Publicado em Deixe um comentário

Agradecimentos às contribuições na Rede de Apoio em Fevereiro de 2020.

Agradecimentos às contribuições na Rede de Apoio em Fevereiro de 2020.

Em Fevereiro nossos agradecimentos vão para as pessoas que entendem que um coletivo editorial de inspiração anárquica e anarquista só é capaz de existir quando há pessoas que entendem a necessidade e a urgência de uma ampla diversidade de temas, fontes de pesquisa e ferramentas de autoinstrução. Assim, pessoas interessadas em descobrir novos mares de práticas sociais e aquelas que já estão navegando nessas águas podem ter acesso de baixo e baixíssimo custo a textos que fazem emergir das profundezas referências e fundamentos para articular respostas, ou partes de respostas, às perguntas de quem mergulha na pesquisa, na dúvida e na ampliação de suas ações.

Só é possível fazer e distribuir livros e zines porque algumas pessoas compreendem essa função das editoras anárquicas e anarquistas, e fortalecem na divulgação dos materiais, escolhendo alguns itens em nossa lojinha, chegando junto na banquinha ou entrando com recursos financeiros na Rede de Apoio quando viável. Ao contribuir com a Editora Monstro dos Mares, você participa de uma iniciativa contra toda e qualquer forma de opressão. Seu apoio contribui para a disseminação de conhecimentos dissidentes e não-normativos, fazendo-os chegar a coletivos e singularidades que atuam em nome da liberdade e da autonomia.

Nossos agradecimentos especiais vão para quem fortalece parte do aluguel do espaço físico, da energia elétrica e internet, papel de impressão, papel de capa, colas, grampos, equipamentos de impressão, equipamentos de corte, afiação, manutenção de impressoras, manutenção da caixa postal, viagens para eventos e, principalmente, da cobertura de custos de Correios para envio de materiais gratuitos.

Se você conhece algum coletivo ou biblioteca comunitária que já recebeu um de nossos pacotes gratuitos, mande um alô! Adoramos saber como os materiais estão circulando. Caso queira indicar algum, por favor entre em contato através de um de nossos canais:

E-mail: editora@monstrodosmares.com.br
Instagram: @monstrodosmares
Facebook: facebook.com/monstrodosmares
Telegram: Grupo – @editoramonstrodosmares / Canal – @monstrodosmares


Agradecimentos aos apoios do mês de Fevereiro de 2020:

  • Anna Karina
  • Andrei Cerentini
  • Jadson Stevan Souza da Silva
  • Caio Maximino
  • Lorenzo Basso Benevenutti
  • Mayumi Horibe
  • Daniela de Souza Pritsch
  • Camila Silva
  • Lucas Soares
  • Geanny Paula Thiesen
  • Viviane Kelly Silva
  • José Vandério Cirqueira
  • Willian Aust
  • Guapo
  • Contribuições anônimas

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um comentário

Minidocumentário + agradecimentos Rede de Apoio Janeiro de 2020

Olá Compas!

Os meses de Janeiro e Fevereiro costumam ser bem malucos pra gente. Nos últimos quatro anos, passamos o início do ano mudando de casa, de cidade e de estado. Este é o primeiro ano em que seguimos com as atividades da editora sem interrupções e estamos utilizando esse período para pensar sobre nossas atividades de editores, refletindo sobre as perspectivas e objetivos de nosso projeto editorial. Mas será que realmente queremos ter rugas de mar calmo? Sabemos que uma vida sem tempestades não faz bons marinheiros. Por isso, nosso olhar para a própria realização nos trouxe um pouco de perplexidade, pois descobrimos que precisamos de mais vento soprando nas velas para seguirmos desbravando os sete mares.

