmares: por uma educação antirracista

Em “Zumbi dos Palmares: por uma educa√ß√£o antirracista“, Walter Vadala articula as possibilidades de encontros e di√°logos que emergem a partir da hist√≥ria de Zumbi para que educadoras e educadores possam compreender e combater o racismo utilizando-se da educa√ß√£o como mediadora e fazendo da escola mais que um ambiente de conhecimento te√≥rico, mas um ambiente de transforma√ß√£o social.

A Monstro dos Mares tem entre seus princ√≠pios a tarefa de disponibilizar exemplares impressos a bibliotecas comunit√°rias, coletivos, movimentos e centros sociais que, entre suas pr√°ticas, promovem uma educa√ß√£o libert√°ria, antirracista e que questionam o padr√£o euroc√™ntrico dentro e fora das salas de aula. A fun√ß√£o de nosso bonde editorial √© fazer do livro uma ferramenta de luta contra o capitalismo, a colonialidade e o patriarcado em todas as suas express√Ķes. Para a publica√ß√£o de “Zumbi dos Palmares: por uma educa√ß√£o antirracista“, vamos fortalecer as seguintes coletividades:

  • Biblioteca comunit√°ria de Parelheiros (S√£o Paulo – SP)
  • Biblioteca Comunit√°ria Livro Livre Curi√≥ (Fortaleza – CE)
  • Biblioteca Libert√°ria Maxwell Ferreira (Bel√©m – PA)
  • CIEJA Campo Limpo (S√£o Paulo – SP)
  • Quilombo das Artes (Porto Alegre – RS)
  • Frente Quilombola RS (Porto Alegre – RS)
  • Anarquistas contra o Racismo
  • Coletivo Cultura Viva (S√£o Paulo – SP)
  • R√°dio Comunit√°ria A Voz do Morro (Porto Alegre – RS)
  • R√°dio Comunit√°ria Aconchego (Recife – PE)
  • CCS Vila Dalva (S√£o Paulo – SP)

Para que muitos exemplares possam chegar nesses espaços precisamos da sua participação. Ao apoiar com valores a partir de 10 reais ou recomendar a campanha de financiamento coletivo do livro para suas amizades, você estará fortalecendo a distribuição de materiais que vão fortalecer efetivamente a luta cotidiana de quem faz educação.

“Zumbi dos Palmares: por uma educa√ß√£o antirracista” – para apoiar o projeto acesse: catarse.me/zumbidospalmares

O processo de publica√ß√£o de um livro exige a participa√ß√£o de muitas pessoas. Para colocar as ideias para circular, Vadala contou com a colabora√ß√£o de Monica Marques, que fez a diagrama√ß√£o e criou as belas e poderosas ilustra√ß√Ķes que comp√Ķem o livro. Tamb√©m est√£o neste projeto o carinho e aten√ß√£o de Luciana Teixeira Morais, que fez a revis√£o, e os generosos conhecimentos do bibliotec√°rio e ativista Paulo R. Freitas, que contribuiu com a ficha catalogr√°fica e aspectos formais de registro do material. Aqui na Monstro, nosso compa Da Vinci ajuda nas rotinas de m√≠dias sociais, Baderna James como assistente editorial (e impress√£o) e abobrinha como editora geral do projeto (e montagem). Com a sua participa√ß√£o, vamos debelar os limites f√≠sicos e sociais dos muros que cercam as universidades e formam verdadeiros abismos entre comunidade e conhecimento.

Publicado em 1 coment√°rio

Agradecimentos: financiamento coletivo “O √≠ndio no cinema brasileiro e o espelho recente”

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos

O apoio m√ļtuo persiste e √© o que nos permite continuar existindo de forma criativa. Essa reciprocidade possibilitou que a edi√ß√£o deste livro se concretizasse, mesmo em momento t√£o conturbado. Pr√≥ximo ao centen√°rio da morte de um dos grandes pensadores desse tema, trago √† tona um trecho de sua obra intitulada “A Inevit√°vel Anarquia”,

‚ÄúA imprensa n√£o tem outro tema: suas colunas est√£o repletas de relat√≥rios sobre os debates parlamentares, contados em seus mais √≠nfimos detalhes, bem como os fatos e os gestos dos personagens pol√≠ticos, de tal sorte que, lendo os jornais, n√≥s tamb√©m, esquecemos demasiado ami√ļde que h√° milh√Ķes de homens ‚ÄĒ toda a humanidade ‚ÄĒ que vivem e morrem na alegria ou no sofrimento, produzem e consomem, pensam e criam fora dessas poucas personalidades cuja import√Ęncia foi exagerada a tal ponto que ela cobre o mundo com sua sombra.‚ÄĚ

ANARQUIA (Piotr Kropotkin, Ed. Imagin√°rio, no prelo)

Por tudo isso, agradeço profundamente aos que compreendem essas palavras: foi e sempre será nós por nós!

