Publicado em 1 coment√°rio

[Live de lançamento] Zumbi dos Palmares: por uma educação antirracista

Ol√° amizade! Enfim entramos na “era das lives” e queremos que voc√™ venha participar de nossa primeira transmiss√£o ao vivo para lan√ßamento de livros. No dia 9 de Dezembro, √†s 20h, vamos conversar com Waltinho Vadala, autor de “Zumbi dos Palmares: por uma educa√ß√£o antirracista”. Lan√ßado atrav√©s de financiamento coletivo pela Monstro dos Mares, est√° sendo distribu√≠do para onze espa√ßos de educa√ß√£o e luta antirracista.

Coloque na agenda ūüôā

Lan√ßamento “Zumbi dos Palmares: por uma educa√ß√£o antirracista”
9 de Dezembro de 2020, 20h.
Instagram da editora @monstrodosmares

Apresentação

Assim como Zumbi, por meio da luta e da resist√™ncia o movimento negro tem entre suas maiores conquistas a Lei 10.639/2003, que torna obrigat√≥rio o ensino da cultura afro-brasileira e africana nas escolas p√ļblicas e particulares de todo o Brasil.

Por isso, a história de Zumbi dos Palmares tem todo o necessário para levar o educando à compreensão de como a cultura afro-brasileira e africana é fundamental na formação da identidade cultural brasileira, e de como o educador pode questionar e combater as estruturas eurocêntricas históricas que ainda permanecem intrínsecas à maneira que se conta a história negra dentro das escolas. Este é o intuito principal deste livro. Segue, então, uma análise de como o movimento negro se mobilizou ao longo do século XX para obter uma das maiores conquistas afro-brasileiras na educação: a inserção da sua história e da história de suas raízes africanas no currículo educacional do país.

O movimento negro √© a organiza√ß√£o do povo afro-brasileiro na constru√ß√£o do combate ao racismo na educa√ß√£o brasileira. Ele serve de exemplo te√≥rico metodol√≥gico para os educadores superarem o ‚Äúracismo hist√≥rico‚ÄĚ que ainda se reflete na educa√ß√£o brasileira e influencia principalmente no processo de constru√ß√£o da identidade do educando negro, que n√£o se v√™ representado na forma√ß√£o cultural brasileira. Por mais que a teoria explique que a identidade brasileira se forma com a cis√£o das culturas europeias, ind√≠genas e africanas, apenas a cultura branca √© descrita na hist√≥ria. Entretanto, a partir do momento que temos um her√≥i negro que luta pela liberdade mesmo estando √† margem do sistema, esse aluno se v√™ representado e culturalmente pertencente a essa identidade brasileira.

O autor

Nascido na d√©cada de 90 e criado na cidade de Tabo√£o da Serra, em S√£o Paulo, neto de nordestinos e bisneto de imigrantes da S√≠ria e da It√°lia, Walter Vadala √© professor do Estado de S√£o Paulo desde 2013. Por op√ß√£o, leciona nas √°reas mais perif√©ricas. √Č historiador com p√≥s gradua√ß√£o em e Psicopedagogia, Arte e Cultura Afro-Brasileira e Ind√≠gena, e atualmente estudante de Ci√™ncias Sociais. Fundador do Coletivo Cultura Viva, um movimento de propaga√ß√£o das culturas ind√≠genas da Am√©rica atrav√©s de eventos culturais e produ√ß√Ķes audiovisuais, produziu e lan√ßou em 2019 um document√°rio sobre como os Guaranis transmitem seus conhecimentos origin√°rios para suas crian√ßas atrav√©s do canto. O document√°rio √© intitulado ‚ÄúVozes Guarani‚ÄĚ.


Publicado em 5 coment√°rios

Novembro de 2020 na Monstro dos Mares 🖨️

Esta √© quarta vez que tento escrever o que aconteceu em nossa editora durante o m√™s de Novembro e fico confuso por onde come√ßar. Foi bem puxado, mas n√£o foi dif√≠cil, porque temos muita satisfa√ß√£o em fazer livros e zines para distribuir aos diversos recantos do pa√≠s. O que foi mais complicado mesmo foi fazer tudo isso acompanhando as not√≠cias aqui da pacata e distante Ponta Grossa, um descampado existencial no interior do Paran√°. Aconteceram tantas coisas: pandemia, apag√£o, testes apodrecendo num galp√£o, o assassinato de Jo√£o Alberto por um brigadiano (PM) fazendo bico no Carrefour em Porto Alegre, forte estiagem, elei√ß√Ķes estadunidenses, elei√ß√Ķes no Brasil, segundo turno, segunda onda. √Č tanta not√≠cia ruim que parece ser um ano inteiro!

Justiça para Beto: A revolta ardeu nas ruas, não apenas em Porto Alegre.

A pandemia ligou todos os alertas sobre a import√Ęncia e a necessidade de espa√ßo, conviv√™ncia com outras pessoas e consigo. Depois de oito meses sem sair do apartamento, decidimos nos mudar. Novembro foi o primeiro m√™s da editora instalada em seu novo endere√ßo. Agora √© poss√≠vel produzir e viver, respirar melhor, botar o p√© na grama, esticar o corpo e, √≥bvio, fazer livros em qualquer hor√°rio. Conseguimos fazer a manuten√ß√£o na guilhotina, organizar envios de muitos materiais para distribui√ß√£o gratuita… Neste m√™s foram destinados 139 livros e 222 zines para diversos movimentos, bibliotecas comunit√°rias e singularidades. Temos a certeza de que estamos cumprindo nosso objetivo de espalhar ideias pelos sete mares.

Tamb√©m conseguimos avan√ßar muito em nosso projeto de energia solar e agora estamos utilizando o sol em 100% da atividade da editora, tanto na impressora, como em computadores, perif√©ricos e tudo mais. Estamos com a carga cheia de alegria ao aprender e compartilhar conhecimentos em torno da busca pela autonomia. Fizemos a impress√£o do zine de n√ļmero dez mil (10.000) utilizando energia renov√°vel.

N√£o tivemos feira do livro nem eventos neste ano, mas conseguimos dar um belo e moral desconto para as pessoas que nos acompanham nas redes sociais para que Novembro tenha sempre aquele gostinho de muitos livros.

Confira nossos n√ļmeros de Novembro:

  • Impress√Ķes de Novembro de 2020: 34.623
  • Livros impressos: 456
  • Livros distribui√ß√£o gratuita: 139
  • Zines impressos: 1382
  • Zines distribui√ß√£o gratuita: 222
  • Kw gerados e consumidos com energia solar: 27Kw

Numerologia

821 livros e 1211 zines para distribuição gratuita em 2020.

Numerologia: Hotsite com informa√ß√Ķes sobre nossos n√ļmeros mensais/anuais 🔮
https://monstrodosmares.com.br/numerologia