Ao perceber que nem todas as pessoas conhecem o percurso que nossos livros e zines percorrem até chegar nas mãos leitoras, resolvemos criar uma série de vídeos apresentando parte de nosso dia a dia fazendo e distribuindo nossos materiais. Nossa editora geral e empacotadora abobrinha aproveitou o dia de fazer os envios da Rede de Apoio para gravar parte do trajeto de como os materiais são escolhidos e embalados para os correios. Dessa forma, queremos tornar mais evidentes as decisões, os desafios e as dificuldades que enfrentamos para realizar essa atividade de jogar tinta no papel e fazê-la chegar a vários recantos do país.

O minidoc tem uma hora de duração e fizemos todo o possível para que seja uma experiência que aproxime quem não está aqui conosco de nossa atividade diária. Se possível, deixe nos comentários sua opinião sobre vídeo. Valeu!

Agradecimentos Rede de Apoio – Janeiro de 2020

Uma saudação especial às novas apoiadoras do projeto:

  • Camila Silva
  • Lucas Soares
  • Jadson Stevan Souza da Silva
  • Mayumi Horibe

Nosso carinho aos apoios de:

  • Viviane Kelly Silva
  • Enguia
  • Guapo
  • Willian Aust
  • Anna Karina 
  • Andrei Cerentini
  • Daniela de Souza Pritsch
  • Contribuições anônimas

Nossa capacidade de seguir navegando depende diretamente do apoio dessas pessoas. É através dessas contribuições que conseguimos enviar materiais para bibliotecas comunitárias, coletivos, movimentos sociais, pesquisadoras e singularidades em todo o território deste imenso país. Os recursos arrecadados também são utilizados para cobrir despesas de correios (aproximadamente 800 reais por mês), colaboração nas taxas de aluguel / energia elétrica / internet (em torno de 800 reais por mês) e também para a manutenção dos equipamentos de impressão, afiação e lubrificação dos equipamentos de corte (duas guilhotinas e três tesouras), manutenção e hospedagem do site, contratação de serviços de rastreamento / acompanhamento por e-mail de encomendas, serviço de caixa postal, aquisição de papel de impressão / papel de capas / tintas / cabeçotes de impressão / caixas de manutenção e outras tantas despesas e investimentos mensais.

Ainda estamos distantes do horizonte de uma independência financeira que nos possibilite parar de vender os livros na loja e poder simplesmente fazer somente os livros e zines que são enviados gratuitamente. Por isso, a sua participação com qualquer valor a partir de cinco reais nos ajuda muito. Indicar nossa editora para outras pessoas também é uma forma de ajudar nosso projeto: mesmo que suas amizades não assinem nossa rede de apoio ou façam compras pontuais em nossa lojinha, ampliar as pontas de contato já ajuda bastante.

Mais do que um pedido, este também é um desabafo, pois nesses dias pudemos perceber que para seguir adiante também teremos que compartilhar um pouquinho de nossos problemas, frustrações e preocupações com o futuro.

Forte abraço,
Editores

Publicado em Deixe um comentário

Conferência Kropotkin 2021: chamada de artigos

https://kropotkin2021.com

Peter Kropotkin 1921-2021 – International Conference/Conferencia Internacional, Universidade de São Paulo (USP), Brazil, 19-23/7/2021

As ideias de Kropotkin sobre ajuda mútua continuam a desafiar noções capitalistas e neoliberais atuais de competição e podem servir para contestar o Malthusianismo presente nas ciências sociais e do desenvolvimento, especialmente no que é chamado hoje de “Sul Global”. A noção de ciência de Kropotkin como sendo sinônimo de pensamento ético, experimentação criativa e questionamento sem limites ainda afrontam manifestações correntes de fanatismo religioso e obscurantismo por todo o mundo, incluindo o retorno do criacionismo. As ideias de Kropotkin sobre federalismo e decentralização ainda fomentam debates sobre a inter-relação entre economia e política, sociedade, cultura e território, e questões ambientais em diferentes níveis. Seu internacionalismo, mesmo que controverso, tem lições para todas/os aquelas/es que lutam contra as paredes e fronteiras que são (re)construídas cada vez mais no mundo, e pelo cultivo da solidariedade internacionalizada entre todas/os as/os oprimidas/os. O anticolonialismo de Kropotkin está entre as primeiras tentativas de incluir espaços e identidades em todas as lutas por justiça social, agora estimulando ideias sobre o “giro espacial” em movimentos sociais na América Latina e outros. Os esforços de Kropotkin em prol do desenvolvimento de novos conceitos e estruturas de pensamento em torno de seu conceito de ética para apoiar a organização anarquista produziram um ferramental teórico rico para a crítica nunca pararam de inspirar noções globais de solidariedade e afinidade. Em colaboração com Elisée Reclus e círculos de geógrafos anarquistas do século dezenove, Kropotkin estabeleceu princípios de geografia social e para o ensino de geografia que ainda inspiram tendências críticas e radicais na disciplina.

