Publicado em Deixe um comentário

Sobre cuidados e como estamos todos fodidos caso não façamos grandes mudanças (Peter Gelderloos )

peter gelderloos

Mensagem de Peter Gelderloos 31 de Dezembro de 2020

Assim, em teoria, é o último dia de 2020, mas não me surpreenderia se descobríssemos algum novo tipo de duplo ano bissexto de merda.

2020 tem sido um ano realmente difícil. A maioria de nós perdeu amigos e companheiros, muitos perderam familiares. Derramamos os nossos corações em iniciativas de sobrevivência expandidas e rebeliões ardentes, mas ainda não foi suficiente. Ainda não vimos o fim de toda a dor acumulada nos nossos círculos. Quero agradecer à dúzia de amizades que tornaram possível que eu sobrevivesse a este ano, sendo atenciosos e atentos. São os anarquistas mais verdadeiros que conheço, alguns dos únicos que realmente compreendem a solidariedade e a ajuda mútua. Mas os agradecimentos são inúteis se não estivermos abertos à mudança.

Refletindo sobre essas amizades, são quase todas mulheres, não brancas e pessoas neuro-atípicas. Peço veementemente a todos que pensem nas pessoas que cuidaram de pessoas em seus círculos (se você é uma delas, dê a si próprio um pouco de amor). Os homens e as pessoas neurotípicas precisam se comprometer com isso. O cuidado é uma habilidade para toda a vida. Ninguém vai aprender isso num só dia. Mas há algo que podemos mudar AGORA e temos de mudar se não quisermos que as nossas (pseudo)comunidades caiam e ardam em trauma, depressão e pobreza no próximo ano.

Para quem você olha como o alicerce da sua comunidade/círculo, aquela pessoa cuja orientação você procura para estabelecer normas sobre como se comunicar, resolver conflitos, lidar com aqueles que sofrem, moldar o espaço social? É melhor que sejam aquelas pessoas em quem pensou (que pertencem ao teu círculo). Devem ser aqueles que todos ouvem enquanto construímos as nossas comunidades/círculos.

Não deveria ser o acadêmico a citar Agamben, o amigo que te ensina a atirar, o que tem contatos em todo o mundo, o babaca que escreve livros, o que faz as melhores festas (a menos que sejam também o que se ocupa das pessoas, já que somos todos multifacetados). Todos esses outros tipos têm algo a oferecer em momentos importantes de luta (exceto as festas, bah humbug!)1 . Mas, na maioria das vezes, é para eles que damos poder para estruturar as nossas comunidades e é por isso que temos cenas produtivistas, militaristas, dogmáticas ou baseadas na popularidade. E estes são completamente incapazes de lidar com estafa (burnout) e traumas, ou de centrar as relações na sobrevivência coletiva, que é a característica que define uma comunidade real.

Uma teoria anarquista do poder reconheceria e valorizaria cada atividade que cria a nossa liberdade e bem-estar, deveria celebrar a experiência daqueles que a têm e encorajar cada um a desenvolver as suas próprias forças.

Em vez disso, exploramos e marginalizamos aquelas de quem mais dependemos para a nossa sobrevivência coletiva. Metade das pessoas com quem se pode contar para o sustento têm estado à beira do suicídio este ano. Quero mandar um sincero foda-se a todos os que não têm pensado nisso (em cuidar) e que continuam a construir as nossas comunidades falhas em torno de todas as lógicas erradas. Vão à merda. Comprometam-se. Se ainda não perceberam que a nossa sobrevivência está em risco, saiam já daqui.

Todo o meu amor para as pessoas que têm carregado todo esse fardo. Sim, todo o meu amor para as pessoas que têm estado na linha da frente, organizando protestos, escrevendo e debatendo. Sabendo, simplesmente, quando brilhar e quando segurar outra pessoa.

Finalmente, do fundo do meu ser, uma maldição imortal para os dois tipos de “camaradas” que, na minha perspectiva, têm sido os mais prejudiciais. Aqueles que ajudam os abusivos, evitam críticas ou consequências, que se fazem de neutros, giram o moinho de rumores porque têm muito medo de falar cara a cara. E, políticos do movimento que impõem suas ideias de classe média do que é possível acima do que as pessoas realmente precisam numa situação potencialmente revolucionária; desde greves de aluguéis a rebeliões anti-polícia. Que sofram uma infelicidade sem fim ou uma autoconsciência aguda dos danos que causaram.

Mas sim, amor para todos os outros.

Por favor, faça com que os seus amigos leiam isto, especialmente os produtivistas ou os legalzões (fadas sensatas da violência e das alianças)

É isto, tchau.


Tradução e revisão: Absort0, Fernando, abobrinha.


  1. Nota: Expressão utilizada pelo personagem Ebenezer Scrooge, de Charles Dickens, que se tornou símbolo de sua rabugice []

Deixe um comentário bem bacana!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.