Fico muito agradecido a todos os apoios que tornaram a produção do livro possível! Acredito ser este um momento importante para compartilhar o contexto original deste projeto, que surgiu em meio a uma necessidade pessoal de questionar o imaginário ocidental, esse mundo tragado pelo abismo, a partir da leitura da maneira como os personagens indígenas vêm sendo retratados no cinema brasileiro. Devo dizer que a trajetória de realização desse escrito foi dura e cheia de derrotas, boicotada e ridicularizada por muitos que achavam que ela não teria espaço na academia e no mundo universitário. Essas pessoas tinham e continuam tendo a sua razão ocidentalizada, baseada em seus preconceitos humanistas. Mas continuamos caminhando.

Nessa caminhada, cada vez mais encontramos aliados e fazemos pontes, n√£o sem rupturas e conflitos. Tais conflitos s√£o inerentes ao tema, e se alinham √†s posi√ß√Ķes contr√°rias a sua exist√™ncia, que julgam-no como algo atrasado, n√£o-civilizado, pouco pass√≠vel de an√°lise. Insistente e radicalmente ‚Äúselvagens‚ÄĚ seguimos, antes de nos percebermos e nos tornarmos ‚Äúcivilizados‚ÄĚ. Emanando energias ax√©s, muitas se somaram e somar√£o nessa caminhada. Por elas e muitos outros que vir√£o, agrade√ßo!

Quero fazer uma homenagem especial ao amigo Sergio Luiz Mesquita, professor de Hist√≥ria da rede estadual e morador de Duque de Caxias. Profundo conhecedor e praticante da m√°xima libert√°ria do Apoio M√ļtuo, o amigo me apoiou e abrigou em sua casa no Rio. A partir dessa proximidade, cada vez mais se interessou pelo o tema da terr√≠vel e tr√°gica hist√≥ria de contato e exterm√≠nio que os parentes sofreram aqui. Desenvolveu, ent√£o, seu estudo Doutoral sobre a imigra√ß√£o e as vis√Ķes que se tinham do imigrante ideal para o pa√≠s, relacionando-as ao suposto atraso que pensavam ser o √≠ndio para o Brasil. Juntou-se √† batalha e realizou estudos in√©ditos e pertinentes sobre a tem√°tica, revendo a constru√ß√£o e pol√≠tica de embranquecimento da na√ß√£o na constru√ß√£o da hist√≥ria a contrapelo, ainda que sua valiosa contribui√ß√£o tenha sido tragicamente interrompida ao ter sua vida ceifada na semana passada pela Covid-19.

Reafirmando a Resist√™ncia, criando e indo adiante, como dizia o zapatista Subcomandante Marcos, a terceira guerra mundial ser√° semi√≥tica. Esta obra recoloca a imagem dos povos amer√≠ndios no Bra$il na batalha das Barricadas do desejo! Por mais que os queiram enterrar, viraram sementes, assim sobrevivendo em um imagin√°rio p√≥s-pand√™mico. Retomando um outro gigante, que deve ser sempre citado, o Txai Ailton Krenak em uma entrevista j√° cl√°ssica diz que ‚Äúos povos ind√≠genas j√° sobrevivem h√° mais de quinhentos anos, quero ver √© como sobreviver√£o os brancos‚Ķ‚ÄĚ

Viva e deixe viver, vida longa aos povos da Floresta! Temos muito a aprender com o seu bem viver…

Juliano Gonçalves da Silva
Autor do livro O índio no cinema brasileiro e o espelho recente

