Publicado em 11 comentários

Coloque seu zine para navegar

Alerta de atualização

Esse artigo foi atualizado dia 22 de Março de 2020, às 12h 51min.

Atenção artilheiro
Três salvas de tiros de canhão
Em honra aos mortos da Ilha da Ilusão
Durante a última revolução do coração e da paixão
Apontar a estibordo… Fogo!

Orquídea Negra – Zé Ramalho

O coletivo libertário de publicações artesanais Editora Monstro dos Mares convoca fanzineirxs para embarcarem em nossa próxima aventura pelos 7 mares da palavra. Desenvolvemos um serviço de distribuição de zines através dos correios e coletivos participantes.

Mensalmente são enviados pacotes com cerca de sete zines e um livro, dependendo da quantidade de páginas de cada zine selecionado. O valor da assinatura começam em 1 Real e nosso objetivo é colocar mais e mais zines para rolar, chegar nas mãos de pessoas, coletivos, banquinhas, distros e pesquisadoras. Todos os recursos arrecadados são utilizados na manutenção do espaço da editora, equipamentos, impressão de materiais e claro, muitas despesas de correios.

Por isso convidamos pessoas, grupos, coletivos, federações, redes, turmas, bandos e bandas que tenham zines, mesmo aqueles engavetados, para enviarem ao nosso coletivo e serem distribuídos.

Para distribuir seu zine, você pode enviar exemplares impressos para nosso endereço ou o arquivo PDF para nosso e-mail:

Monstro dos Mares
Caixa Postal 1560
Nova Rússia 🇷🇺
Ponta Grossa – PR
84071-981

editora@monstrodosmares.com.br

Caso você tenha interesse em receber os zines na sua casa, basta espiar à bombordo e fazer a sua assinatura nos meios disponíveis:

Ahoy!

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

11 comentários sobre “Coloque seu zine para navegar

  1. “O valor da assinatura começam em 1 Real”

    Da Rede de Apoio? Consta lá que o valor mínimo é R$5.

    1. Olá compa! Obrigado por voltar! A assinatura no PicPay é a partir de 1 real, no catarse 5 pila. Qualquer coisa só chamar aí. Você não usa telegram?

      1. Ah, tá, é que não tem como enxergar nada a respeito do PicPay sem ter o aplicativo instalado primeiro.

        Eu nunca me interessei em participar de algum projeto de vocês no Catarse pois não quero ter que entregar meu nome de batismo completo e CPF pra poder fornercer-lhes dinheiro. Eu não acho legal ter que fornecer esse tipo de identificação para se associar a um projeto anarquista, pois assim, caso a situação política mude para pior, a vinculação dos meus dados aos seus poderiam nos pôr na cadeia. Então, o PicPay é diferente do Catarse nesse quesito?

        1. Salve. Bom, antes de qualquer coisa precisamos estar cientes que transações não-rastreáveis são bem difíceis de existir (inclusive Bitcoin). Mas existem maneiras simples de tornar o rastreamento mais embolado e bem mais complexo de rastrear. O método mais simples é o boleto, pois podemos criar boletos com os nossos dados tanto no cedente quanto no beneficiado. Isso é bem mais comum do que você imagina. Cartões presente da Kalunga (papelaria on-line com loja física na cidade que estamos), o bom e velho vale postal. Também dá pra enfiar uma onça pintada dentro de um livro e enviar pelos correios, você pode fazer o catarse ou mesmo picpay em nome de um parente ou amigo. Também é possível criar uma conta no catarse utilizando o famoso “gerador de cpf”. Dai vai da criatividade.

          Mas a grande questão é, e espero que as autoridades leiam isso, nós não cometemos crimes, nós simplesmente fazemos livros. Se fosse a editora de uma entidade religiosa haveria problemas? Se fosse a editora de um sindicato haveria problemas? Se fosse a editora de um partido religioso haveria problemas?

          A Editora Monstro dos Mares existe juridicamente através do CNPJ 17.752.851/0001-93 e se propõe a realizar a divulgação acadêmica de textos anárquicos e anarquistas ou de epistemologias dissidentes que questionam a ordem e a normalidade.

          A pergunta é: livros acadêmicos são provas de crimes? Jamais!

          Abração e aguardo sua contribuição =]

          1. Eu sei que livros não são crimes… HOJE. Não se sabe que mudanças a legislação terá no dia de amanhã, mas se sabe que anarquistas viram alvo de perseguição do governo sempre que este se torna mais autoritário. Sejam militares pró-iniciativa privada, sejam (nacional-)socialistas, sejam comunistas, sejam monarquistas… Os anarquistas sempre viram alvo.

            Se não me engano, em um post bem antigo do blog da Monstro vocês falavam da Operação Érebo, e linkavam para um post no blog da Editora L&PM onde o dono estava irritadíssimo com essa operação policial, comparando-a com a época em que a casa da família dele foi invadida pelo DOPS, que confiscou “O Vermelho e o Negro” do Stendhal alegando que era livro comunista.

            Acho que não é demais ser precavido, no meu caso particularmente.

          2. Toda precaução é bem-vinda.

  2. Existem critérios, pré-requisitos, e/ou custos para que os zines enviados sejam distribuídos, ou todos os zines recebidos por vocês são encaminhados para os assinantes?

    1. Não tem muitos critérios, como a recorrência é muito baixa, então geralmente a gente envia o que recebe.

      1. Podem estar escritos em qualquer idioma?
        Podem ter qualquer formato?

        1. Olá Anders, nessa modalidade o ideal é que os zines sejam autorais ou de algum coletivo que você participa. Preferencialmente A5 ou A6, Mas rodamos o Amopoema de vez em quando e ele vem no formato L de 10 centímetros. Pode ser em qualquer idioma.

          1. Creio ter entendido: zines com textos apropriados de outras fontes não valem, pois os textos não são autorais, embora a confecção do zine em si seja.

Deixe um comentário bem bacana!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.