Primeira chamada de artigos

Pëtr Alekseevich Kropotkin (1842-1921) foi, sem dúvida, uma das mais importantes figuras na história global do anarquismo e dos princípios do socialismo. Os escritos e atividades de Kropotkin contribuíram para a formação de teorias internacionais e práticas anarco-comunistas, exercendo influência definitiva no pensamento anarquista e crítico que se mantém relevante até hoje.

Sendo um excepcional pensador e escritor, Kropotkin também é um sujeito exemplar para as histórias transnacionais de ativismo cosmopolita e multilíngue e para a análise do socialismo Europeu e internacional. Ele estabeleceu alguns dos artigos anarquistas mais influentes dos séculos dezenove e vinte, mantendo correspondência com uma grande rede de ativistas socialistas, e estava constantemente envolvido em atividade política, especialmente na Rússia, França e Reino Unido. Kropotkin era um crítico persistente e vocal do Czarismo e um igualmente veemente crítico do Marxismo.

O centenário de Kropotkin é ocasião para redescobrirmos uma excepcional figura que pode interessar e inspirar geógrafas/os, historiadoras/es, filósofas/os, antropólogas/os, sociólogas/os, economistas, cientistas sociais e outras/os estudiosas/os, assim como ativistas e públicos variados. Kropotkin pode nos ajudar a repensar os limites disciplinares das ciências sociais e naturais e das humanidades e o papel social transformador da análise crítica. Nós saudamos intervenções na vida e trabalhos de Kropotkin e em sua recepção, assim como contribuições que se inspiram no anarquismo de Kropotkin. Reconhecendo que a história do anarquismo, tal como a história de qualquer disciplina intelectual, não é limitada ao estudo dos “grandes homens” (ou “grandes mulheres”) da história, nós acolhemos intervenções que exploram redes mais abrangentes, circulação de ideias e espaços e contextos dos quais Kropotkin fazia parte. Nós convidamos especialmente contribuições sobre (mas não limitadas a):

  • A história e teoria do anarquismo, com especial referência a temas abordados por Kropotkin (ajuda mútua, descentralização, justiça social e trabalho manual, Revolução Francesa, ética, pedagogia, prisões…);
  • Acadêmicas/os e ativistas familiarizadas/os com Kropotkin ou envolvidas/os com a manutenção de seu legado;
  • História global e transnacionalismo, com especial referência a experiências de ativismo radical;
  • Filosofia e história da geografia (e da ciência em geral), com especial referência a tendências críticas iniciais;
  • Decolonialidade, feminismo, gênero e estudos críticos de raça, com especial referência a suas relações com a tradição anarquista;
  • Ajuda mútua, evolucionismo. Malthusianismo e suas críticas;
  • Filosofia da natureza, determinismo ambiental e suas críticas;
  • Ciência, religião e suas críticas;
  • Recepção do anarco-comunismo de Kropotkin na América Latina e mais amplamente no “Sul Global”;
  • Pesquisa anarquista e radical atual em todas as disciplinas acadêmicas (humanidades, ciências sociais, ciências naturais…)
  • Anarquismo e alternativas sociais radicais hoje.