Agradecimentos

Alai Garcia Diniz
Alessandra Schmitt
Almir José Pilon
Ariel Machado
Bernadete Scolaro
Caio Maximino
Cassius Marcelus Cruz
Celso Moreira Louzada Filho
Cl√°udia Mariza Mattos Brand√£o
Cristina Pacheco
Daniel Swoboda Murialdo
Danillo Bragança
Diego José Ribeiro
Doris Beatriz Neumann Wolff
Eduardo Sobral de Souza
Elizabeth de Siervi
Fernando Matos Rodrigues
Glaucos Luis Flores Monteiro
Guilherme Festinalli
Ian Fernandez
Iracema S de Souza
Jo√£o Neto
Jorge Luiz Miguel
Jose Paulo da Rocha Brito
Juliano Gomes
Juliano Jos√© de Ara√ļjo
Karina Segantini
Kinoruss Edi√ß√Ķes e Cultura
Lisandra Barbosa Macedo Pinheiro
Lucas Alves
Luciana Siebert
Luciani Moreira Brignol
Luiz Alberto Barreto Leite Sanz
Maclau Gorges
Magaly Rosa Moreira
Marcelle de Saboya Ravanelli
Marcelo Castequini Martins Ferreira
Marcelo Ribeiro
Maria Bet√Ęnia Silveira
Nando Korin
Nele Azevedo
Norberto de Jesus Prochnov
Nycolas dos Santos Albuquerque
Paulo Oliveira
Paulo Vitor Carr√£o
Ranulpho
Raphael Sanz
Rodrigo de Almeida Ferreira
Rodrigo Ribeiro Paziani
Rosy Dayane do Nascimento Costa
Sabrina Alvernaz Silva Cabral
Thaís Amorim Aragão
Vinicius Nepomuceno
Wilson Lira Cardoso
Zé
Apoios e contribui√ß√Ķes an√īnimas
Agradecimentos para apoiadoras e apoiadores que tornaram poss√≠vel a realiza√ß√£o do livro “O √≠ndio no cinema brasileiro e o espelho recente” de Juliano Gon√ßalves da Silva, realizada no Catarse, durante os dias 02 de Mar√ßo e 11 de Maio de 2020.
Publicado em 1 coment√°rio

Nosso projeto prossegue: agradecimentos Rede de Apoio Abril de 2020

O Brasil se transformou. A emerg√™ncia global da Covid-19 atingiu a sa√ļde e a seguran√ßa de todas as pessoas. S√£o tempos de cuidados e solidariedade com individualidades, comunidades e projetos pr√≥ximos. Tamb√©m √© um tempo de d√ļvidas sobre a manuten√ß√£o da vida e das atividades de nossa editora. Tivemos que tomar algumas medidas importantes, como abrir o chamado para um Fundo de Emerg√™ncia, decidimos em reuni√£o do conselho editorial suspender a√ß√Ķes dos lan√ßamentos programados para os pr√≥ximos meses e economizar na reposi√ß√£o de insumos.

Uma editora existe para distribuir ideias significativas a seu tempo e entendemos que nossa atividade de fazer livros e zines n√£o pode parar. Observamos uma compreens√≠vel e significativa queda nos pedidos em nossa loja virtual. Naturalmente, surgiram muitas d√ļvidas sobre como vamos atravessar esse per√≠odo, quest√£o comum entre a maioria das pessoas que conhecemos. Mesmo com tudo isso, percebemos que nossas amizades da Rede de Apoio no Catarse Assinaturas e no Picpay Assinaturas seguem confiando e acreditando no que fazemos pela diversidade de ideias e epistemologias.

Agradecemos aos apoios do mês de Abril de 2020:

  • Lucas Piteco;
  • Leonardo Feltrin Foletto;
  • Camila Silva;
  • Fyb C;
  • R.;
  • Viviane Kelly Silva;
  • Fernando Silva e Silva;
  • Caio;
  • Mauricio Marin Eidelman;
  • Willian Aust;
  • Geanny Paula Thiesen;
  • Guapo;
  • Jadson Stevan Souza da Silva;
  • Anna Karina;
  • Andrei Cerentini;
  • Vin√≠cius;
  • Rodolfo Maia;
  • Eduardo Salazar Miranda da Concei√ß√£o Mattos;
  • Lorenzo Basso Benevenutti;
  • Mayumi Horibe;
  • Daniela de Souza Pritsch;
  • Contribui√ß√Ķes an√īnimas.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um coment√°rio

