Publicado em Deixe um comentário

Financimento coletivo “Este é nosso corpo, a terra: Caminhos e palavras Avá Guarani/Ñandeva de Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu para além do fim do mundo”

“Este é nosso corpo, a terra: caminhos e palavras Avá Guarani/Ñandeva para além do fim do mundo” Yan Leite Chaparro e Josemar de Campos Maciel

“Este é nosso corpo, a terra: Caminhos e palavras Avá Guarani/Ñandeva de Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu para além do fim do mundo” / “Yvy péa ha’e ore rete: tapekuéra ha ñe’enguéra Ava Guarani/Ñandéva amogotyove oparire ko ñapyrũha”, um livro de Yan Leite Chaparro Josemar de Campos Maciel.

Resumo

A tese intitulada “ Este é nosso corpo, a terra: caminhos e palavras Avá Guarani/Ñandeva de Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu para além do fim do mundo” já tem no seu título o sentido básico de todo trabalho: a perspectiva do conceito de envolvimento como produção de realidade Avá Guarani/Ñandeva, que revela caminhos e palavras para além do fim do mundo, ou melhor, para além da invenção branca de desenvolvimento. O trabalho entende os Avá Guarani/Ñandeva como uma sociedade com densidade própria, em relação de simetria com a sociedade que a circunda. Em simetria, pois ambas são sociedades que possuem suas cosmologias, organização social, modos de existir, de ser e de fazer a vida. Em simetria, mas não necessariamente em harmonia, pois tecem caminhos contrários para produzir a sua realidade. Para os Avá Guarani/Ñandeva, essa produção acontece mediante movimentos de envolvimento enquanto que, para a sociedade marcada pelo movimento de aceleração capitalista/moderno, acontece no chamado desenvolvimento. Daí o ponto central de toda a tese. Trata-se de visões de mundo simétricas e tensionadas. Essa centralidade nos conduz a ouvir e construir juntos um discurso com os Avá Guarani/Ñandeva, de Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu sobre a cosmologia capitalista e desenvolvimentista produzida pela sociedade moderna, a invenção branca de desenvolvimento. O texto provoca a reflexão sobre o envolvimento como proposto pelos Avá Guarani/Ñandeva como forma/conteúdo de radical sofisticação para além do fim do mundo de humanos e não-humanos, questionando a hegemonia da invenção branca como sendo mais um mito fundador, que pode ser visto com outros olhos, e redimensionado – aqui, na imagem do sempre visto e esperado fim do mundo.

Ñe’ẽ mbyky’i

Ko tembiapo mohu’ã héra “Yvy péa ha’e ore rete Tapekuéra ha ñe’ẽnguéra Ava Guarani/Ñandéva Jakareypegua (Porto Lindo) Yvy Katu amogotyove opa’ỹmboyve ko ñapyrũha” oguerekóma pe ñe’ẽakãme he’iséva ñepytykovõrã tembiapópe, mba’éichapa jahecha umi he’iséva tembiapo ramo umi Avá Guarani/Ñandéva hekoitépe ohechaukáva tapekuéra ha ñe’ẽnguéra amogotyove oparire ko ñapurũha, térã, amogotyove umi karaikuéra ojejapóva ñepytyvõrã. Ko tembiapo oĩva tenondeve ohechakuaa Ava Guarani/Ñandéva ha’eha peteĩ tekohaygua oguerekóva ijykére pe teko capitalista/moderna, mokõive oguereko pe hekópe arapygua, pe mba’éichapa omba’apo, mba’éicha oiko ha mba’éichapa oiko. Ojoehe katu tape iñambue ha’ére mba’apoharakuéra ombohekóva imba’ete. Ava Guarani/Ñandévape guarã pe omoañetéva oikóva oiko pe jeku’e ha’e oimeháme ha teko capitalista/modername oiko pe jeku’e mba’epotaguévi. Péa ha’e pe iporãvéva ko tembiapópe, oñondie ha nahániri. Pe mombyte ome’ẽ ojejapo haĝua críticas, inversões ha ñeporandu Ava Guarani/Ñandéva ndive Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu guándi pe jehechapy tuichakue capitalista ha mba’epota potavéva ombohekóva pe teko pyahu, pe mba’e pyahu karai mba’e mba’epota potavéva. Pe ojapóva ñeporandu mba’epota rehegua Ava Guarani/Ñandéva ndive mba’éicha forma/conteúdo omoañetetéva amogotyove pe pyrũha oparire tekovépe ha ndaha’éiva, ñeporandu pe mbarete karai mba’e pyahu ha’éva mba’epota potave mbyte ramo omoheñoiva pe ojehecháva ha oñeha’arõva pyrũha opataha.


Sobre os autores

Yan Leite Chaparro é filho de pai paraguaio e mãe sul-mato-grossense, neto de paraguaios e nordestinos, organização comum e representativa sobre o processo histórico do Mato Grosso do Sul onde, esse trabalho foi inscrito. O pesquisador é formado em Psicologia, com formação em Psicodrama Clínico. É também Mestre e Doutor em Desenvolvimento Local pela Universidade Católica Dom Bosco. Trabalha com os Avá Guarani/Ñandeva e os Kaiowá/Pai`Tavyterã desde 2010 a convite da Profa. Dra. Rosa Colman e do Prof. Dr. Antônio Brand (in memoriam) . Hoje junto com o trabalho com os Guarani que vivem no Mato Grosso do Sul, também trabalha no, campo clínico do Psicodrama em consultório e em comunidades urbanas. É integrante do Grupo de Pesquisa Estudos Críticos do Desenvolvimento/CNPq e do Laboratório de Humanidades/LabuH.

Josemar de Campos Maciel é professor de Filosofia (de 1994 até o presente) e pesquisa na área do Desenvolvimento, sendo líder do Grupo de Pesquisa “Estudos Críticos do Desenvolvimento” (CNPQ). É doutor em Psicologia (2004). Atualmente, é Docente Permanente dos Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Local da Universidade Católica Dom Bosco – MS, e presidente do Comitê Científico da mesma Universidade. Possui estágio pós-doutoral concluído em Estudos Culturais (2017) na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.


Sobre o livro

“Este é nosso corpo, a terra: caminhos e palavras Avá Guarani/Ñandeva para além do fim do mundo”
Yan Leite Chaparro e Josemar de Campos Maciel

Editora Monstro dos Mares
230 páginas

Para apoiar a campanha de financiamento coletivo do livro acesse:
https://www.catarse.me/nossocorpoaterra