Publicado em 1 comentário

2022: existir é cuidar

2022: existir é cuidar
Acreditamos que a atividade de fazer livros está ligada à reflexão sobre o tempo em que vivemos. Por isso, a cada início de ano escolhemos um tema para nos acompanhar no dia a dia. Este texto expõe nossas reflexões e visões mundo para inspirar as atividades de 2022.

No grande abismo em que vivemos, buscamos incessantemente formas de manter algum equilíbrio, alguma base de apoio que nos possibilite a continuidade da existência. Apenas existir, mais frequentemente do que gostaríamos, mostra-se como nosso primeiro desafio. Precisamos cuidar de nós e de nossas comunidades para que nossa existência continue possível.

No percurso desses noves anos de editora, aprendemos que existem diversos modos de se compreender o que está no mundo. Cada pessoa carrega consigo conhecimentos, práticas criativas, anseios, éticas e visões de mundo. É interagindo e compartilhando ideias e momentos que florescemos possibilidades múltiplas de existência: cada encontro é uma janela aberta a todas as possibilidades. Nesses encontros, nos deparamos com relações que gostamos de manter e que apoiam nossa permanência neste tempo. A variedade dos encontros que tivemos nesses anos de editora nos ajudou a constituir relações de cuidado e amizade, surpresa e confirmação, descoberta e transformação. Através de nosso compromisso diário com o fazer livros, nos deparamos com o cuidado que nos proporciona a existência e ir além do apenas existir.

Foram muitos encontros com pessoas que nunca havíamos visto, com amizades que moram longe, momentos com a natureza, novos filmes, construção de projetos comunitários, nas páginas de um livro, muitas conversas, ações e atividades cotidianas. Refletindo sobre como tudo isso nos afeta, passamos a compreender as possibilidades frutíferas desses encontros como cuidado.

Nossos corpos, existências e ideias estão sob a ameaça constante dos efeitos nefastos do capitalismo, da acumulação do poder, da supressão das subjetividades e do fetiche pelo domínio da técnica. Os fenômenos sociais e históricos estão, em diferentes escalas, sob a influência dessas ameaças. Testemunhamos o massacre de comunidades indígenas e da juventude negra, a precarização sistêmica de nossa gente trabalhadora, opressões em torno de identidades de gênero, sexualidade, etnia e/ou religiosidade, a destruição do meio ambiente, entre outras tantas consequências da necropolítica. É nesse contexto que o cuidado se torna uma de nossas ferramentas de resistência, pois é no cuidar que estabelecemos relações com o mundo. Por isso, muito mais que contingência, contingência, o cuidado é uma necessidade que constitui a vida e a forma como cuidamos define aquilo que somos.

Existem muitos modos de promover o cuidado. Não precisamos de grandes planos ou de promessas para o futuro. Precisamos viver melhor hoje: mesmo que o mundo fosse acabar amanhã, eu ainda plantaria uma árvore hoje.

Acreditamos que parte do mundo está constituído daquilo que podemos fazer com nossos saberes e criatividade. O cuidar pode ser uma horta comunitária, uma biblioteca, grupos de escuta ativa, dança, brigadas autônomas de combate a incêndios na floresta, ateliês de costura, afeto, água limpa, cooperativa de tradutoras, pesquisa, compostagem, culinária vegana, agroflorestas orgânicas, serigrafia, ginecologia natural, hackerspaces, tranças, alfabetização de pessoas adultas, bioconstrução, desinfecção comunitária, cooperativas de atividades para geração de renda, entre outras tantas. Na Monstro dos Mares, parte do cuidado que temos para existir no mundo é fazer livros artesanais. E sabemos que não somos apenas isso, somos todos os encontros e as possibilidades ao mesmo tempo; existir é cuidar.