Rede de Apoio mais linda em Março

rede de apoio de março de 2020

No m√™s de Mar√ßo de 2020, nossa Rede de Apoio ficou diferente. √Č imposs√≠vel deixar de notar que fazemos parte de um grande rizoma de a√ß√Ķes de solidariedade. No momento em que o Brasil e o mundo s√£o afetados pela pandemia do Novo Corona V√≠rus (Covid-19), cada pessoa tem a responsabilidade de cuidar de si, daquilo que chamamos de fam√≠lia, das amizades e das pessoas pr√≥ximas. Todo dia vemos demonstra√ß√Ķes de solidariedade com as pessoas que mais precisam de apoio, em gestos de diversos tamanhos. √Č hora de cada singularidade fazer um pouquinho mais por algu√©m: cada uma com suas necessidades, cada uma dentro de suas possibilidades.

Aqui na Monstro dos Mares temos muitas preocupa√ß√Ķes sobre a manuten√ß√£o da vida e a continuidade de nossas atividades. Pensando nisso, abrimos um chamado para a constitui√ß√£o de um “Fundo de Emerg√™ncia: Corona V√≠rus (Covid-19)“. Atrav√©s dele estamos recebendo a generosidade de nossas amizades. Agradecemos imensamente, tanto pelo apoio financeiro, quanto pelas palavras de incentivo que recebemos.

Nas palavras de nossa editora geral:

Estamos muito emocionadas com o suporte que estamos recebendo de amigas e amigos. Quero lhes dizer muitas coisas, agradecer bastante, reforçar a solidariedade e o carinho que está chegando até nós.
Mas ainda n√£o h√° palavras; por sorte temos essa can√ß√£o, que n√£o sai da minha cabe√ßa nos √ļltimos dias.
“Resistindo na boca da noite um gosto de sol”

Claudia Mayer

Esse sentimento de ajuda m√ļtua e coopera√ß√£o tamb√©m √© vis√≠vel na Rede de Apoio da editora no Catarse em no rec√©m-lan√ßado sistema de assinaturas no PicPay. A todos os apoios, nosso muito obrigado! Sigamos.

Rede de Apoio de Março de 2020:

  • Guapo Magon
  • Leonardo Feltrin Foletto
  • Camila Silva
  • Viviane Kelly Silva
  • Marcio Gomes Paes Costa
  • Fernando Silva e Silva
  • Mauricio Marin Eidelman
  • Willian Aust
  • Jos√© Vand√©rio Cirqueira
  • Lupi
  • Fyb C
  • Anna Karina
  • Caio
  • Andrei Cerentini
  • Jadson Stevan Souza da Silva
  • Lorenzo Basso Benevenutti
  • Geanny Paula Thiesen
  • Mayumi Horibe
  • Rodolfo Maia
  • Daniela de Souza Pritsch
  • Contribui√ß√Ķes an√īnimas

A Editora Monstro dos Mares precisa da sua ajuda para continuar, contribua com
a Rede de Apoio no Catarse ou PicPay e receba materiais impressos em sua casa. 🖨️

Publicado em Deixe um coment√°rio

Agradecimentos √†s contribui√ß√Ķes na Rede de Apoio em Fevereiro de 2020.

Agradecimentos √†s contribui√ß√Ķes na Rede de Apoio em Fevereiro de 2020.

Em Fevereiro nossos agradecimentos v√£o para as pessoas que entendem que um coletivo editorial de inspira√ß√£o an√°rquica e anarquista s√≥ √© capaz de existir quando h√° pessoas que entendem a necessidade e a urg√™ncia de uma ampla diversidade de temas, fontes de pesquisa e ferramentas de autoinstru√ß√£o. Assim, pessoas interessadas em descobrir novos mares de pr√°ticas sociais e aquelas que j√° est√£o navegando nessas √°guas podem ter acesso de baixo e baix√≠ssimo custo a textos que fazem emergir das profundezas refer√™ncias e fundamentos para articular respostas, ou partes de respostas, √†s perguntas de quem mergulha na pesquisa, na d√ļvida e na amplia√ß√£o de suas a√ß√Ķes.

Só é possível fazer e distribuir livros e zines porque algumas pessoas compreendem essa função das editoras anárquicas e anarquistas, e fortalecem na divulgação dos materiais, escolhendo alguns itens em nossa lojinha, chegando junto na banquinha ou entrando com recursos financeiros na Rede de Apoio quando viável. Ao contribuir com a Editora Monstro dos Mares, você participa de uma iniciativa contra toda e qualquer forma de opressão. Seu apoio contribui para a disseminação de conhecimentos dissidentes e não-normativos, fazendo-os chegar a coletivos e singularidades que atuam em nome da liberdade e da autonomia.