Formato

Queremos evitar o formato de conferências clássicas, com “grandes nomes” fazendo discursos essenciais, acadêmicas/os em início ou meio de carreira organizando sessões e alunas/os apresentando artigos e pôsteres. Nesta conferência, todas as sessões serão em forma de plenária, (sem sessões paralelas, portanto), para que quem esteja apresentando possa se dirigir à audiência e todas as pessoas possam se ouvir.

Idiomas

As línguas utilizadas serão Português, Inglês, Espanhol e Francês. Convidamos todas/os que forem se apresentar a fornecer uma apresentação de slides em uma segunda língua. Nós organizaremos voluntárias/os para oferecer tradução solidária em grupos durante as apresentações.

Submissão de resumos

Por favor, submeta sua proposta (250-500 palavras) até 31 de Maio de 2020 para kropotkin19212021@gmail.com. No aceite, você receberá informações sobre inscrição, possibilidades de acomodação, etc.

Algumas bolsas de viagem estão disponíveis para participantes que não contem com outros fundos para financiar sua viagem: como elas são em número limitado, não podemos garantir que todas/os as/os candidatas/os as recebam; então, se você quer se candidatar a financiamento de viagem por favor o especifique quando enviar seu resumo e envie detalhes dos motivos pelos quais necessita dessa ajuda.

Publicado em Deixe um comentário

Agradecimentos às contribuições na Rede de Apoio em Novembro e Dezembro de 2019.

Novembro foi uma correria! Estivemos na Feira Anarquista de SP e isso atrasou um pouco o envio das recompensas do mês de Novembro. Mas quem apoiou vai receber um presentão: o livro “O curto verão da anarquia”, edição de uso didático artesanal e um toyart Jubarti confeccionado por nossa amiga Milene Fernanda Pedro, do Milene Artes Ateliê.

Queremos agradecer as contribuições neste ano de 2019. Com esse apoio, conseguimos enviar muito material gratuito para vários recantos do Brasil, fortalecer a aquisição de novos equipamentos da editora, garantir nossa presença em eventos em outras cidades e a revisão/manutenção do site, caixa postal, afiação das guilhotinas, tinta e papel. Obrigado mesmo! Sem essas colaborações, esse projeto editorial não seria possível. Sigamos juntos em 2020.

Agradecimentos:

  • Rogerio Veiga Rodrigues
  • Luiz Alberto Barreto Leite
  • Daniela de Souza Pritsch
  • Viviane Kelly Silva
  • Enguia
  • Willian Aust
  • Anna Karina
  • Andrei Cerentini
  • Paulo Oliveira
  • Guapo Magon
  • Contribuições anônimas

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um comentário

Desativamos PAC e SEDEX? Obrigado Carteiro! 💌

A precarização dos Correios é um projeto neoliberal para entregar a empresa ao grande mercado de capitais. Enquanto o AliExpress e o Mercado Livre esfregam as mãos aguardando o dia que receberão o serviço de encomendas à preço de banana pelas mãos de salnoraBo e Papo Guedes, trabalhadoras e trabalhadores dos Correios vivem incertezas sobre garantias trabalhistas, sequestro de fundos de pensão, profissionais doentes, instabilidade dos serviços e crescente terceirização de atividades.

Com tudo isso, nós que utilizamos os serviços acompanhamos os aumentos de preços crescentes nos serviços de correspondência e encomendas. Nem todas as pessoas sabem, mas a Universalização dos Serviços de Correspondência é um direito. Mas para que ele serve?

Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e ideias por qualquer meio de expressão.

Artigo 19º – Declaração Universal dos Direitos Humanos

Comunicar-se é um direito humano, enviar suas opiniões e expressões, receber sem considerações de fronteiras, sacou? Por isso que enviar e receber correspondências é uma garantia. Mas se você tiver que pagar uma fortuna para isso, será que é realmente um direito?