Em 2022, fortaleça o cuidado!
Monas, Minas e Manos.
Editora Monstro dos Mares

Outras reflexões


  • 2022: existir é cuidar

    2022: existir é cuidar

    Acreditamos que a atividade de fazer livros está ligada à reflexão sobre o tempo em que vivemos. Por isso, a cada início de ano escolhemos um tema para nos acompanhar no dia a dia. Este texto expõe nossas reflexões e visões mundo para inspirar as atividades de 2022. No grande abismo em que vivemos, buscamos […]


  • Tirar do repositório e levar para o território

    Tirar do repositório e levar para o território

    [Na imagem: encontro da editora com amizades e apoiadores] A Monstro dos Mares existe para fazer as ideias circularem, chegarem por aí de mão em mão. Em 2020, com pandemia e tudo, distribuímos gratuitamente 821 livros e 1.211 fanzines/livretos. Hoje decidimos celebrar esse número, porque fazemos e distribuímos livros e zines artesanais, feitos à mão, […]


  • A necessidade urgente de descolonizar a pesquisa social latino-americana (Entrevista com Silvia Cusicanqui)

    A necessidade urgente de descolonizar a pesquisa social latino-americana (Entrevista com Silvia Cusicanqui)

    Cuestiones de Sociología1 reuniu quatro intelectuais e acadêmicas latino-americanos para responder a questões sobre o âmbito da dependência intelectual e os dilemas que a teoria social latino-americana enfrenta. Silvia Rivera Cusicanqui da Bolívia; Jose Mauricio Domingues do Brasil; Arturo Escobar da Colômbia e Enrique Leff do México. Publicamos aqui a entrevista com Silvia. Maristella: Muitos […]


  • Em 2021, tire a p̶e̶s̶q̶u̶i̶s̶a̶ insurreição do armário!

    Em 2021, tire a p̶e̶s̶q̶u̶i̶s̶a̶ insurreição do armário!

    Além de ampliar as perspectivas e referências da sua pesquisa, a Editora Monstro dos Mares está em ação para fortalecer a atividade de espaços comunitários, sociais, movimentos, coletivos e singularidades. Atuamos com a vontade de aumentar a felicidade e a autorrealização das pessoas que fazem parte de nossa iniciativa editorial, tal como daquelas que se […]


  • Reflexões: O índio no cinema brasileiro e o espelho recente

    Reflexões: O índio no cinema brasileiro e o espelho recente

    Chegamos à última semana da campanha de financiamento coletivo do livro O índio no cinema brasileiro e o espelho recente, de autoria de Juliano Gonçalves da Silva. Por isso, aproveito este momento para levantar apontamentos para além do texto, pois sabemos que, ao chegarmos à ultima página de uma obra, começamos um novo processo de […]


  • 2020: coloque a editora do seu movimento/coletivo para navegar

    Desde 2012, a Editora Monstro dos Mares vem passando por profundas modificações. Quem acompanha nosso bonde pode perceber que algumas técnicas e o volume de impressão mudaram bastante, mas que a natureza de nossa atividade segue exatamente a mesma: publicar os modos de pensar e as práticas que formam os movimentos de luta social de […]


  • [reflexão] Para publicar – A necessidade de tinta no papel nas publicações anarquistas da atualidade (por Aragorn!)

    Dentro de cada pessoa cínica, há um idealista desapontado. George Carlin Se publicar é a prática de colocar tinta no papel e jogar na mão do povo, então criar uma editora é barbada (principalmente se for uma editora anarquista). Embora existam indiscutivelmente mais livros anarquistas sendo publicados do que em qualquer outro momento da história, […]


  • Seu manifesto, sua cultura (por Seth Godin)

    Seu manifesto, sua cultura (por Seth Godin)

    É fácil relacionar um monte de banalidades e chamá-las de “missão”. Mas o que acontece se você realmente tem uma missão específica, uma cultura em mente, um manifesto por suas ações? A escolha essencial é esta: você tem que descrever (e viver) as escolhas difíceis. Você tem que descobrir o que você vai enfrentar. Acima […]


Publicado em Deixe um comentário

Sobre cuidados e como estamos todos fodidos caso não façamos grandes mudanças (Peter Gelderloos )

peter gelderloos

Mensagem de Peter Gelderloos 31 de Dezembro de 2020

Assim, em teoria, é o último dia de 2020, mas não me surpreenderia se descobríssemos algum novo tipo de duplo ano bissexto de merda.