Nossos agradecimentos especiais vão para quem fortalece parte do aluguel do espaço físico, da energia elétrica e internet, papel de impressão, papel de capa, colas, grampos, equipamentos de impressão, equipamentos de corte, afiação, manutenção de impressoras, manutenção da caixa postal, viagens para eventos e, principalmente, da cobertura de custos de Correios para envio de materiais gratuitos.

Se voc√™ conhece algum coletivo ou biblioteca comunit√°ria que j√° recebeu um de nossos pacotes gratuitos, mande um al√ī! Adoramos saber como os materiais est√£o circulando. Caso queira indicar algum, por favor entre em contato atrav√©s de um de nossos canais:

E-mail: editora@monstrodosmares.com.br
Instagram: @monstrodosmares
Facebook: facebook.com/monstrodosmares
Telegram: Grupo ‚Äď @editoramonstrodosmares / Canal ‚Äď @monstrodosmares


Agradecimentos aos apoios do mês de Fevereiro de 2020:

  • Anna Karina
  • Andrei Cerentini
  • Jadson Stevan Souza da Silva
  • Caio Maximino
  • Lorenzo Basso Benevenutti
  • Mayumi Horibe
  • Daniela de Souza Pritsch
  • Camila Silva
  • Lucas Soares
  • Geanny Paula Thiesen
  • Viviane Kelly Silva
  • Jos√© Vand√©rio Cirqueira
  • Willian Aust
  • Guapo
  • Contribui√ß√Ķes an√īnimas

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um coment√°rio

Minidocument√°rio + agradecimentos Rede de Apoio Janeiro de 2020

Ol√° Compas!

Os meses de Janeiro e Fevereiro costumam ser bem malucos pra gente. Nos √ļltimos quatro anos, passamos o in√≠cio do ano mudando de casa, de cidade e de estado. Este √© o primeiro ano em que seguimos com as atividades da editora sem interrup√ß√Ķes e estamos utilizando esse per√≠odo para pensar sobre nossas atividades de editores, refletindo sobre as perspectivas e objetivos de nosso projeto editorial. Mas ser√° que realmente queremos ter rugas de mar calmo? Sabemos que uma vida sem tempestades n√£o faz bons marinheiros. Por isso, nosso olhar para a pr√≥pria realiza√ß√£o nos trouxe um pouco de perplexidade, pois descobrimos que precisamos de mais vento soprando nas velas para seguirmos desbravando os sete mares.

Ao perceber que nem todas as pessoas conhecem o percurso que nossos livros e zines percorrem at√© chegar nas m√£os leitoras, resolvemos criar uma s√©rie de v√≠deos apresentando parte de nosso dia a dia fazendo e distribuindo nossos materiais. Nossa editora geral e empacotadora abobrinha aproveitou o dia de fazer os envios da Rede de Apoio para gravar parte do trajeto de como os materiais s√£o escolhidos e embalados para os correios. Dessa forma, queremos tornar mais evidentes as decis√Ķes, os desafios e as dificuldades que enfrentamos para realizar essa atividade de jogar tinta no papel e faz√™-la chegar a v√°rios recantos do pa√≠s.

O minidoc tem uma hora de duração e fizemos todo o possível para que seja uma experiência que aproxime quem não está aqui conosco de nossa atividade diária. Se possível, deixe nos comentários sua opinião sobre vídeo. Valeu!

Agradecimentos Rede de Apoio ‚Äď Janeiro de 2020

Uma saudação especial às novas apoiadoras do projeto:

  • Camila Silva
  • Lucas Soares
  • Jadson Stevan Souza da Silva
  • Mayumi Horibe

Nosso carinho aos apoios de:

  • Viviane Kelly Silva
  • Enguia
  • Guapo
  • Willian Aust
  • Anna Karina 
  • Andrei Cerentini
  • Daniela de Souza Pritsch
  • Contribui√ß√Ķes an√īnimas