Os Correios possuem tarifas econômicas para envio de Cartas e materiais Impressos. Desde 2015 essas modalidades vem sofrendo profundas modificações. O envio de impressos por exemplo (livros, revistas, material de divulgação, etc..) tiveram seus limites modificados de 21kg. para 2kg. E o preço das tarifas vem se multiplicando a cada ano. Mas ainda assim, podemos enviar cartas e impressos com uma política especial, diferente das encomendas (por enquanto).

A Editora Monstro dos Mares decidiu DESCONTINUAR os envios através de PAC e SEDEX. Entendemos que também é nosso papel lutar e defender a Universalização dos Serviços de Correspondência e combater a precarização das atividades de profissionais Carteiros. São Monas, Minas e Manos que fazem a maior correria todos os dias para que livros, zines e cultura cheguem nas mãos de mais e mais pessoas. Somando em solidariedade com a categoria e seus familiares pela garantia dos direitos desses profissionais, independentemente de posições anteriores de sindicatos e ou indivíduos.

PRIVATIZAÇÃO NÃO!

Todos os envios possuem registro módico, ou seja, uma forma de registro econômico que permite que o envio seja rastreado parcialmente no envio, movimentação de entrega e na eventualidade de um erro de entrega ou retorno.

💌 Dúvidas sobre os valores de fretes? Clique aqui e confira os preços em vigor.

Informações adicionais

Publicado em Deixe um comentário

Fortaleça: Reforma da horta hidropônica de Utopia e Luta

Quem conhece o espaço coletivo de Utopia e Luta sabe da importância da horta no terraço e como esse tipo de cultivo fortalece as relações, os vínculos com a comunidade e os recursos desse assentamento urbano. Convidamos todas as pessoas para se somarem nessa campanha de financiamento coletivo e contribuir para que a horta volte com tudo. São necessárias diversas melhorias e manutenções, como a troca de 100m de lona de 200 micras, motores para hidroponia, insumos de plantio, estruturas, etc. Todos esses itens são bem específicos e dão pouco espaço para improvisações. Por isso Utopia e Luta precisa de sua ajuda para seguir cultivando um mundo de ideias, consciência e liberdade.

Conheça a campanha no Catarse e apoie.

Localizada no centro de Porto Alegre, a Comunidade Autônoma Utopia e Luta é uma exceção à regra das ocupações urbanas brasileiras. Iniciada em 2005 com uma ocupação durante o Fórum Social Mundial, a comunidade hoje é a única cooperativa que obteve regularização fundiária pelo Programa Crédito Solidário do governo federal. O prédio, situado nas escadarias do Viaduto Otávio Rocha na avenida Borges de Medeiros, foi contemplado com o programa viabilizado pela Caixa Econômica Federal e pelo Ministério das Cidades. Propriedade do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), o edifício estava em processo de deterioração e desocupado havia 17 anos. O projeto do Utopia e Luta é único do tipo entre os contemplados pelo programa Crédito Solidário desde 2007.

Hoje estamos as vésperas de completar 15 anos de uma Ocupação exitosa e precisamos do seu apoio para reformar nossa Horta hidropônica, lançamos nosso grito aqui do sul do Brasil aos nossos amigos e parceiros do mundo todo, seguimos autônomos e acreditando em um mundo possível, com mais justiça e igualdade social.”

Nanci Araujo
Publicado em Deixe um comentário

Agradecimentos: Por uma impressora incendiária 🖨🔥

Olá, compas!

A impressora chegou! BOOM! As recompensas já foram impressas e falta somente o adesivo criado pelo artista Fabio Maciel chegar da gráfica para começarmos os envios. Temos números bem interessantes da campanha para compartilhar: serão ao total 72 livros, 780 zines, 27kg de material. É muita coisa e estamos radiantes por levar toda essa pacoteira aos correios. Antes de tudo queremos agradecer imensamente a todas as pessoas apoiaram, curtiram, compartilharam e fizeram a campanha atingir os 127,33%. Um total de R$ 3.453,00 – sendo 13% de taxas para o Catarse, R$2.300,00 da impressora e com o restante do valor pegamos papel, tinta, impressão dos adesivos e correios (que leva uma grande parte dos recursos).

É muita alegria e a certeza de estarmos realizando nosso compromisso com a divulgação e distribuição da cultura anárquica e anarquista para fora dos muros da academia e fazendo chegar às mãos de monas, minas e manos que fazem a cotidianidade da luta, da resistência e da pesquisa. Independente da fração ou tendência, a Editora Monstro dos Mares se coloca como uma alternativa para o acesso de epistemologias dissidentes de baixo e baixíssimo custo para coletivos, federações, espaços sociais, grupos de estudos, sindicatos, bibliotecas comunitárias e movimentos sociais.

Nosso agradecimento especial para:

  • Beck Maurício;
  • Ana Lancman;
  • Coletivo Ilex;
  • Simone Ferreira;
  • Sérgio Ricardo Santos Soares;
  • Lucas Alves; Juliano Gomes;
  • Absorth0;
  • Kinoruss Edições e Cultura;
  • Mayumi Horibe;
  • Ricardo Teixeira;
  • Francisco Freire Queiroz;
  • Claudia Mayer;
  • Tiago Jaime Machado;
  • Viviane Kelly Silva;
  • Café Bonobo;
  • R.
  • Maxwell Araujo Santiago Tavares;
  • Willian Aust;
  • José Vandério Cirqueira;
  • Damazio Campos de Souza;
  • Ana Tigrinho;
  • Victor dos Reis Wolffenbüttel;
  • Clara Forrer Charlier;
  • Totonho;
  • Luciana Ohira Kawassaki;
  • Anna Karina;
  • Larissa Schip;
  • Talles Azigon;
  • Danilo Verde;
  • Geova Maciel de Alencar Filho;
  • Bruno Luciano Meireles;
  • Karine Tressler;
  • Elton Correa de Borba;
  • Caio;
  • Diego Santos de Souza;
  • Aparecida de Jesus Ferreira;
  • Érico FDS;
  • João Luiz de Oliveira Bertazzi Coube;
  • Pedro Gil;
  • Toró de Letras;
  • Jorge Eduardo
  • Rivero Filiciano;
  • Oran Takezo M. Kalil;
  • Isaac Moreira Barbosa;
  • Contribuições anônimas.

Ei pirata! 🏴‍☠️
Faça parte da Rede de Apoio da editora fazendo uma contribuição mensal:
Catarse assinaturas ou no PicPay assinaturas

Publicado em Deixe um comentário

Por uma impressora incendiária: é muita ansiedade – último dia

Por uma impressora incendiária: www.catarse.me/impressoraincendiaria

Foram 60 dias com aquele nó nas tripas, é muita ansiedade. Será que vai dar, será que não vai? Aê! Rolou. São tantas emoções dando cambalhotas, mais uma vez, é muita ansiedade. Mas estamos super felizes que já aconteceu, com a ajuda de pessoas em 13 estados brasileiros (até o fechamento desse texto) a impressora vai chegar! Muito mais que a felicidade de contar com a colaboração de vocês é saber que será possível enviar muitos materiais gratuitamente para bibliotecas comunitárias, coletivos, sindicatos, federações, movimentos sociais, grupos de estudos, espaços autônomos e singularidades dos mais diversos espectros do campo anárquico e anarquista.

Nos próximos dias, todas as pessoas que contribuíram na campanha receberão um questionário online para preencher o seu endereço atual ou onde deseja receber suas recompensas, bem como uma área para preencher com sugestões de espaços para receber os materiais. Pode também ser mais de um, pois além de pulular a lista de envios das recompensas, formará uma base de dados para envios futuros, uma vez que mensalmente vamos aos correios despachar material gratuitamente para coletivos e singularidades. Algumas pessoas já estão escrevendo pedindo para receber os materiais, é muita ansiedade! Infelizmente alguns ritos são necessários: O Catarse, mesmo mordendo 13%, leva 10 dias úteis para liberar os recursos e realizar a transferência bancária dos valores. Já estamos adiantando tudo que é possível para fazer antes disso, mas é muita ansiedade!

Na próxima semana, apoiadoras e apoiadores da campanha da impressora e de nossa Rede de Apoio receberão por e-mail um vídeo apresentando os 10 zines que formarão o pacote básico das recompensas e o livro escolhido para compor os pacotes que optaram por recebê-lo. Este vídeo ficará privado e disponível para apoiadoras e membros da rede de apoio e 10 dias depois ficará público a todas as pessoas. Estamos loucos para começar, é muita ansiedade!

Queremos agradecer as diversas pessoas que dispuseram um pouquinho do seu tempo para acompanhar nossa campanha, deram aquela força bacana na divulgação e evidentemente, todas e todos que puderam fortalecer os recursos necessários para que tudo pudesse dar certo. Estamos felizes e ansiosos!

💌 Existem várias formas de colaborar com a editora: faça uma doação.

Publicado em Deixe um comentário

Receitas para fortalecer lutas: homenagem ao Milharal

Milharal, obrigado por tudo!

Durante alguns anos estivemos presentes na rede de blogs dissidentes Milharal (milharal.org). Esse recanto acolhedor do ciberespaço nos ofereceu guarida e com carinho hospedou nosso blog e muitos outros que seguem por lá. Recentemente tivemos que migrar a estrutura do website da Editora Monstro dos Mares e optamos por realizar a importação do conteúdo no Milharal para o novo endereço. Por isso decidimos escrever essa cartinha. 😉


É fundamental que existam serviços gratuitos para que coletivos e singularidades possam publicar notícias e informações sobre sua organização, disponibilizar conteúdos e divulgar eventos. Nesses tempos estranhos onde aparentemente toda a ideia de internet que a maioria das pessoas tem está concentrada em produtos de grandes corporações. Portanto fazer sua própria mídia, de forma autônoma e independente do Facebook é muito mais do que uma alternativa, mas uma necessidade para quem busca uma contestação ao que está posto.

Apropriar-se da tecnologia é antes de qualquer coisa, apropriar-se da essência da tecnologia. Fazer com as próprias mãos, no bom e velhos espírito punk do faça-você-mesma é mais significativo do que a adoção de uma ferramenta da moda. Esticar os braços, compreender as possibilidades e as necessidades é o primeiro passo para ir na direção da pergunta como fazer. Com isso convocamos:

  1. É hora de gerarmos mais conteúdo sobre as questões que movem nossos coletivos, grupos, federações, sindicatos, bandos e bandas. Precisamos comunicar nossas necessidades e as reflexões sobre o nosso tempo;
  2. Para contornar um evidente bloqueio de nossas formas de comunicação convém diversificar as formas de disseminação dos conteúdos públicos e refinar os protocolos de acesso às comunicações seguras, prezando pelo anonimato e sem intermediários. Não há motivos para divulgar notícias, eventos e conteúdos somente no Facebook ou WhatsApp. Criar um blog pode ser um bom começo;
  3. Algumas questões não precisam ser ditas nem mesmo se você considerar que o meio é seguro. Não há meio seguro, existem meios menos vulneráveis;
  4. Inserir a cultura de segurança em seu coletivo é uma boa prática desejável e item fundamental para destinar alguns minutos nos pontos de pauta de encontros e reuniões. Ver a metodologia de Segurança de Pés Descalços (spd.libertar.org);
  5. Muito mais do que sermos envolvidos pelas questões que emergem e borbulham em cada semana, é interessante considerar fortalecer os vínculos que temos entre nós e compas. Criar espaços de convivência, diálogo, estudo e práticas de solidariedade entre grupos e comunidades;
  6. Desenvolver estratégias de manutenção dos espaços coletivos, criar possibilidades que possam fortalecer os recursos do grupo. Criar uma rede de pessoas dispostas em apoiar mensalmente as atividades, banquinha de zines, uma editora artesanal, camisetas, eco-bags, pães, distribuição de produtos orgânicos por assinatura, rango vegano, enfim. Existe uma infinidade práticas para viabilizar recursos para despesas operacionais, manutenção de espaços, necessidades jurídicas, fundos de apoio à compas com doenças crônicas, fortalecer comunidades, etc.;
  7. Fortalecer e disseminar nossa cultura, acolher as pessoas que se chegam, realizar eventos, grupos de estudos, apresentações musicais, cineclube, bicicletas e festivais e possibilitem encontros entre nossos movimentos e comunidades (ver A-fund https://afund.antirep.net/pt/);
  8. Inserir novos passos e revisitar essa lista sempre que possível. Não recorrer à formulas prontas, mas contar com o apoio e solidariedade de compas que já estão no rolê, investigar, descobrir e analisar novos e velhos pontos.

O Milharal hospeda mais de 200 blogs de iniciativas coletivas e singularidades que se movem na atuação social, militância e reflexões sobre o nosso tempo. Nessa grande lista (https://milharal.org/indice/) você pode acompanhar o que nossas amizades, monas, minas e manos estão fazendo e pensando para criar transformações sociais imersivas e com pluralidade de táticas de nossos movimentos.

Envolva-se, mobilize e fortaleça.
Milharal, muito obrigado.

Monstro dos Mares

Publicado em Deixe um comentário

[livro] O mal-estar do dominante: agradecimento aos apoios

Pessoas da Terra, amizades e compas.

Entre os meses de Abril e Julho de 2019 nos movimentamos para buscar recursos capazes de construir boa distribuição gratuita do exemplar impresso do livro “O mal-estar do dominante”. Um título que consideramos de muita relevância ao catálogo da Monstro dos Mares por abarcar em sua proposta aspectos que fazemos questão de elencar ainda que brevemente.

Método: a autora busca em sua metodologia ouvir (e estudar) a voz de personagens que por muitas vezes nos escapam aos sentidos, ficando sua interpretação restrita à generalização apressada e ao senso comum. O homem branco, cis, hétero é o objeto desse estudo que busca compreender as origens de sua falta de empatia.

Forma: É raro, não, raríssimo entrarmos em contato com um “ensaio enquanto tese”. Não é comum, nem sempre é aceito, muitas vezes se perdem na origem. A universidade tem seus ritos e nem sempre é possível romper com as formas do estabelecido. A autora nos apresenta o ensaio em primeira pessoa que deu origem à sua tese, que mesmo não sendo aceito entre os muros do conhecimento dominante, foi recebido nesta editora de braços abertos e fazemos muito gosto de sua ampla divulgação.

Em momentos tão difíceis de nossa sociedade, onde o preconceito, o patriarcado, a falta de amor e empatia causam estragos praticamente irreversíveis nas relações entre as pessoas, esse livro traz unidade, senso de cooperação e amor por tudo que acreditamos e por tudo que fazemos para combater as pequenas e as grandes opressões cotidianas.

Esse livro só foi possível graças à colaboração e solidariedade de pessoas que voluntariamente contribuíram no Catarse com recursos financeiros, transformando o projeto em realidade. Agradecemos imensamente as colaborações de:

  • Adail Sobral
  • Barbara Iansa de Lima Barroso
  • Bêh Arsênio
  • Camilo Skrok
  • Carolina Fernandes
  • Clara Silveira
  • Claudia Mayer
  • Cristina Zanella
  • Emily Vasconcellos
  • Fabiane Lettnin
  • Janaina WH
  • Leonardo Morales Ferreira
  • Lucas Alves
  • Luci Mari Leite Jorge
  • Patrícia dos Santos Quintana
  • Rafael Kimura
  • Régis Garcia
  • Rochele Souza Barbosa
  • Tiago Jaime Machado
  • Trober
  • Apoiadores e apoiadoras que optaram pelo anonimato