2020 tem sido um ano realmente difícil. A maioria de nós perdeu amigos e companheiros, muitos perderam familiares. Derramamos os nossos corações em iniciativas de sobrevivência expandidas e rebeliões ardentes, mas ainda não foi suficiente. Ainda não vimos o fim de toda a dor acumulada nos nossos círculos. Quero agradecer à dúzia de amizades que tornaram possível que eu sobrevivesse a este ano, sendo atenciosos e atentos. São os anarquistas mais verdadeiros que conheço, alguns dos únicos que realmente compreendem a solidariedade e a ajuda mútua. Mas os agradecimentos são inúteis se não estivermos abertos à mudança.

Refletindo sobre essas amizades, são quase todas mulheres, não brancas e pessoas neuro-atípicas. Peço veementemente a todos que pensem nas pessoas que cuidaram de pessoas em seus círculos (se você é uma delas, dê a si próprio um pouco de amor). Os homens e as pessoas neurotípicas precisam se comprometer com isso. O cuidado é uma habilidade para toda a vida. Ninguém vai aprender isso num só dia. Mas há algo que podemos mudar AGORA e temos de mudar se não quisermos que as nossas (pseudo)comunidades caiam e ardam em trauma, depressão e pobreza no próximo ano.

Para quem você olha como o alicerce da sua comunidade/círculo, aquela pessoa cuja orientação você procura para estabelecer normas sobre como se comunicar, resolver conflitos, lidar com aqueles que sofrem, moldar o espaço social? É melhor que sejam aquelas pessoas em quem pensou (que pertencem ao teu círculo). Devem ser aqueles que todos ouvem enquanto construímos as nossas comunidades/círculos.

Não deveria ser o acadêmico a citar Agamben, o amigo que te ensina a atirar, o que tem contatos em todo o mundo, o babaca que escreve livros, o que faz as melhores festas (a menos que sejam também o que se ocupa das pessoas, já que somos todos multifacetados). Todos esses outros tipos têm algo a oferecer em momentos importantes de luta (exceto as festas, bah humbug!)1 . Mas, na maioria das vezes, é para eles que damos poder para estruturar as nossas comunidades e é por isso que temos cenas produtivistas, militaristas, dogmáticas ou baseadas na popularidade. E estes são completamente incapazes de lidar com estafa (burnout) e traumas, ou de centrar as relações na sobrevivência coletiva, que é a característica que define uma comunidade real.

Uma teoria anarquista do poder reconheceria e valorizaria cada atividade que cria a nossa liberdade e bem-estar, deveria celebrar a experiência daqueles que a têm e encorajar cada um a desenvolver as suas próprias forças.

Em vez disso, exploramos e marginalizamos aquelas de quem mais dependemos para a nossa sobrevivência coletiva. Metade das pessoas com quem se pode contar para o sustento têm estado à beira do suicídio este ano. Quero mandar um sincero foda-se a todos os que não têm pensado nisso (em cuidar) e que continuam a construir as nossas comunidades falhas em torno de todas as lógicas erradas. Vão à merda. Comprometam-se. Se ainda não perceberam que a nossa sobrevivência está em risco, saiam já daqui.

Todo o meu amor para as pessoas que têm carregado todo esse fardo. Sim, todo o meu amor para as pessoas que têm estado na linha da frente, organizando protestos, escrevendo e debatendo. Sabendo, simplesmente, quando brilhar e quando segurar outra pessoa.

Finalmente, do fundo do meu ser, uma maldição imortal para os dois tipos de “camaradas” que, na minha perspectiva, têm sido os mais prejudiciais. Aqueles que ajudam os abusivos, evitam críticas ou consequências, que se fazem de neutros, giram o moinho de rumores porque têm muito medo de falar cara a cara. E, políticos do movimento que impõem suas ideias de classe média do que é possível acima do que as pessoas realmente precisam numa situação potencialmente revolucionária; desde greves de aluguéis a rebeliões anti-polícia. Que sofram uma infelicidade sem fim ou uma autoconsciência aguda dos danos que causaram.

Mas sim, amor para todos os outros.

Por favor, faça com que os seus amigos leiam isto, especialmente os produtivistas ou os legalzões (fadas sensatas da violência e das alianças)

É isto, tchau.


Tradução e revisão: Absort0, Fernando, abobrinha.


  1. Nota: Expressão utilizada pelo personagem Ebenezer Scrooge, de Charles Dickens, que se tornou símbolo de sua rabugice []