Publicado em Deixe um comentário

Manifestos Cypherpunks: financiamento coletivo

Manifestos Cypherpunks

Precisamos do seu apoio para viabilizar o lançamento e distribuição do livro “Manifestos Cypherpunks”, que é a segunda publicação da coleção “Tecnopolítica”, coordenada pelo BaixaCultura (laboratório online de cultura livre & contracultura digital) e a Editora Monstro dos Mares (divulgação acadêmica anárquica). Depois do lançamento de “A ideologia Californiana”, texto seminal da crítica ao neoliberalismo tecnocrático do Vale do Silício feito em 1995 por Richard Barbrook e Andy Cameron, o segundo volume da coleção reúne alguns dos primeiros alertas contra a vigilância massiva na era da internet. São textos escritos na época que a rede mundial dos computadores ainda engatinhava, entre o final dos anos 1980 até meados dos 1990, por pessoas que conheciam a fundo alguns aspectos dos aparatos técnicos que faziam funcionar a rede e queriam nos fazer ficar atentos a eles.

A publicação reúne:

  • Introdução “Criptografia em Defesa da privacidade”, que contextualiza a produção dos textos, escrito por Leonardo Foletto, organizador da publicação, editor do BaixaCultura, jornalista e pesquisador ;
  • “Por que eu escrevi o PGP”, de Philip R. Zimmermann (1991);
  • “Manifesto Criptoanarquista”, de Timothy C. May (1993);
  • “Manifesto Cypherpunk”, de Erick Hughes (1993), todos traduzidos do inglês pelo coletivo Cypherpunks e revisado por Victor Wolfenbüttel;
  • Posfácio “Retrospectiva e expectativa Cypherpunk”, escrito pelo pesquisador em criptografia e diretor do IP.Rec, André Ramiro, que recupera o histórico e a importância da discussão da criptografia para 2021;
  • Anexo, chamado “Cripto-Glossário”, escrito por Timothy C. May e Eric Hughes em 1992, documento histórico sobre os termos utilizados nos estudos e na prática da criptografia.

Originários de uma vertente da cultura hacker mais afeita a ação política, em contraponto a outra mais ligada ao liberalismo empreendedor das startups do Vale do Silício, os cypherpunks surgem nos anos 1990 dizendo que a única maneira de manter a privacidade na era da informação é com uma criptografia forte. Mais de trinta anos depois de sua gênese, o ideal dos cypherpunks ainda é presente sobre gerações de criptógrafos, programadores e ativistas, entre eles os reunidos em tornos das criptofestas em diversos lugares do mundo, entre elas a CryptoRave, principal evento da área no Brasil.

Esta publicação, realizada de maneira artesanal e independente, busca fomentar a discussão e o conhecimento crítico histórico sobre o legado dos cypherpunks num mundo onde a internet se tornou a principal ferramenta de vigilância do planeta.

Apoiar a campanha de financiamento coletivo:
https://www.catarse.me/manifestoscypherpunks

Manifestos Cypherpunks
Organização e introdução: Leonardo Foletto
Tradução: Coletivo Cypherpunks
Revisão da tradução: Victor Wolffenbüttel
Posfácio: André Ramiro
Diagramação e capa: Baderna James
Montagem e finalização: abobrinha
Revisão: Raphael Sanz

60 páginas A5 (14 x 21 cm);
Capa em papel colorplus de 180g;
Edição artesanal, lombada canoa, refilado;
Impressão em tinta pigmentada de alta qualidade;
Diagramação e impressão utilizando 100% de energia solar.

Publicado em Deixe um comentário

Feliz 2019, criptografe seus dispositivos!

O ano de 2019 já começou e 2013 nem mesmo terminou. O estado de vigilância, as perseguições e criminalização das lutas, dos movimentos e das pautas sociais sempre estiveram em funcionamento mesmo antes da aprovação da Lei Antiterrorismo sancionada pela presidenta Dilma. Só que agora a coragem de alguns adquiriu novas configurações e indígenas estão sendo assassinados por bandos desconhecidos (que muitos sabem que são pau-mandados do agronegócio), os direitos sociais da classe trabalhadora recua cada dia mais com a terceirização irrestrita, privatizações, achaque na previdência e outros tantos.

Aqui na Monstro dos Mares nós fazemos livros e desde antes da Operação Érebo já sabíamos que livros não podem ser provas de crimes, mas que estão sendo criminalizados. Entra governo, sai governo, recebemos notícias de que a moradia de militantes sociais, centros de cultura libertária, ocupas, ongs, sede de federações anarquistas estão sendo invadidas, onde curiosamente livros (sim, livros!) e garrafas PET são apreendidos e exibidos para as câmeras de TV como indícios de crimes potenciais numa verdadeira afronta à racionalidade humana.

Mas afinal que tipo de racionalidade esperamos?

Fazemos livros para que mais e mais pessoas possam descobrir por seus próprios meios ou de mãos dadas com monas, minas e manos, que a liberdade não deve ser apenas um direito dado aos ricos, tirando-as de quem mais sofre. Nossos livros contêm palavras daquelas pessoas que lutam por direitos sociais, por igualdade, por reconhecimento das diversidades, pelo direito à terra, pelo acesso à condições dignas de moradia e trabalho. Nossas edições, bem como impressões de editoras e coletivos que consideramos próximas às nossas ideias tratam de perspectivas anárquicas de enfrentamento às opressões, sejam elas onde estiverem: no preconceito racial, na desigualdade social, no binarismo de gênero, determinismo biológico, especismo, do marido/padre/pastor, do patrão, da pátria, da polícia, da política, do mercado e do estado. Não interessa onde estão as opressões, interessa é saber como você vai arregaçar as mangas, esticar os braços e (re)tomar o seu espaço.

Para isso convocamos:

Criptografe seus dispositivos, utilize navegação segura, crie ruídos nas frequências onde você e seus não possam ser escaneados. Encontre-se, discuta, produza, manifeste e celebre, ainda que secretamente, ainda que ninguém possa ver.

Faça de 2019 o início de um novo tempo contra o fim de todas as opressões!

Proteja seus dados: