Publicado em Deixe um coment√°rio

[podcast] A gente pode hackear qualquer coisa! Entrevista com _LobodoMar_

Dentro da garrafa trazemos uma mensagem: A gente pode hackear qualquer coisa! A assertividade dessa frase é tão incrível e carrega em si um universo inteiro de possibilidades. Nessa conversa com o hacker LobodoMar passamos por alguns temas como Matrix, autoaprendizado, open-source na educação de nível superior, royalties de produtos e pesquisas acadêmicas, ética hacker, bem comum e outros temas. Ouça a entrevista no player abaixo ou faça o download do arquivo.

Juntos somos mais!

Publicado em Deixe um coment√°rio

[podcast] Bate-papo com Coletivo AnarcoTecnológico Mariscotron

Durante alguns dias recebemos as pessoas Coletivo Anarcotecnol√≥gico Mariscotron para conversas, pa√ßocas, botar tinta no papel e trocas. Aconteceram dois encontros com pessoas da comunidade: o primeiro foi uma conversa sobre open-source, eletr√īnica, componentes, energia solar, microcontroladores PIC, rob√≥tica, dom√≥tica, entre outros assuntos com visitantes da casa Monstro dos Mares, estudantes do IFPR acompanhados de um t√©cnico administrativo em educa√ß√£o e o Mariscotron (FOTO). O segundo encontro foi realizado na Esta√ß√£o Uni√£o, a ferrovi√°ria que divide a cidade de Uni√£o da Vit√≥ria (PR) e Porto Uni√£o (SC) no dia 18 de Setembro. Na ocasi√£o a conversa seria somente sobre a cr√≠tica anarquista √† democracia, mas enquanto esper√°vamos as pessoas chegarem gravamos uma entrevista para projeto de pesquisa do Vertov sobre coletivos tech e a conversa se desdobrou para cultura hacker, tecnologia, tecnopol√≠tica e democracia. Confira o podcast!

Participantes: abobrinha, Absort0, Ch√ļy, Jo√£o Nilson e Vertov.

mariscotron.libertar.org

Publicado em Deixe um coment√°rio

Seu manifesto, sua cultura (por Seth Godin)

√Č f√°cil relacionar um monte de banalidades e cham√°-las de ‚Äúmiss√£o‚ÄĚ. Mas o que acontece se voc√™ realmente tem uma miss√£o espec√≠fica, uma cultura em mente, um manifesto por suas a√ß√Ķes?

A escolha essencial é esta: você tem que descrever (e viver) as escolhas difíceis. Você tem que descobrir o que você vai enfrentar. Acima de tudo, você tem que deixar claro o que é importante e o que você não vai ou não pode fazer.

Aqui est√° algo que foi publicado esta semana por alguns amigos:

Perspic√°cia (Acumen)

Começa por estar com os pobres, ouvir vozes não ouvidas, e reconhecer o potencial onde outros só veem desespero.

Exige investimento como um meio, não um fim, ousadia para ir onde os mercados falharam e a ajuda ficou aquém. O investimento serve como capital, não como controle.

A perspic√°cia vive na imagina√ß√£o moral: a humildade de ver o mundo como ele √© e a aud√°cia de imaginar o mundo como ele poderia ser. √Č ambi√ß√£o de aprender, sabedoria para admitir o fracasso e coragem para recome√ßar. Ela exige paci√™ncia, bondade e supera√ß√£o: a esperan√ßa √© um jogo duro. √Č uma lideran√ßa que rejeita complac√™ncia, rompe a burocracia e a tenta√ß√£o da corrup√ß√£o. FAZER O QUE √Č CERTO, N√ÉO O QUE √Č F√ĀCIL.

Perspicácia é a ideia radical de criar esperança em um mundo cínico, mudando a maneira como o mundo aborda a pobreza e construindo um mundo baseado na dignidade.

Come√ßar, demandar, prosperar e exigir. Quatro palavras (verbos) que n√£o est√£o no vocabul√°rio da maioria das organiza√ß√Ķes.

Come√ßar, como em ‚Äúaqui onde n√≥s estamos, poucos outros est√£o.‚ÄĚ A maioria dos pol√≠ticos e entidades empresariais n√£o pode imaginar estar em p√© de igualdade com os pobres. Al√©m deles, √© √≥bvio. Mas com eles?

Demandar? Demandar significa fazer escolhas difíceis sobre o que a concorrência vai ser e que paradigmas você está disposto a definir e a realizar.

Prosperar, porque a sua organiza√ß√£o √© √ļnica e vale a pena se fazer chegar ao ponto em que ela vai prosperar, onde voc√™ far√° a diferen√ßa, n√£o apenas lutar.

E exigir, porque nada disso é fácil.

√Č f√°cil escrever isto, mas √© incrivelmente dif√≠cil de viver, porque exige escolhas dif√≠ceis e a vontade de gozar do resultado de suas a√ß√Ķes. Se voc√™ estiver indo para permitir brechas, espa√ßo de manobra e nega√ß√£o, nem se incomode mesmo.

Tradução livre de: Your manifesto, your culture
The Acumen Manifesto: http://acumen.org/manifesto/
Enviado por @ascatia