Publicado em 3 comentários

Uma editora artesanal 100% energia solar

energia solar

Garantir autonomia energética é um objetivo antigo e a energia solar se apresentou como alternativa viável.

Faz um tempão que pensamos imprimir livros e zines utilizando energia elétrica independente da rede da concessionária. Em 2017, a Monstro dos Mares funcionava em uma pequena área rural em União da Vitória, no Paraná, e lá colocamos as primeiras plaquinhas para carregar celulares e um powerbank. Também estudamos a possibilidade de construir uma roda d’água utilizando um motor de passo, porém mudamos de casa antes de iniciar esse projeto. Mas a vontade de rodar a impressora utilizando energias renováveis permaneceu.

Desde então fazemos testes, experiências, tentativas, erros e acertos. Um dos principais desafios é garantir a autonomia energética sem gastar muito e o caminho que encontramos foi a energia solar fotovoltáica. O preço elevado de alguns equipamentos exige paciência e algum planejamento. A ansiedade em colocar o sistema para funcionar faz com que erros no dimensionamento ou na escolha de equipamentos aconteçam, e isso é parte da experiência desse aprendizado constante.

Sem ignorar as dificuldades e as lutas para garantir a existência e a manutenção de espaços autônomos, a Monstro dos Mares tem entre seus objetivos a construção de um projeto de inspiração anárquica e anarquista de longo prazo, capaz de estabelecer vínculos duradouros com espaços, coletivos, movimentos sociais, grupos de estudos, bibliotecas comunitárias e outras formas de organização que fazem o enfrentamento diário na construção de pontos de acolhimento, liberdade, educação e autonomia.

Neste momento, a Editora Monstro dos Mares está funcionando com energia solar em 100% da sua necessidade energética — computadores, impressora, periféricos e iluminação. Este post não é apenas uma comemoração; é também um chamado para trocar experiências com monas, minas e manos que buscam alternativas para a geração de energia fora da rede da concessionária em seus espaços coletivos urbanos e rurais. Com essa ideia de compartilhar experiências, erros e aprendizados, colocamos no ar um hotsite chamado Projeto Editora Solar, onde apresentamos em detalhes o nosso sistema e o de compas que também tocam livros ou mantêm seus espaços utilizando a energia solar.

Acesse: https://monstrodosmares.com.br/solar/

Para dúvidas, relatos e trocas de experiências, entre em contato através do e-mail solar@monstrodosmares.com.br

3 comentários sobre “Uma editora artesanal 100% energia solar

  1. “Este post não é apenas uma comemoração; é também um chamado para trocar experiências com monas, minas e manos que buscam alternativas para a geração de energia fora da rede da concessionária em seus espaços coletivos urbanos e rurais.”

    Bacana! Minha experiência de energia alternativa (térmica, não elétrica) já foi postada pra vocês nos Correios antes desse post de vocês ser feito — talvez já esteja em vossas mãos, ou talvez ainda esteja pra chegar… Fui suscinto no texto pois era um Anexo ao texto principal, não achei que fosse ser muito do vosso interesse, à época da escrita.

    Por ora, infelizmente, não disponho de recursos financeiros suficientes pra gerar energia elétrica em casa; tampouco a captação e tratamento de água, que também é do meu interesse. O que consigo fazer hoje é gerenciamento de resíduos sólidos, mas já é bastante satisfatório conseguir fazer isso, sendo que há 2 anos eu não tinha nenhuma previsão de quando conseguiria fazê-lo.

    Quem sabe quando eu conseguir um emprego mais bacana? Vou seguindo, um passo de cada vez…

  2. Sugestão para o hotsite: seria bacana separar “2019” e “2020” em seções diferentes, pra ficar mais claro a que ano “janeiro”, “fevereiro”, “julho” se refererem. No hotsite de Numerologia a divisão entre os anos é bastante clara, pois existem uns DIVs fazendo papel de H2 e dividindo a linha do tempo em seções.

    1. Boa sugestão, farei isso.

Deixe um comentário bem bacana!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.