Nossa capacidade de seguir navegando depende diretamente do apoio dessas pessoas. √Č atrav√©s dessas contribui√ß√Ķes que conseguimos enviar materiais para bibliotecas comunit√°rias, coletivos, movimentos sociais, pesquisadoras e singularidades em todo o territ√≥rio deste imenso pa√≠s. Os recursos arrecadados tamb√©m s√£o utilizados para cobrir despesas de correios (aproximadamente 800 reais por m√™s), colabora√ß√£o nas taxas de aluguel / energia el√©trica / internet (em torno de 800 reais por m√™s) e tamb√©m para a manuten√ß√£o dos equipamentos de impress√£o, afia√ß√£o e lubrifica√ß√£o dos equipamentos de corte (duas guilhotinas e tr√™s tesouras), manuten√ß√£o e hospedagem do site, contrata√ß√£o de servi√ßos de rastreamento / acompanhamento por e-mail de encomendas, servi√ßo de caixa postal, aquisi√ß√£o de papel de impress√£o / papel de capas / tintas / cabe√ßotes de impress√£o / caixas de manuten√ß√£o e outras tantas despesas e investimentos mensais.

Ainda estamos distantes do horizonte de uma independência financeira que nos possibilite parar de vender os livros na loja e poder simplesmente fazer somente os livros e zines que são enviados gratuitamente. Por isso, a sua participação com qualquer valor a partir de cinco reais nos ajuda muito. Indicar nossa editora para outras pessoas também é uma forma de ajudar nosso projeto: mesmo que suas amizades não assinem nossa rede de apoio ou façam compras pontuais em nossa lojinha, ampliar as pontas de contato já ajuda bastante.

Mais do que um pedido, este tamb√©m √© um desabafo, pois nesses dias pudemos perceber que para seguir adiante tamb√©m teremos que compartilhar um pouquinho de nossos problemas, frustra√ß√Ķes e preocupa√ß√Ķes com o futuro.

Forte abraço,
Editores

Publicado em Deixe um coment√°rio

Editora Subta entrevista Editora Monstro dos Mares

Em Fevereiro de 2019 as amizades da Editora Subta estiveram em Ponta Grossa para uma conversa sobre os processos da editora, financiamento coletivo, produção artesanal, ecofascismo, colapso e necessidade de espaço físico para fazer livros. A conversa foi gravada em áudio para manter um registro e poder compartilhar com mais pessoas e fica aqui nosso convite para você ouvir e compartilhar com as amizades.

Você pode fazer o download do arquivo para ouvir offline. Via Archive.org


Sum√°rio

Nosso amigo Anders criou um sum√°rio do √°udio, obrigado.

  • [05:31 ‚Äď 08:44] Apresenta√ß√£o dos benef√≠cios concretos para a Editora nos 6 meses de Rede de Apoio (financiamento coletivo);
  • [08:45 ‚Äď 15:50] A-Fund (Fundo Anarquista), gratuidade das corpora√ß√Ķes, dinheiro no anarquismo, Biblioteca Anarquista Lus√≥fona
  • [15:51 ‚Äď 17:45] Livro ‚ÄúDeserto‚ÄĚ, o caminho para o qual as editoras caminham
  • [17:46 ‚Äď 28:04] Parte III: o que √© Ecofascismo? Ecofascismo versus AnarcoPrimitivismo. Livro ‚Äúcolapso‚ÄĚ. Alimentos org√Ęnicos.
  • [28:05 ‚Äď 35:55] ‚ÄúQuando o Deserto Chegar‚ÄĚ, ru√≠na do sistema atual, popula√ß√£o rural versus urbana.
  • [35:56 ‚Äď 37:30] O Deserto, duto de gasolina no M√©xico.
  • [37:31 ‚Äď 40:50] Livro ‚ÄúColapso‚ÄĚ e a palestra. Colapso clim√°tico, ecol√≥gico, social‚Ķ
  • [40:51 ‚Äď 47:20] Parte V: o que √© materialmente a Editora? Gourmetiza√ß√£o de livros independentes.

Links da entrevista

A Editora Monstro dos Mares precisa da sua ajuda para continuar, contribua com a Rede de Apoio no Catarse ou PicPay e receba materiais impressos em sua casa. 🖨️

Publicado em Deixe um coment√°rio

[livro] O mal-estar do dominante: agradecimento aos apoios

Pessoas da Terra, amizades e compas.

Entre os meses de Abril e Julho de 2019 nos movimentamos para buscar recursos capazes de construir boa distribui√ß√£o gratuita do exemplar impresso do livro ‚ÄúO mal-estar do dominante‚ÄĚ. Um t√≠tulo que consideramos de muita relev√Ęncia ao cat√°logo da Monstro dos Mares por abarcar em sua proposta aspectos que fazemos quest√£o de elencar ainda que brevemente.

Método: a autora busca em sua metodologia ouvir (e estudar) a voz de personagens que por muitas vezes nos escapam aos sentidos, ficando sua interpretação restrita à generalização apressada e ao senso comum. O homem branco, cis, hétero é o objeto desse estudo que busca compreender as origens de sua falta de empatia.

Forma: √Č raro, n√£o, rar√≠ssimo entrarmos em contato com um ‚Äúensaio enquanto tese‚ÄĚ. N√£o √© comum, nem sempre √© aceito, muitas vezes se perdem na origem. A universidade tem seus ritos e nem sempre √© poss√≠vel romper com as formas do estabelecido. A autora nos apresenta o ensaio em primeira pessoa que deu origem √† sua tese, que mesmo n√£o sendo aceito entre os muros do conhecimento dominante, foi recebido nesta editora de bra√ßos abertos e fazemos muito gosto de sua ampla divulga√ß√£o.

Em momentos t√£o dif√≠ceis de nossa sociedade, onde o preconceito, o patriarcado, a falta de amor e empatia causam estragos praticamente irrevers√≠veis nas rela√ß√Ķes entre as pessoas, esse livro traz unidade, senso de coopera√ß√£o e amor por tudo que acreditamos e por tudo que fazemos para combater as pequenas e as grandes opress√Ķes cotidianas.

Esse livro s√≥ foi poss√≠vel gra√ßas √† colabora√ß√£o e solidariedade de pessoas que voluntariamente contribu√≠ram no Catarse com recursos financeiros, transformando o projeto em realidade. Agradecemos imensamente as colabora√ß√Ķes de:

  • Adail Sobral
  • Barbara Iansa de Lima Barroso
  • B√™h Ars√™nio
  • Camilo Skrok
  • Carolina Fernandes
  • Clara Silveira
  • Claudia Mayer
  • Cristina Zanella
  • Emily Vasconcellos
  • Fabiane Lettnin
  • Janaina WH
  • Leonardo Morales Ferreira
  • Lucas Alves
  • Luci Mari Leite Jorge
  • Patr√≠cia dos Santos Quintana
  • Rafael Kimura
  • R√©gis Garcia
  • Rochele Souza Barbosa
  • Tiago Jaime Machado
  • Trober
  • Apoiadores e apoiadoras que optaram pelo anonimato
Publicado em Deixe um coment√°rio

Por uma impressora incendi√°ria

Ol√°, amizades!

Estamos na batalha para conquistar uma nova impressora, mais perigosa que a capa da revista Veja! Precisamos da sua ajuda, alegria e colabora√ß√£o para atravessar os novos tempos. Queremos continuar fazendo muitos livros e zines. De Agosto de 2017 at√© o m√™s de Junho de 2019, fizemos mais de 200.000 impress√Ķes. Queremos fazer muito mais.

O pr√≥ximo passo da Monstro dos Mares √© intensificar o envio de materiais gratuitos para bibliotecas comunit√°rias, coletivos, movimentos sociais, grupos e c√≠rculos de estudos e singularidades identificadas ou interessadas em pesquisar os princ√≠pios e pr√°ticas anarquistas, an√°rquicas e de epistemologias dissidentes. Nossa editora est√° disposta a divulgar trabalhos impressos que podem contribuir √† forma√ß√£o de pessoas interessadas em um modo de compreens√£o de mundo aut√īnomo, libert√°rio, n√£o-bin√°rio e an√°rquico.

Para isso, pedimos sua colabora√ß√£o na divulga√ß√£o de nossa campanha ‚Äúpor uma impressora incendi√°ria‚ÄĚ no Catarse (http://catarse.me/impressoraincendiaria). Com o novo equipamento e o apoio de monas, minas e manos, vamos enviar muitos materiais com destino aos diversos recantos do pa√≠s para fortalecer nossas culturas e resist√™ncias.

A campanha é na modalidade tudo ou nada (se não atingir o objetivo, o Catarse devolve a grana) e vai até o início do mês de Setembro. Agradecemos o seu carinho! =)

Livros e Anarquia!
Editora Monstro dos Mares
www.monstrodosmares.com.br